Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Casas antigas guardam histórias e mistérios (1ª parte)

Casa dos Cerqueira Lima

Era meia-noite, o vento soprava forte pelas janelas em um ranger que dava arrepios. De repente, ao olhar para o alto, um vulto surgiu. Seria aquela senhora, morta há alguns anos atrás com o filho, que resolveu voltar para buscar o tesouro de pepitas de ouro, dólares e muitas jóias, que até hoje está desaparecido? Na casa abandonada, os mistérios desafiam os mais corajosos que ainda teimam em visitá-la. Essa história poderia ser apenas mais um conto ou roteiro de um filme de terror ou suspense. Apesar do exagero, pertinente ao imaginário humano, a narração funesta pertence ao cotidiano de muitos capixabas. Basta dar uma volta pelo Centro da cidade para esbarrar em casas antigas, quase centenárias, que guardam recordações a altura de qualquer filme de Hitchcok.

No “tour do terror”, a primeira parada está em uma encruzilhada: esquina das ruas São Gonçalo e Muniz Freire, na Cidade Alta. É a antiga casa que pertenceu à família Cerqueira Lima, onde foram assassinados em abril de 1996, Célia Maria Cerqueira Normanha, 46, em condições no mínimo estranhas e confusas. Só após quase um ano de desaparecimento dos dois, a polícia capixaba conseguiu provar a culpa do advogado de Célia no crime. Homem de confiança de Célia, o advogado planejou o assassinato – eles foram asfixiados e enterrados como indigentes – de olho em um cofre com US$ 600 mil e jóias.

O casarão agora passa por restaurações, pois será a sede da administração regional do Centro. O mistério que envolveu o caso Normanha pode não ser o único no local, pois segundo a prefeitinha Lilia Mello, a casa foi apoio da antiga Igreja da Misericórdia, onde está a Assembléia Legislativa. “Quando rebaixaram a rua ao lado da Assembléia acharam várias ossadas, o que indica que o terreno onde está a casa pode ser um antigo cemitério”, fala. Para desvendar parte disso tudo, será feita uma escavação arqueológica no local. 

 

Fonte: Jornal A GAZETA de 05/11/1999
Pesquisa: Casa da Memória do ES
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2011

 

LINK RELACIONADO:

>> Casas antigas guardam histórias e mistérios (2ª parte)



GALERIA:

📷
📷


Variedades

O barco Juparanã

O barco Juparanã

Quereis fretar esse navio e nele navegar a vossa tristeza e o sonho vosso? Arranjo por 3 dias; e pagareis 800 cruzeiros por dia. Isso inclui, senhor, a lenha para o motor de 80 cavalos, e o pagamento dos 13 tripulantes, inclusive o papo cordial e a cachacinha fornecidos em seu próprio camarote pelo comandante Pedro Pichim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Acontecimentos da Época Monárquica no ES

No regime monárquico, que durou sessenta e sete anos, nada menos de noventa e seis presidentes, entre efetivos e substitutos, governaram o Espírito Santo

Ver Artigo
Regência - Por Rubem Braga (1949)

Os motores novos pulsam no rio, a estrovenga limpa o mato, os americanos fazem contratos, os baianos chegam ávidos de dinheiro

Ver Artigo
O Dia Internacional da Mulher - Origem

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco. Comemoramos esse dia com vocês, pois sabemos que fazemos parte da vida de um grupo de mulheres especiais

Ver Artigo
Escotismo – Legislação no Estado do ES, 1930

O senhor Dr. Attilio Vivacqua, alma do escotismo espírito-santense e aos chefes Gabriel Skinner e Eurico Gomide

Ver Artigo
A História do Carnaval

Foi em fins do século XIX e início do séc. XX que o carnaval do Brasil começou a conquistar fisionomia própria: nessa época já declinava o carnaval europeu

Ver Artigo