Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

História do Carnaval Capixaba

Carnaval no Teatro Carlos Gomes em 1933

Pioneiros

O primeiro desfile de escolas de samba do Espírito Santo aconteceu em 1955. Em 1992, a tradição foi interrompida, e retomada em 1998. Até 1972, eram os desfiles das batucadas que comandavam o carnaval capixaba. Elas disputavam a atenção com os blocos carnavalescos e se diferenciavam desse últimos por possuírem banda, fantasias e marchas próprias.

Organização

Em 1956, a Unidos da Piedade, fundada um ano antes, já desfilava com comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira, bateria, fantasias e alegorias. E foi neste ano que a escola ganhou o nome que tem até hoje. Em 1957, havia três escolas: a Unidos da Piedade, a Acadêmicos do Moscoso e a Império da Vila, atual Novo Império. O primeiro desfile competitivo aconteceu em 1958, na Avenida Jerônimo Montero. Em 1967, a Piedade não desfilou por falta de recursos. Em 1973, voltou ao carnaval e realizou um feito inédito e não alcançado por nenhuma outra escola até hoje, conquistando o pentacampeonato (de 1973 a 1977). Assim, como a Portela que, no Rio de Janeiro, nunca mais ganhou um carnaval depois que o desfile passou a acontecer no sambódromo, a Unidos da Piedade também nunca mais ganhou um título capixaba depois da inauguração do Sambão do Povo. Por isso, ela é conhecida como a Portela capixaba.

Samba-Enredo

Até a década de 60, as escolas desfilavam ao som de vários sambas com o mesmo enredo. O primeiro samba-enredo capixaba foi composto em 1962 por Mário Benedito Ramos, para a Unidos da Piedade. O samba homenageava o aviador Alberto Santos Dumont. O primeiro disco oficial com os samba-enredos capixabas foi gravado em 1984.

Sambão do Povo

Também na década de 80, o Sambão do Povo foi idealizado e construído. A inauguração aconteceu em 1987. O Sambão do Povo foi o segundo a ser construído no Brasil. O primeiro foi o do Rio de Janeiro, inaugurado em 1985. Na estreia do Sambão, as escolas que participaram do desfile foram divididas em dois grupos: no grupo A estavam as mais tradicionais, no grupo B, as demais, como Imperatriz do Forte, Rosas de Ouro, Unidos de Jucutuquara e Lira do Moscoso, as duas últimas recém-criadas.

Verba

A verba pública, que desde o início era destinada às escolas, foi cortada em 1992. As escolas já passavam por períodos conturbados de disputas internas e, no ano seguinte, os desfiles deixaram de acontecer. Em 1998, o desfile voltou a acontecer, mas na Avenida Jerônimo Monteiro. Somente em 2002, ele retornaria ao Sambão do Povo. Atualmente, existem 13 escolas de samba no Espírito Santo. Com exceção da Chegou o que Faltava, todas estarão no desfile nos próximos dias 13 e 14 de fevereiro deste ano de 2009.

 

Fonte: A Gazeta, 09 de fevereiro de 2009
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2013

Especiais

Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

O majestoso portão de acesso ao Convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Hermógenes Fonseca, cidadão universal

Hermógenes pugnou incansavelmente para, pelo seu próprio exemplo, difundir uma saudável crítica ética que buscava discernir entre o verdadeiro e o falso, buscando sedimentos eficazes para que pudéssemos compreender a sua máxima de que a vida pode ser vivida com paz e alegria

Ver Artigo
Onde morava o Primeiro Donatário?

Na Pedra das Caiçaras, onde hoje está localizado o Clube Libanês, na Praia da Costa, no final dos anos 60 ainda havia vestígios da residência

Ver Artigo
Apropriação cultural: uma questão ideológica – Por Kleber Frizzera

No Brasil, as iniciativas mais concretas de preservação do patrimônio histórico que vão desembocar na criação do IPHAN, na década de 30

Ver Artigo
Medidas para a preservação de recursos naturais, 1979

Os conservacionistas e os engenheiros agrônomos ficaram alarmados com a destruição dos recursos naturais da região costeira

Ver Artigo
Indígenas, Aldeamentos e Cooperação – Por Serafim Derenzi

Não fosse a ação catequista dos missionários, os primeiros colonos e donatários teriam sido exterminados

Ver Artigo