Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

História do Carnaval Capixaba

Carnaval no Teatro Carlos Gomes em 1933

Pioneiros

O primeiro desfile de escolas de samba do Espírito Santo aconteceu em 1955. Em 1992, a tradição foi interrompida, e retomada em 1998. Até 1972, eram os desfiles das batucadas que comandavam o carnaval capixaba. Elas disputavam a atenção com os blocos carnavalescos e se diferenciavam desse últimos por possuírem banda, fantasias e marchas próprias.

Organização

Em 1956, a Unidos da Piedade, fundada um ano antes, já desfilava com comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira, bateria, fantasias e alegorias. E foi neste ano que a escola ganhou o nome que tem até hoje. Em 1957, havia três escolas: a Unidos da Piedade, a Acadêmicos do Moscoso e a Império da Vila, atual Novo Império. O primeiro desfile competitivo aconteceu em 1958, na Avenida Jerônimo Montero. Em 1967, a Piedade não desfilou por falta de recursos. Em 1973, voltou ao carnaval e realizou um feito inédito e não alcançado por nenhuma outra escola até hoje, conquistando o pentacampeonato (de 1973 a 1977). Assim, como a Portela que, no Rio de Janeiro, nunca mais ganhou um carnaval depois que o desfile passou a acontecer no sambódromo, a Unidos da Piedade também nunca mais ganhou um título capixaba depois da inauguração do Sambão do Povo. Por isso, ela é conhecida como a Portela capixaba.

Samba-Enredo

Até a década de 60, as escolas desfilavam ao som de vários sambas com o mesmo enredo. O primeiro samba-enredo capixaba foi composto em 1962 por Mário Benedito Ramos, para a Unidos da Piedade. O samba homenageava o aviador Alberto Santos Dumont. O primeiro disco oficial com os samba-enredos capixabas foi gravado em 1984.

Sambão do Povo

Também na década de 80, o Sambão do Povo foi idealizado e construído. A inauguração aconteceu em 1987. O Sambão do Povo foi o segundo a ser construído no Brasil. O primeiro foi o do Rio de Janeiro, inaugurado em 1985. Na estreia do Sambão, as escolas que participaram do desfile foram divididas em dois grupos: no grupo A estavam as mais tradicionais, no grupo B, as demais, como Imperatriz do Forte, Rosas de Ouro, Unidos de Jucutuquara e Lira do Moscoso, as duas últimas recém-criadas.

Verba

A verba pública, que desde o início era destinada às escolas, foi cortada em 1992. As escolas já passavam por períodos conturbados de disputas internas e, no ano seguinte, os desfiles deixaram de acontecer. Em 1998, o desfile voltou a acontecer, mas na Avenida Jerônimo Monteiro. Somente em 2002, ele retornaria ao Sambão do Povo. Atualmente, existem 13 escolas de samba no Espírito Santo. Com exceção da Chegou o que Faltava, todas estarão no desfile nos próximos dias 13 e 14 de fevereiro deste ano de 2009.

 

Fonte: A Gazeta, 09 de fevereiro de 2009
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2013

Especiais

 Homenagem ao Tenente Coronel  João Antunes Barbosa Brandão

Homenagem ao Tenente Coronel João Antunes Barbosa Brandão

Capitão Abdon Rodrigues Cavalcanti, no túmulo do Tenente Coronel Honorário do Exército João Antunes Barbosa Brandão, no velho cemitério da Igreja do Rosário, desta Capital em 12/06/1949

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XX

Jerônimo Monteiro e autoridades descendo as escadas do palácio em direção ao cais do Imperador, em um evento público, ao final do seu governo (1912). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XX

TRABALHA E CONFIA, inspirada certamente na formação religiosa do Presidente: "Trabalha, como se tudo dependesse de ti; Confia, como se tudo dependesse de Deus"

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XIX

Existia o Quartel de Polícia, no Moscoso, edifício relativamente novo, cujas fundações, porém, exigiam constantes reparos

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XVIII

A 28 de agosto, o Dr. Jerônimo seguiu para o Rio de Janeiro, a fim de retribuir a visita do Dr. Nilo Peçanha

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XVII

Já registramos que o Dr. Jerônimo tanto se interessava pelos melhoramentos da Capital quanto se voltava para realizações necessárias ao interior do Estado

Ver Artigo