Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ururau (1827) - Por Basílio Daemon

Observe as ruas onde foi feito o cerco através do arquivo de Sandro Chiabai Paterlini, anos 1920

Tendo neste ano saído a procissão de Corpus Christi, em seu dia próprio, aconteceu que tendo chegado à baía desta capital o brigue de guerra Ururau se preparasse traiçoeiramente uma surpresa, e esta foi que, quando recolhia-se a dita procissão, que era acompanhada pelas irmandades, ordens terceiras, corpo de Milícia e povo, ao chegar ao largo da Misericórdia foram cercadas as bocas das ruas da Assembleia, de Pedro Palácios, ladeira de Palácio, rua da Imprensa e ladeira da Misericórdia pelo batalhão dos henriques e marinheiros do brigue Ururau, a mandado do então comandante de Armas Francisco Antônio de Paula Nogueira da Gama, procedendo-se depois a um rigoroso recrutamento na Milícia e povo, sendo agarrados pais e filhos, casados e solteiros, viúvos e aleijados, conduzindo-se-os para bordo do Ururau, pelo que teve de se lamentar não pequenas desgraças e infelicidades, atirando-se alguns indivíduos ao mar, sendo outros perseguidos; tornou-se a cidade em um clamor geral, vendo-se em alarido, choros e lamentações a percorrerem as ruas da capital mulheres desgrenhadas: umas mães outras esposas e outras irmãs daqueles que se achavam presos e que iam seguir para a República Argentina como soldados e marinheiros a sustentar a guerra que ali tínhamos.

Algumas atiravam-se do cais ao mar, outras, ajoelhadas, oravam por eles, constando ter havido afogamentos; foi uma cena contristadora.(436) Quanto à imagem de São Jorge que ia na procissão, foi abandonada e depois recolhida à cadeia, onde esteve por muitos anos sem a quererem dali tirar e só em 1863 é que foi conduzida à Capela Nacional a pedido do bacharel José Feliciano Horta de Araújo; não houve desde essa época nem mais saiu nesta capital a procissão de Corpus Christi.

Destes recrutados, parte deles só aqui voltaram à custa de imensos sacrifícios de suas famílias, outros venderam os bens que possuíam para comprarem a baixa e muitos outros nunca mais voltaram à província. Ainda hoje, quando se fala nesse arbitrário ato, os velhos com horror descrevem as cenas contristadoras desse dia lúgubre, em que a cidade parecia estar sendo saqueada!

É este fato uma nódoa indelével na vida do coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, então comandante de milícias, que passou o comando ou deixou assumi-lo o comandante das armas, e assim viu sacrificadas muitas famílias, suas patrícias, não tendo força bastante para escusar aqueles que pela lei eram isentos do recrutamento.

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2019

Curiosidades

Relação dos terrenos distribuídos aos casais de ilhéus na povoação de Viana

Relação dos terrenos distribuídos aos casais de ilhéus na povoação de Viana

Decreto de 19 de maio de 1818, confirmando as datas de terras concedidas a casais de ilhéus, estabelecidos na antiga povoação de Santo Agostinho na vila de Viana e na Pimenta da mesma vila

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os guarás

Foram os guarás – pássaros de porte médio e coloração rosada – que deram origem ao nome Guarapari. Guará é a espécie da ave; e paryn, alçapão ou armadilha

Ver Artigo
Mais sobre o Ururau - Por Basílio Daemon

Em 1863 é trasladada da cadeia, onde se achava há desde 1827, a imagem de São Jorge que servira nas procissões de Corpus Christi

Ver Artigo
Ururau (1827) - Por Basílio Daemon

Foram cercadas as bocas das ruas da Assembleia, de Pedro Palácios, ladeira de Palácio, rua da Imprensa e ladeira da Misericórdia

Ver Artigo
Ano de 1532 – Por Basílio Daemon

Vasco Coutinho veio na certa!

Ver Artigo
Serra do Mestre Álvaro – Por Clério José Borges

Em documentos cartográficos do século XVI, pode-se verificar a indicação do Mestre Álvaro, como ponto de referência para a navegação

Ver Artigo