Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Câmara Municipal de Vila Velha - Postos de Saúde e Empréstimo Interno

Adédio Coutinho

Realizou-se no último sábado mais uma sessão ordinária da Câmara Municipal do Espírito Santo, sob a presidência do Sr. Antônio Gil Vellozo e com a presença dos Vereadores Dionísio Ruy, Alberto Gaudio Simões e Manoel Barcelos Netto (PTB), José Augusto Fernandes e José Machado de Paula (PSD) e Adédio Coutinho (UDN). Faltaram os vereadores Gildázio Rangel e José Búzio da Silva Filho.

 

ABAIXO ASSINADOS SOBRE ÁGUA

 

Do Expediente constaram diversas comunicações, e, como assuntos de maior importância, dois abaixo assinados, um dos moradores de São Torquato e outro de Ilha das Flores, versando sobre o aflitivo problema da angústia da falta d'água, ultimamente tão agravado.

 

Ambos os memoriais além de protestarem peta falta do precioso líquido, solicitam aos Poderes Municipais a extensão de redes externas em alguns locais, por conta do Município, de vez que a Prefeitura de Vitória, a quem está afeta o custeio desse serviço, já declarou, pela voz do seu Prefeito, Dr. Armando Rabelo, que não está em condições de promover essas extensões. Os moradores de Ilha das Flores sugerem até que a Prefeitura de Vila Velha execute o serviço e desconte o valor do seu custo, da arrecadação da taxa d'água, cuja cobrança é feita pela mesma. Debateram o assunto os vereadores Adédio Coutinho, Dionísio Ruy, José Machado de Paula e Manoel Barcelos Neto, todos favoráveis ás justas pretensões do povo, resolvendo-se retransmitir-se os reclamos, com urgência, aos Prefeitos de Vila Velha e Vitória, bem como obter-se a audiência das Comissões Permanentes da Casa para estudo de providências outras, cabíveis na espécie.

 

AINDA A EMPRESA CONTINENTAL

 

Subscrito pelos Vereadores Adédio Coutinho, Dionísio Ruy.

Manoel Barcelos Netto e Alberto Gaudio Simões, foi aprovado requerimento enérgico, no sentido de a Câmara requerer ao Departamento de Estradas de Rodagem, o cancelamento da concessão da Empresa de Ônibus Continental, que faz a linha Vitória-Vila Velha, sob o fundamento da completa imprestabilidade e falta de segurança das suas viaturas, pelo clamante descaso e descumprimento de horários e muitas outras irregularidades já por demais conhecidas do povo. Pede, ainda, o requerimento, abertura de concorrência pública.

 

DUAS IMPORTANTES LEIS APROVADAS

 

Na Ordem do Dia, em regime de absoluta urgência requerida pelo Vereador Alberto Gaudio Simões, foram aprovados por unanimidade a criação de mais dois postos de saúde no município, um em Aribiri e outro na Gloria, bem como a Lei que autoriza o Prefeito Bezerra de Faria a contratar empréstimo interno até a quantia de Cr$ 1.500.000,00 para atender ao inadiável apressamento das obras iniciadas por S. Exa., notadamente os diversos calçamentos em andamento. O projeto da criação dos dois Postos de Saúde é de autoria do incansável Vereador Adédio Coutinho, que, a sua apresentação, recebeu as assinaturas dos componentes de toda a bancada do PTB. Quanto à Lei do Empréstimo, nasceu de projeto apresentado em 1952 pelos vereadores Antônio Gil Vellozo e Adédio Coutinho.

 

PEZAR A TRADICIONAL FAMILIA SCHNEIDER

 

No segundo expediente, após terminada a matéria da Ordem do Dia, o Vereador José Augusto Fernandes comunicou à Casa o trágico desaparecimento, ocorrido no Rio de Janeiro, do General Alcebíades Schneider, referindo-se a vida exemplar desse conterrâneo ilustre que como médico e militar sempre soube honrar as nobres tradições da Família Schneider, citando fatos de sua vida em que prestou relevantes serviços ao Espírito Santo, quando por ocasião do árduo combate à epidemia da gripe "espanhola" em 1918 em Vitória, em que Alcebíades Schneider, junto com João Lordello, Dukla de Aguiar, João Aguirre e José Paschoal, constituíram a equipe de médicos-humanistas empenhados em debelar a terrível epidemia que causou maior número de mortos que a Segunda Guerra Mundial. Após, o mesmo vereador requereu a aprovação de um voto de pesar a família Schneider o que foi aprovado por unanimidade.

 

A NOVA SEDE DO DIRETORIO DA UDN

 

Sua Inauguração na próxima semana

O Diretório Municipal da União Democrática Nacional, que teve a sua sede à Rua Dom Jorge de Menezes, n.° 19, nesta cidade, transferiu-se, agora, para o excelente prédio na Avenida Jerônimo Monteiro, n.° 1274, esquina com a Rua Cabo Ayilson Simões. O prédio em questão, que é de propriedade do nosso comum amigo e grande incentivador do progresso vilavelhense — Sr. Antônio Saliba — sofreu uma completa reforma, de modo a poder acomodar os diversos setores de atividades do prestigioso Partido, afim de garantir o completo êxito dos trabalhos iniciais de intensificação das atividades dos diversos setores udenistas tendo em vista o próximo pleito eleitoral a ferir-se em 1954. A sua inauguração ocorrerá na próxima semana, convidando-se, por nosso intermédio, todos os correligionários e amigos para o ato inaugural.

Cumprimentamos, pois, ao Presidente Dr. Moacyr Lofêgo e sua equipe da Comissão Executiva, por mais esse grande passo da vida udenista municipal.

 

Fonte: Jornal O Continente - 01/08/1953

Vila Velha

Cais das Pedrinhas - Por Seu Dedê

Cais das Pedrinhas - Por Seu Dedê

Foto ilustrativa do Cais das Pedrinhas nos anos 30, antes do aterro. Ao fundo, a antiga casa que veio a ser a sede da Casa da Memória de Vila Velha 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Natal e seus festejos

NATAL, festa máxima da cristandade! Como hoje, também a Vila Velha antiga se preparava para este grande dia na residência do Desembargador Ferreira Coelho 

Ver Artigo
Vila Velha, a Cidade, sua História – Por Seu Dedê

O geólogo canadense Charles Frederick Hart, visitou Vila Velha no ano de 1865

Ver Artigo
A Prainha do meu tempo – Por Seu Dedê

Não existia o uso do termo Prainha por quem residisse onde hoje diziam ser a Prainha

Ver Artigo
A História da Marinha em Vila Velha

Você sabia que a Marinha é mais antiga do que o Exército em Vila Velha?

Ver Artigo
Festa da Penha – Por Edward Athayde D’Alcântara

A dispersão do povo residente em Vitória ou ao longo da linha de bondes ia até a madrugada; o bonde funcionava 24h

Ver Artigo