Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Itapoã

Praia de Itapõa

Apenas quatro casas rodeadas de muito verde e árvores frutíferas. Assim era Itapoã, em 1965. Só mato, capoeira pura. Existiam também mais três casas em construção.

Na época, o bairro era um sítio, batizado com o nome de Apicum do Poço, com criação de gado e cavalo. Onde hoje é um valão, corria um córrego tão limpo que era possível as crianças tomarem banho e pescar peixes.

As ruas eram de areia e, para ir à praia, costumava-se passar por trilhas cheias de pitangueira, cajueiro, goiabeira e outras árvores frutíferas.

Como não havia água encanada, era preciso comprá-la em barris, que os moradores despejavam na caixa d'água no alto de suas casas.

Foi na década de 70 que surgiram os primeiros conjuntos habitacionais. O primeiro a ser erguido foi o Jerônimo Monteiro, que tinha 15 casas, que se tornaram moradias de funcionários públicos. Mais tarde, foram construídos o Conjunto Militar e Eldorado. Por volta de 1975, no Conjunto Itapoã, surgiram os primeiros prédios.

Com o aumento do número de moradores, a população de Itapoã foi se organizando e fazendo reivindicações. As casas ganharam luz elétrica, o transporte urbano melhorou e o comércio começou a crescer.

O bairro, que era quase todo brejo, foi sendo aterrado para a construção de mais moradias. Na década de 80, a região já estava tomada por casas populares.

Nos últimos anos, grandes empreendimentos imobiliários vêm mudando a cara do bairro. Muitas casas foram demolidas para dar lugar aos condomínio de luxo que tomaram conta de toda a orla.

 

Fonte: Jornal A Tribuna (Publicado nos anos 2000)



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Arrabaldes de Vitória - Os 10 mais frequentados por Eurípedes Queiroz do Valle

Primitivamente a expressão significava o habitante desse arrabalde. Passou depois a significar os que nascessem em Vitória. Hoje é dado a todo espírito-santense

Ver Artigo
Centro de Vitória

Palco de batalhas ferrenhas contra corsários invasores, espaço para peladas de futebol da garotada, de footings de sábados e domingos, praças, ladeiras e ruas antigas curtas e apertadas, espremidas contra os morros — assim é o Centro de Vitória

Ver Artigo
Cercadinho – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ao arredor, encosta do Morro Jaburuna (morro da caixa d’água), ficava o Cercadinho

Ver Artigo
Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo
Poema-passeio com Elmo Elton - Por Adilson Vilaça

“Logradouros antigos de Vitória” sempre me impressionou. Mais de década depois, eu faria a segunda edição desta obra pela Coleção José Costa, dedicada à memória e história da cidade, e que foi por mim criada na década de 90

Ver Artigo