Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Pedra da Cebola - Fábio Luiz de Oliveira Ramos

Parque da Cebola, 1997 - FOTO WILLIS DE FARIA (ACERVO PARTICULAR)

A mudança foi quase que radical: o apartamento onde morávamos, na Vila Rubim, não era nosso e, já que tínhamos recebido a resposta do fim das reformas do apartamento que compramos, a transferência era inevitável. O ano era de 1975, iríamos agora para o distante bairro de Jardim da Penha; distante não só pela sua posição, mas também em função do seu difícil acesso: era angustiante esperar o "Penedo" por longas horas e, mais sofrível ainda, dividi-lo com as dezenas de pessoas que também o esperavam.

A princípio tudo me fascinou: o bairro era próximo à praia, tinha uma floresta imensa ao lado do meu prédio e, mais ainda, a companhia de outras crianças para dividir aquilo tudo comigo, pois, até então, as únicas oportunidades que eu tinha para brincar eram no Parque Infantil Ernestina Pessoa ou no Parque Moscoso nos finais de semana, já que era impossível e perigoso brincar nas ruas da Vila Rubim em função do tráfego de ônibus e automóveis que por ali passavam.

Não tardou para que eu descobrisse as trilhas no meio do mato com os amigos que acabara de fazer. Minha mãe ia à loucura quando me via sumir de suas vistas e reaparecer horas depois todo cortado de colonhão e sujo até a alma. Foi exatamente numa destas fugidas que pude apreciar pela primeira vez, por entre o matagal que me cobria, dada a minha idade, a imponência e estranha beleza daquela pedra, caprichosamente esculpida pela natureza em forma de cebola, em cima de um pequeno pedestal rochoso, revelando a perfeição da Mão Divina; a densa mata que a cercava passou a servir de refúgio secreto e lugar das mais deliciosas brincadeiras de minha infância.

Perto dali existiam duas enormes lagoas que, anos mais tarde, seriam aterradas para a construção do Parque Residencial Universitário, P.R.U. A desculpa para o aterro era a existência de esquistossomose em suas águas, fato de que discordo até hoje, pois vivia dentro da lagoa. Aliás era dali de dentro, observando a mata a meu redor, que criava várias estrepolias. Uma delas reunia todas as crianças do bairro num conflito fictício por entre o mato daquele morro, e uma coisa tínhamos de vantagem: a nossa turma conhecia todos os caminhos que existiam por ali, e isso nos proporcionou muitas risadas, já que assistíamos dos nossos "pontos de observação" nossos rivais caindo em nossas armadilhas feitas com urtiga.

Aquilo era fascinante e pairava na minha cabeça a ideia de fazermos da Pedra da Cebola o nosso "quartel-general" e convocarmos todas as outras turmas para uma disputa territorial; com isso, passavamos o dia inteiro correndo por entre a pedreira que outrora existiu naquele local e, volta e meia, nos escondendo nas grutas que tinha por ali. Essas brincadeiras duraram vários anos e, quando já éramos todos amigos, íamos brincar de "polícia e ladrão" nos mesmos moldes de nossas antigas "brigas".

A Pedra assistia a tudo isso e nós retribuíamos a sua atenção ao final da tarde, quando subíamos todos para apreciar o sobe-e-desce dos aviões, que passavam tão perto de nossas cabeças: quando não fazíamos isso, descíamos até o pé da pedreira no local chamado de "Cemitério de Vidros", onde arremessávamos os pedaços em direção ao paredão e ficávamos curtindo quando explodiam em mil pedaços.

Ah, quanto pôr-do-sol assisti sentado ali naquela pedra junto com os amigos, para depois sair correndo para casa antes nossas mães ficassem à nossa procura. Tenho saudade de tudo que ali vivi e, recentemente, quando retomei ao local, não aguentei e chorei: no antigo vale do "Cemitério dos Vidros" veêm-se casas por toda a parte, e senti falta das corujas que lá habitavam. No lado sul do morro erguem-se agora edifícios e põe-se fim ao que restou do nosso "quartel-general", e a Pedra, resistindo heroicamente ao avanço do progresso, continua ali, assistindo a tudo. Provavelmente sente falta de nossas risadas e gritos, provavelmente, como eu, chora a falta das corujas; mas está lá, como representante de um tempo não muito longe, e que por ter marcado diversas vidas, vive hoje na memória de todos que, com certeza, esperam que ela permaneça ali para toda a eternidade.

 

ESCRITOS DE VITÓRIA — Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES.

Prefeito Municipal: Paulo Hartung

Secretário Municipal de Cultura e Turismo: Jorge Alencar

Diretor do Departamento de Cultura: Rogerio Borges

Coordenadora do Projeto: Silvia Helena Selvátici

Conselho Editorial: Álvaro José Silva

José Valporto Tatagiba

Maria Helena Hees Alves

Renato Pacheco

Bibliotecárias

Lígia Maria Mello Nagato

Cybelle Maria Moreira Pinheiro

Elizete Terezinha Caser Rocha

Revisão: Reinaldo Santos Neves , Miguel Marvilla

Capa Pedra dos Olhos, Foto de Carlos Antolini

Editoração Eletrônica: Edson Maltez Heringer  

Impressão: Gráfica Ita

 

Fonte: Escritos de Vitória 12 – Paisagem - Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – PMV
Autor  do texto: Fábio Luiz de Oliveira Ramos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

Literatura e Crônicas

PARA A CIDADE E PARA O MUNDO - Por Fernando Achiamé

PARA A CIDADE E PARA O MUNDO - Por Fernando Achiamé

Mas o eterno mercado da Vila Rubim acabou: o edifício cheio de colunas construído nos anos 20 e derrubado nos 70

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

PARA A CIDADE E PARA O MUNDO - Por Fernando Achiamé

Mas o eterno mercado da Vila Rubim acabou: o edifício cheio de colunas construído nos anos 20 e derrubado nos 70

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Lançamento da Biografia de Dona Domingas na Basílica de Santo Antônio

No mês de junho será lançado a biografia de dona Domingas na Basílica de Santo Antônio. Em breve estaremos divulgando o dia do evento

Ver Artigo
Vitória de muitas Pontes – Por Anilton Candido Trancoso

Perto desta ilha, de príncipe e mercado tem uma ponte, que por entre a exuberância de suas ferragens guarda segredos

Ver Artigo
Machado - O Cético Aparente - Por Nelson Abel de Almeida

E mestre Machado de Assis, para muitos, o cético, o pessimista, o homem, que se aponta como azedo e amargurado 

Ver Artigo