Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Vista de Vitória - Foto Victor Frond 1860

Presépio, manjedoura, representação do nascimento de Cristo. Lembra visitas de reis e pastores, povo e um deus-homem. Herodes e uma estrela guia.

No Presépio há uma história de vida familiar, de solidariedade de grandes e pequenos, de arbitrariedade e tirania. Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista. Por isso, nas representações do estábulo de Belém, que se organizam em dezembro, há junto com a Santa Família: pontes, patos, peixes, lagos, rodas, vida e vidas. Há morros e planícies, igrejas e fiéis, seres celestes junto com humanos, toda uma miniatura do universo.

Presépio lembra ainda Natal, reuniões festivas, cantos, magia nos presentes infantis, luzes nos frontispícios e no interior das casas, nas árvores, nos topos dos morros e nos reflexos das águas. Reflexos das águas que contornam o maciço da ilha de Vitória.

Natal, fantasia das árvores, quando o verde desaparece num pirilampear de cores...

Presépio, lembra Vitória noturna com cintilantes pontes, ruas, faróis e casa ou diurna, com exibições de sua rochosa topografia, prolongação da Serra do Mar no Atlântico, num abraço que proporciona a construção de casas amontoadas nas encostas, de escadarias que lembram o sonho de Jacó, num barraco moderno, de ladeira quase a tocar as nuvens, de avenidas no contorno dos oiteiros e da beira-mar.

A multiplicidade de linhas e cores dão à cidade beleza e harmonia. Deixam, diante dos olhos do observador, um mágico e alegre encanto da vida que ali palpita nas variedades social, filosófica, política e religiosa. E isso faz da ilha uma outra Belém, tão atrativa como a da Estrela Guia.

Na oscilação dia-noite, a paisagem, na vulcânica e prodigiosa ilha, é grandiosa.

Quando desperta

Alvorada vitoriosa. Vitória.

Vitória de luzes.

O astro rei penetra na rubra cabeleira

E a lua,

Acompanhada da Estrela d’ Alva

Sorri palidamente.

(Eterno retorno

No redil celeste)

No lusco-fusco da manhã,

A curvilínea ponte

Engaste de luz insular-continental

Acelera a vida.

As excelsas luzes se mesclam à da Escelsa.

O ouro grita nos contornos da ilha.

O luxo pisca pelas desvalidas

Vertentes

Pelos ventos

Afligidas

Sobrepujança de cores

Fere a alma.

 

Escritos de Vitória – Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES, 1997

Prefeito Municipal: Paulo Hartung

Vice-Prefeita Municipal: Luzia Alves Toledo

Secretária Municipal de Cultura: Cláudia Cabral

Sub-secretária Municipal de Cultura: Verônica Gomes

Diretor do Departamento de Cultura: Joca Simonetti

Adm da Biblioteca de Adelpho Poli Monjardim: Lígia Maria Mello Nagato

Bibliotecárias: Elizete Terezinha Caser Rocha, Lourdes Badke Ferreira

Conselho Editorial: Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco

Revisão: Gilson Soares

Capa: Ângela Cristina Xavier

Editoração: FCAA

Impressão: Gráfica ITA

 

Fonte: Escritos de Vitória, nº 18 – Cidade Presépio, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – PMV, 1997

Texto: Ester Abreu Vieira de Oliveira

Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2018

 

Ester Abreu Vieira de Oliveira,

Nascida em Muqui (ES)

Cidadã vitoriense em 1995.

Professora e escritora, membro da Academia Espírito-Santense de Letras, doutora em Letras Neolatinas: Língua Espanhola e Literatura Hispânicas (UFRJ).

Literatura e Crônicas

Calçadão da Praia da Costa: a última visão do Convento da Penha

Calçadão da Praia da Costa: a última visão do Convento da Penha

Em minhas andanças por Vila Velha, sempre procurei ver o Convento da Penha para me localizar, me encantar ou rezar. Agindo assim, certo dia, caminhando pelo calçadão da Praia da Costa, me deparei com uma das mais belas vistas do Convento, surgida entre o vão de dois prédios...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo