Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Morte do Primeiro Donatário no Morro do Moreno

Brasão - Vasco Coutinho Foto do Brasão: Acervo de Paulo Stuck Moraes

Coutinho contava mais de setenta anos. Não obstante a idade avançada, o velho desbravador, doente e fraco, ainda encontrou um pouco de fôlego para tentar alguma coisa em favor do torrão capixaba. Em maio de 1558, empreendeu sua última viagem, sempre a procura de financeiro. Mas a ajuda lhe era sistematicamente negada.

Da vila de Ilhéus escreveu ao governador geral uma carta na qual exteriorizava toda a angústia de sua alma por não haver conseguido vencer os obstáculos surgidos ao longo dos vinte e três anos de donataria. Com humildade agradeceu a ajuda recebida do destinatário no combate à rebelião dos silvículas, sem a qual os moradores da Capitania seriam exterminados. Disse que a gleba agora estava em paz. Os selvagens não mais constituíam um perigo para os colonos. Depois de informar sobre a desfeita e o desacato sofrido dos colonos por haver proibido a escravização dos índios, suplicou uma carta de recomendação com a qual ele tentaria no Reino a captação de recursos necessários ao reerguimento do seu senhorio.

- E Mem de Sá deu a tal carta de recomendação? – perguntou Felipe Gonçalves, sempre muito interessado como os outros em conhecer detalhes da história. 
- Não se sabe. Em face das circunstâncias, pessoalmente não acredito, -respondeu Diógenes. E acrescentou: - Há dúvidas, também, se o seu estado de saúde lhe permitiu velejar para Portugal ou se ficou a perambular pelos portos do Nordeste à procura de tratamento para a saúde combalida.

Com as sobrancelhas um pouco suspensas e os lábios ligeiramente repuxados para o canto da boca, em sinal de dúvida, interrogou Francisco Chagas:

- Quando ele retornou ao Espírito Santo?
- Tudo indica que foi após o primeiro trimestre de 1560, porque, ao passar Mem de Sá por aqui em janeiro daquele ano, a Capitania estava sem o seu capitão-mor.14
- Pelo tempo decorrido, dois anos ou quase isso, acredita ter ele rumado mesmo para Portugal, só retornando depois das malogradas tentativas de obtenção de recursos junto à Coroa.15 Não creio, por isso, haver ficado todo esse tempo nas costas do Norte e do Nordeste.

Após a opinião manifestada por Chico Chagas, Quintela retomou a palavra para descrever a situação da Colônia, então agravada com a enfermidade do donatário.

- Sem saúde e endividado, Vasco Coutinho nada mais tinha a fazer senão em seu sítio, na Praia da Costa, amargar com resignação o golpe que o destino inexoravelmente lhe reservara. Desacreditado de todos e vilipendiado pelos colonos, o infeliz ancião ainda em sonhos fugidios pensava às vezes na possibilidade de um dia receber proposta de alguém para formar uma sociedade a fim de recuperar o seu “vilão farto”.

Passaram-se os dias e cada vez mais crítica era a situação da Colônia. Suas esperanças desvaneceram e ele não conseguia se desvencilhar do pesadelo que o afligia há tantos anos. Por conseguinte, não lhe restava alternativa senão renunciar. Vasco, apesar de estar em idade provecta e alquebrada por sofrimentos físicos e morais, teve, entretanto, lucidez para compreender que chegara a hora da renúncia, pois o povo estava preste a deixar tudo para trás e seguir rumo às capitanias vizinhas.

Em nova passagem pelo Espírito Santo, Mem de Sá é logo procurado pelos moradores. Sabiam da existência da carta-renúncia do capitão-mor e assim pediram ao governador geral que tomasse a Capitania em nome do rei. Imaginavam que, com a administração da gleba diretamente subordinada ao soberano, grande seria a segurança dos colonos com promissores dias para a Colônia.

Por sugestão dos próprios colonos, Mem de Sá designou Belchior de Azeredo para administrar a Colônia, o que lhe dava o direito de exercer todas as funções compatíveis com as de capitão-mor. Tratava-se de pessoa de confiança dos colonos e muito querido dos padres da Companhia. Não é demais repetir que a sede da Capitania estava na vila de Vitória.

Desiludido e angustiado por tristes recordações, morreu o primeiro donatário da Capitania do Espírito Santo na casa onde sempre morou, no sopé do Moreno. Sua morte aconteceu antes de outubro. Ano de 1561. Não se sabe o dia e o mês.

 

Trecho transcrito do livro: Vila Velha, seu passado e sua gente, 2002
Autor: Dijairo Gonçalves Lima
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012
Nota do Site: Diógenes é um personagem fictício


Especiais

Descobrindo Massena - Por Kleber Galvêas

Descobrindo Massena - Por Kleber Galvêas

Massena renegava o preto, o branco puro e linhas, quando pintava paisagens: "Isto não existe na natureza”. Ensinava que mistura de tintas deveria ocorrer sempre na palheta e jamais na tela, o que provocaria áreas embaçadas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte II

Estas coisas envelheceram os códigos e vão fomentando um direito novo, ainda inconsistente, com as obrigações correlatas, e que se vai afirmando através da aluvião de leis dos últimos tempos

Ver Artigo
Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte I

Estas últimas constituições, todavia, a de 1934 e de 1937, de aparência menos democrática, consultam ambas, mais de perto, as aspirações populares e caminharam numa estrada mais ampla, até a socialização

Ver Artigo
República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
Oferecido pelo sócio Basílio Daemon Carvalho,1800

Termo de batismo de Rodrigo, filho legítimo do governador da capitania do Espírito Santo, Antônio Pires da Silva Pontes Leme

Ver Artigo
A volta do presidencialismo

A relativa calmaria política trazida com o parlamentarismo logo cedeu lugar ao clima de golpe

Ver Artigo