Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Morte do Primeiro Donatário no Morro do Moreno

Brasão - Vasco Coutinho Foto do Brasão: Acervo de Paulo Stuck Moraes

Coutinho contava mais de setenta anos. Não obstante a idade avançada, o velho desbravador, doente e fraco, ainda encontrou um pouco de fôlego para tentar alguma coisa em favor do torrão capixaba. Em maio de 1558, empreendeu sua última viagem, sempre a procura de financeiro. Mas a ajuda lhe era sistematicamente negada.

Da vila de Ilhéus escreveu ao governador geral uma carta na qual exteriorizava toda a angústia de sua alma por não haver conseguido vencer os obstáculos surgidos ao longo dos vinte e três anos de donataria. Com humildade agradeceu a ajuda recebida do destinatário no combate à rebelião dos silvículas, sem a qual os moradores da Capitania seriam exterminados. Disse que a gleba agora estava em paz. Os selvagens não mais constituíam um perigo para os colonos. Depois de informar sobre a desfeita e o desacato sofrido dos colonos por haver proibido a escravização dos índios, suplicou uma carta de recomendação com a qual ele tentaria no Reino a captação de recursos necessários ao reerguimento do seu senhorio.

- E Mem de Sá deu a tal carta de recomendação? – perguntou Felipe Gonçalves, sempre muito interessado como os outros em conhecer detalhes da história. 
- Não se sabe. Em face das circunstâncias, pessoalmente não acredito, -respondeu Diógenes. E acrescentou: - Há dúvidas, também, se o seu estado de saúde lhe permitiu velejar para Portugal ou se ficou a perambular pelos portos do Nordeste à procura de tratamento para a saúde combalida.

Com as sobrancelhas um pouco suspensas e os lábios ligeiramente repuxados para o canto da boca, em sinal de dúvida, interrogou Francisco Chagas:

- Quando ele retornou ao Espírito Santo?
- Tudo indica que foi após o primeiro trimestre de 1560, porque, ao passar Mem de Sá por aqui em janeiro daquele ano, a Capitania estava sem o seu capitão-mor.14
- Pelo tempo decorrido, dois anos ou quase isso, acredita ter ele rumado mesmo para Portugal, só retornando depois das malogradas tentativas de obtenção de recursos junto à Coroa.15 Não creio, por isso, haver ficado todo esse tempo nas costas do Norte e do Nordeste.

Após a opinião manifestada por Chico Chagas, Quintela retomou a palavra para descrever a situação da Colônia, então agravada com a enfermidade do donatário.

- Sem saúde e endividado, Vasco Coutinho nada mais tinha a fazer senão em seu sítio, na Praia da Costa, amargar com resignação o golpe que o destino inexoravelmente lhe reservara. Desacreditado de todos e vilipendiado pelos colonos, o infeliz ancião ainda em sonhos fugidios pensava às vezes na possibilidade de um dia receber proposta de alguém para formar uma sociedade a fim de recuperar o seu “vilão farto”.

Passaram-se os dias e cada vez mais crítica era a situação da Colônia. Suas esperanças desvaneceram e ele não conseguia se desvencilhar do pesadelo que o afligia há tantos anos. Por conseguinte, não lhe restava alternativa senão renunciar. Vasco, apesar de estar em idade provecta e alquebrada por sofrimentos físicos e morais, teve, entretanto, lucidez para compreender que chegara a hora da renúncia, pois o povo estava preste a deixar tudo para trás e seguir rumo às capitanias vizinhas.

Em nova passagem pelo Espírito Santo, Mem de Sá é logo procurado pelos moradores. Sabiam da existência da carta-renúncia do capitão-mor e assim pediram ao governador geral que tomasse a Capitania em nome do rei. Imaginavam que, com a administração da gleba diretamente subordinada ao soberano, grande seria a segurança dos colonos com promissores dias para a Colônia.

Por sugestão dos próprios colonos, Mem de Sá designou Belchior de Azeredo para administrar a Colônia, o que lhe dava o direito de exercer todas as funções compatíveis com as de capitão-mor. Tratava-se de pessoa de confiança dos colonos e muito querido dos padres da Companhia. Não é demais repetir que a sede da Capitania estava na vila de Vitória.

Desiludido e angustiado por tristes recordações, morreu o primeiro donatário da Capitania do Espírito Santo na casa onde sempre morou, no sopé do Moreno. Sua morte aconteceu antes de outubro. Ano de 1561. Não se sabe o dia e o mês.

 

Trecho transcrito do livro: Vila Velha, seu passado e sua gente, 2002
Autor: Dijairo Gonçalves Lima
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012
Nota do Site: Diógenes é um personagem fictício


Especiais

Ano de 1860 – Por Basílio Daemon

Ano de 1860 – Por Basílio Daemon

No dia 26 de janeiro, às oito e meia horas da manhã, aportam a esta cidade vindos no vapor de guerra Apa, em visita a esta província, S.S.M.M.I.I. o Sr. D. Pedro II e D. Teresa Cristina Maria

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VI

Em 1530 partiu de Lisboa Martim Afonso de Souza, comandando uma esquadra composta de cinco navios, que vinha ao Brasil guardar as suas costas 

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte IV

A 8 de outubro de 1515, João Dias de Solis, pela segunda vez, era autorizado por D. Fernando de Castela e Aragão a explorar toda a costa sul do Brasil

Ver Artigo
Ano de 1552 e 1553– Por Basílio Daemon

Afonso Brás nunca mais de lá saiu nem aqui voltou, e tendo ali falecido, foi enterrado no Colégio de São Tiago que ele como outros fundaram   

Ver Artigo
Estudo Introdutório ao livro de Daemon – Por Estilaque Ferreira dos Santos

Foi Basílio Daemon quem de fato levantou pela primeira vez, e de forma consequente, a problemática da “descoberta” inicial do Espírito Santo

Ver Artigo
Agapito - Por Sérgio Figueira Sarkis

Agapito, nos idos tempos das décadas de 30 e 40, era uma figura folclórica de Vitória. Pau pra toda obra!

Ver Artigo