Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A primeira boiada – Por Serafim Derenzi

Vista de Vitória, 1860 - Foto: Victor Frond

Foi de festa o dia 22 de julho de 1820, quando o mineiro Antônio Alexandre Eloy de Carvalho, chegou, com a primeira boiada, ao porto de Itacibá. Marcava o término da construção e o início do comércio entre as duas Capitanias limítrofes. Mas Vitória não tinha consumo de carne, que justificasse a caminhada de rebanhos mineiros, e a importação de sal, para Mariana e Vila Rica, não atingia ao volume necessário à manutenção de tropas regulares e de lotes de burro, a trilharem as perigosas léguas do percurso. As condições econômicas e comerciais de Minas e Espírito Santo não alimentaram o tráfego da estrada. As despesas de fiscalização pesavam e o Visconde de Alcântara, em 9 de março de 1831, oficiou ao Presidente Gabriel Getúlio de Mendonça, alegando que as três boiadas, que por lá transitaram até então, não justificavam o custeio dos quartéis. E por economia se abandonou a estrada, fintando a boa fé dos colonos, que se internaram, fiados nos favores fiscais, concedidos aos lavradores tributários da Estrada.

Foi útil, contudo, ao povoamento do sertão. Possibilitou a penetração do homem pelas cabeceiras do Santa Maria e do Braço Norte do Jucu.

Rubim compreendeu a fatalidade da interiorização da capitania. Era preciso construir estradas. Dar transporte para atrair colonos. Ligou o povoado de Viana à estrada de Vila Rica, construiu a ligação Piuma-ltapemirim, prolongando-o até a Fazenda Cachoeira Alegre. Organizou a "Companhia de Navegação do Rio Doce", cujos frutos temporões amadureceram tardiamente, nascidos de árvore pobre. A capacidade de Francisco Alberto Rubim excedia em muito aos recursos da Capitania e ao interesse teórico da Metrópole. Monarquista convicto, festejou com pompa, nove dias de luminárias, Te Deum e festa de igreja, a elevação do Brasil a Reino, em 16 de dezembro de 1815. Transferido para governar o Ceará, comenta Cezar Marques: "embora considerado arbitrário e déspota, por alguns atos cometidos, mas força é confessar que foi ele o que mais trabalhou".

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2017

Curiosidades

A cana-de-açúcar foi a primeira cultura

A cana-de-açúcar foi a primeira cultura

Dez anos depois do desembarque do primeiro donatário, já estavam instalados, em 1545, na Capitania do Espírito Santo, quatro engenhos de açúcar 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Eduardo Wilberforce adentrando na Baía de Vitória em 03/09/1851

Afonso de E. Taunay publicou no JORNAL DO COMÉRCIO de 26 de agosto de 1945, sob o título "IMPRESSÕES DE VITÓRIA E SEUS ARREDORES (1850)"

Ver Artigo
A primeira boiada – Por Serafim Derenzi

A capacidade de Francisco Alberto Rubim excedia em muito aos recursos da Capitania e ao interesse teórico da Metrópole

Ver Artigo
O Século XIX e a Fronteira com Minas Gerais

Não se avaliava o incalculável prejuízo oriundo do leviano auto assinado pelo mineiro de Mariana, a serviço no Espírito Santo

Ver Artigo
Carta de Padrão de D. João III (1653) – Por Nobertino Bahiense

A carta de Padrão de D. João III e datada de 6/11/1653 é precioso documento que não podia deixar de integrar esta obra

Ver Artigo
Tipos Populares e Tipos Impopulares de Vitória

Há uma imensa coleção de tipos populares em Vitória, que qualquer um pode se aproximar, conversar, saber de suas mágoas e de seus problemas: Oto, Meio-Fio, Odilon, Boião (ou Canguru), Buck (ou Nero), Pau-de-Arara, Violão, Samuel, o agitador, e mais alguns outros que não me ocorrem no momento.

Ver Artigo