Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Humberto de Campos

Humberto de Campos

Nasceu Humberto de Campos em Miritiba, Maranhão, em 25.10.1886, filho de Joaquim Veras e Anna de Campos. Em 1910, publica seu primeiro livro de poesias, "Poeira", ao qual se seguiram mais dois, que, em 1933, são agrupados num só volume sob o nome de "Poesias Completas".

Em 1918, publica seu primeiro livro de prosa "Seara de Booz", constituído de pequenos artigos escritos entre 1915 e 1916, sob o pseudônimo de Micromegas.

A este se seguiram, entre outros, Mealheiro de Agripa, Crítica ( em 4 volumes), Carvalho e Roseiras, Sombras que sofrem, Os Párias, Destinos, Memórias, Memórias Inacabadas, O Monstro e outros contos, Sepultando os meus mortos, Lagartas e Libélulas, À sombra das tamareiras e Notas de um diarista.

Humberto de Campos, sob o pseudônimo de "Conselheiro X.X.", exerceu a chamada literatura fescenina.

Em 1919, entra para a Academia Brasileira de Letras. Trabalhou em vários jornais, tais como "O correio da manhã", "O Diário Carioca", "A Noite" e "O Jornal" Em 1926 foi eleito deputado federal pelo Estado do Maranhão, sendo reeleito em 1926. Com a revolução de 1930, perde o mandato. Ë nomeado pelo Governo Provisório, instalado no país, Inspetor de ensino federal e é feito Diretor interino da Casa de Rui Barbosa.

Sempre teve uma saúde frágil e em 1928, é diagnosticado o seu mal, Hipertrofia da hipófise, doença progressiva que o acompanhará até seu falecimento.

"Dele, seu biógrafo Macário de Lemos Picanço diz o seguinte: "Poeta, anedotista, contista, ensaísta, cronista, autobiografista, a obra literária de Humberto de Campos apresenta altos e baixos, mas o que é alto tem a claridade da luz e a simplicidade das almas sãs. Possuidor de estilo fácil, corrente, sem as frases empoladas, qualquer pessoa podia compreendê-lo.

Não tinha artifícios, não tinha preocupação de retumbância. Ao contrário, escrevia com a maior naturalidade e as fantasias, as imagens, as expressões poéticas lhe vinham sem esforço. Faleceu em 5.12.1934, aos 48 anos de idade.

A Academia de Letras de Vila Velha tem o nome de Academia de Letras Humberto de Campos em homenagem ao escritor maranhense, radicado no Rio, que nunca veio ao Espírito Santo. A homenagem se deve a corrente de pensamento ideológica. Posteriormente passou a se chamar de Academia de Letras de Vila Velha.

Fonte: Thelma Azevedo

LINK RELACIONADO:

>> Academia de Letras



GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

Maria Ortiz não é uma lenda - Por  Eurípedes Valle

Maria Ortiz não é uma lenda - Por Eurípedes Valle

Maria nasceu nesta Capital, dois anos depois, isto é, em 20 de fevereiro de 1603. Tinha, portanto, 22 nos completos quando ocorreu o episódio histórico

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Carlos Augusto de Azevedo

O seu maior objetivo pessoal é vencer sempre, para orgulho próprio e da família

Ver Artigo
Fued Nemer

Exerceu a advocacia durante muitos anos nas Comarcas de Castelo, Cachoeiro do Itapemirim, Muniz Freire, Alegre e outras

Ver Artigo
Arnaldo Soares Pagani

ARNALDO SOARES PAGANI, por exemplo, nasceu em Colatina, município cujo desbravamento influiu decisivamente para a penetração da civilização rumo ao norte do Estado

Ver Artigo
Ayval da Luz

AYVAL DA LUZ, como sócio e diretor acionista da “Transportadora Colatinense S/A", pode ser incluído na categoria daqueles empresários empenhados em sua batalha diária 

Ver Artigo
Egydio Antônio Coser

Os caprichos do destino são realmente insondáveis. Ninguém melhor do que EGYDIO ANTÔNIO COSER para confirmá-lo

Ver Artigo