Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Jerônimo Monteiro

Jerônimo Monteiro

Houve um tempo em que Vitória foi transformada em um canteiro de obras. Prédios antigos eram derrubados para a abertura de avenidas, construção de praças e jardins e implantação de rede de água e de energia elétrica. A reforma do sistema de ensino vinha através da construção de colégios e do surgimento das escolas particulares. Quando aconteceu isso tudo? Há quase um século, no Governo de Jerônimo Monteiro, de 1908 a 1912.

Essa revolução ocorrida em Vitória e no Espírito Santo é contada no livro"Jerônimo Monteiro", escrito pelo historiador Carlos Benevides Lima Jr. para a coleção Grandes Nomes do Espírito Santo.

A coleção terá 36 títulos, sendo que os 12 primeiros serão lançados até agosto de 2005. Os dois primeiros foram sobre o engenheiro Ceciliano Abel de Almeida e sobre a cantora Maysa Matarazzo.

Os próximos lançamentos serão as biografias do ex-senador João Calmon (em março); do arcebispo de Vitória Dom João Baptista da Motta e Albuquerque (27 de abril); do donatário Vasco Fernandes Coutinho (23 de maio); do padre José de Anchieta (6 de junho).

Os volumes sobre os cronistas Rubem Braga e José Carlos Oliveira, a cantora Nara Leão, o cientista Augusto Ruschi e o ex-governador Jones dos Santos Neves ainda não têm data definida.

Para Carlos Benevides Lima Jr., que já tem 3 livros publicados sobre a baía de Vitória e 2 sobre Conceição da Barra, Jerônimo Monteiro foi o que hoje em dia poderia ser chamado de um homem empreendedor.

"Ele modernizou a administração, urbanizou a Capital e levou o desenvolviemnto ao interior, até então entregue à iniciativa dos imigrantes europeus", explica ele.

Carlos Benevides acentua, porém, que todo esse trabalho teve um preço. "O Governo ficou endividado, mas, mesmo assim, quando deixou o cargo, ele elegeu seu sucessor, Mascondes de Souza", revela.

Algumas obras do governo de Jerônimo Monteiro:

Jerônimo Monteiro, no seu histórico e insuperável governo reformou o Palácio, modificou também a escadaria. Foi um projeto e construção do engenheiro francês Justin Norbert. As escadarias de palácio da Santa Casa de Misericórdia e a do Carmo foram obras de Jerônimo Monteiro.

Já em Vila Velha e Vitória a introdução do bonde como meio de transporte deu-se em 1910, no governo de Jerônimo Monteiro.

 

Fonte: A Gazeta



GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

Arquitetos, Pintores e Artistas – Por Serafim Derenzi

Arquitetos, Pintores e Artistas – Por Serafim Derenzi

A ausência de arquiteto foi lacuna marcante na reconstrução dos prédios. Poucas fachadas justificam sua presença nas paredes, que arrematam

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Arnaldo Soares Pagani

ARNALDO SOARES PAGANI, por exemplo, nasceu em Colatina, município cujo desbravamento influiu decisivamente para a penetração da civilização rumo ao norte do Estado

Ver Artigo
Ayval da Luz

AYVAL DA LUZ, como sócio e diretor acionista da “Transportadora Colatinense S/A", pode ser incluído na categoria daqueles empresários empenhados em sua batalha diária 

Ver Artigo
Egydio Antônio Coser

Os caprichos do destino são realmente insondáveis. Ninguém melhor do que EGYDIO ANTÔNIO COSER para confirmá-lo

Ver Artigo
Registros Históricos – Eugênio Pacheco de Queiroz

Ele foi diretor-presidente do jornal A GAZETA 49 anos. Eugênio Pacheco de Queiroz esteve à frente do processo de modernização da empresa, até a criação da Rede Gazeta

Ver Artigo
Augusto Ruschi

Na natureza tudo e todos são interdependentes; assim, a sobrevivência de todas as espécies, inclusive o homem, só pode ser conseguida através do entendimento desta interdependência

Ver Artigo