Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Médico, amigo e admirador - Por Sandra Medeiros

Os padrinhos, Luiz e Lourdes Buaiz, nas extremidades da foto: casamento de Lúcia Helena e Douglas Puppin

Um dos primeiros médicos a trabalhar junto com o Dr. Luiz Buaiz, inclusive em seu consultório, Douglas Puppin é amigo de longa data. Sobre o companheiro de trabalho ele diz: “Luiz Buaiz é uma figura ímpar. É realmente difícil encontrar, no Brasil e no mundo, pois conheço boa parte dele, uma pessoa com a capacidade intelectual e com a força física dele. Ele tem uma vontade de ajudar muito grande, é o prazer dele”, elogia.

O também dermatologista Douglas Puppin destaca que Luiz Buaiz foi o pioneiro da dermatologia no Espírito Santo. “Claro que ele não fez isso sozinho, mas a maioria daqueles que começaram no mesmo ano que ele tinha uma atuação específica. Uns só lidavam com lepra, outros com doenças venéreas, e por aí vai. Mas Luiz Buaiz, não. Ele tinha consultório, dedicou boa parte da vida às doenças de pele, mas ao mesmo tempo atuou nas previdências sociais da época e foi provedor da Santa Casa”, recorda.

Sobre esse período de muito trabalho, Puppin lembra que Luiz Buaiz começava a jornada às 6 horas da manhã, e normalmente só encerrava às 20 horas. “E no final ainda sobrava tempo para ele passar por todos os hospitais de Vitória e verificar se algum colega precisava de auxílio”. Era um tempo de muitas dificuldades, todas vencidas com o entusiasmo comum aos jovens.

As dificuldades existiam antes mesmo de se começar a trabalhar, lembra Puppin. Na universidade, ainda no Rio de Janeiro, “faltava todo tipo de recurso que você pode imaginar, mas mesmo assim o ensino era de qualidade porque nesse tempo tínhamos que estudar muito. Luiz e eu estudamos no mesmo lugar, mas em tempos diferentes”.

Quando voltou ao Espírito Santo, Luiz Buaiz fez com que muitos de seus colegas de faculdade também viessem para cá. “Teve a coragem de me trazer, inclusive. Ele abriu uma clínica e lá nós trabalhávamos de 7 horas da manhã às 7 da noite, sem parar. Além disso, cada um que chegava do Rio de Janeiro nós colocávamos lá. No fim do mês não sobrava nada para ele e muito menos para mim. Chegamos a ficar dois meses sem receber para pagar os novos colegas, que precisavam mais”.

Entre os amigos que foram ajudados por Luiz Buaiz na clínica Puppin cita: “Dr. Délio Delmaestro, Dr. Denys Otonni, Dr. Francisco Tardin, Dra. Leila, entre outros. Não faltou lugar para ninguém. E isso em um prédio que era do Dr. Luiz Buaiz. Algumas vezes era preciso pagar o aluguel de quatro ou cinco salas e não sobrava nada para nós no final do mês”, recorda.

Para Douglas Puppin, o ilustre companheiro Luiz Buaiz é um médico brilhante, além de um político honesto. “Acredito que toda a nossa classe deva a Luiz Buaiz por tudo que ele nos ensinou”, elogia.

Como forma de confirmar os elogios que presta ao colega, Puppin conta a forma como a atuação de Luiz Buaiz mudou a Santa Casa. “Quando ele foi provedor lá, tudo era muito difícil. Muitas vezes era preciso atender 70 pessoas por dia. Assim como ele, o Dr. Pretti, o Dr. Pedro Gualande, entre outros que prestaram serviço na época. Se uma área do hospital tinha um problema mais grave, tínhamos de largar tudo e correr para lá. Era assim que funcionava”, recorda.

Uma característica forte de Dr. Luiz Buaiz é a forma como ele trata os amigos e conhecidos, ressalta Puppin. “Ele ajudava até as pessoas que falavam mal dele. Certa vez, nos institutos de previdência, um jovem pediatra, de quem é melhor não revelar o nome, entrou na sala de Luiz Buaiz – que presidia o órgão – e fez ásperas reclamações sobre as condições de trabalho do lugar. Eu estava lá na hora. Eu e outros médicos. Ele disse que faltavam aparelhos de pressão para as crianças, termômetros, balanças, estetoscópio e mais uma série de materiais, e que sem isso não seria possível trabalhar. E disse tudo isso de forma muito dura. Luiz Buaiz, nesse momento, estava ouvindo tudo de cabeça baixa. Assim que ele acabou de falar, o Luiz levantou, pediu que ele repetisse todos os equipamentos e perguntou: ‘Mais alguma coisa?’ O médico respondeu que não.”

Assim que ele terminou a reclamação, conta Douglas Puppin, Luiz Buaiz chamou um ajudante e deu ordem para limpar tudo, comprar o que ele tinha pedido e colocar, no mesmo dia, no consultório em que o pediatra atendia. “No dia seguinte, quando o médico abriu a sala, ele se surpreendeu porque tudo estava lá. Pronto para usar”, lembra Puppin.

Nisso, Luiz Buaiz mandou chamar à sua sala o pediatra. Perguntou se estava tudo como ele havia pedido. Puppin lembra que presenciou a conversa. O médico respondeu que sim. Foi a vez de Luiz Buaiz exigir. “Ele disse que iria conferir, em cada ficha do médico, se todos os itens estavam corretos. Se todas as crianças tinham sido pesadas, medidas, se a pressão estava devidamente anotada. Todos os procedimentos teriam que ser seguidos. O médico saiu e Luiz Buaiz disse: não dou três semanas para ele desistir. E não demorou mesmo isso. Logo o médico iria aparecer na sala do chefe para pedir desculpas e dizer que não dava para usar todos os instrumentos pedidos, atender a todos os protocolos, com a demanda que havia no hospital. Pouco tempo depois deixaria o estado”, revela Puppin. No pedido de desculpas do médico, Luiz Buaiz disse a ele que não havia motivo para isso, que a reclamação era um direito.

Douglas Puppin conta que a ajuda de Luiz Buaiz foi preponderante para o sucesso da sua gestão quando foi secretário de Saúde do estado. “Não tive dificuldade graças a ele. Com essa parceria consegui fazer o Hospital Dório Silva, o hospital de São Mateus, 148 centros de saúde e mais uma série de estruturas, tudo com a tutela dele”, reconhece.

“Lembro-me ainda do Dr. Luiz Buaiz quando ele tinha o primeiro carro, parecia uma moto, de tão pequeno. Ele sempre foi simples assim. Posso classificá-lo como um cara puro, amoroso, de muita dedicação e respeito com os amigos e com os profissionais com que lida. É o homem que faz tudo para ajudar sempre. Nasceu para fazer Medicina. Tenho raiva de ele nunca ter ganho na loteria. Tenho certeza de que iria dividir com os pobres, se ganhasse. Todo o Espírito Santo deve ao Dr. Luiz Buaiz.

 

PRODUÇÃO

 

Copyright by © Luiz Buaiz – 2012

 

Coordenação do Projeto: Angela Buaiz

 

Captação de Recursos: ABZ Projetos

 

Texto e Edição: Sandra Medeiros

 

Colaboraram nas entrevistas:

Leonardo Quarto

Angela Buaiz

Ruth Vieira Gabriel

 

Revisão: Herbert Farias

 

Projeto e Edição Gráfica: Sandra Medeiros

 

Editoração Eletrônica: Rafael Teixeira e Sandra Medeiros

 

Digitalização: Shan Med

 

Tratamento de Imagens: TrioStudio; Shan Med

 

Fonte: Luiz Buaiz, biografia de um homem incomum – Vitória, ES – 2012.
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2020

Especiais

Crítica aos Donatários

Crítica aos Donatários

Tomé de Sousa visitou o Espírito Santo e não gostou do que viu. Vasco Fernandes Coutinho estava fora. Em carta ao soberano português, queixa-se da ausência de donatários e da má administração das capitanias

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cachoeiro De Itapemirim: Pioneira Capixaba De Energia Elétrica - Por Gabriel Bittencourt

Cachoeiro de Itapemirim tornou-se a primeira cidade do Espírito Santo a ter energia elétrica, e décima do Brasil

Ver Artigo
Luiz Buaiz - Um homem insubstituível

Sempre presente e extremamente generoso, a sua maneira de cuidar é incomparável e única

Ver Artigo
Dr. Luiz Buaiz - Integridade e vanguarda

Para Dr. Chambô, Luiz Buaiz – com quem tem um ótimo relacionamento – sempre foi um médico que se pautou pela integridade

Ver Artigo
Luiz Buaiz: Atuação política intensa - Um grande professor - Diplomata de posições firmes

Foi o primeiro presidente do CRM. Ele também teve uma atuação política intensa. E sempre voltada a fazer o bem

Ver Artigo
Luiz Buaiz - Sorriso permanente

Délio Delmaestro, chefe do setor de Dermatologia do Hospital das Clínicas, não esquece como conseguiu a primeira colocação depois de formado

Ver Artigo