Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Condutor

Profissionais do Bonde - Acervo: Edward Alcântara

Para falar dos bondes temos que falar também de sua tripulação, que era composta de motorneiro, condutor, fiscal e fiscal geral. Essas categorias distinguiam-se umas das outras pelas indumentárias. Embora todos trajassem uniformes cáqui e quepes do mesmo tecido, havia uma leve distinção, quase imperceptível para os desavisados, entre as categorias. No quepe, de base marrom, estava a maior diferença no que se referia à fiscalização. Se nessa base houvesse uma só listra fina e branca, tratava-se de um fiscal iniciante; se duas, de um fiscal graduado; se três, de um fiscal geral.

O motorneiro tinha a função e a responsabilidade de acionar o motor do bonde e conduzi-lo. E o condutor? Seria ele um outro motorneiro menos graduado? O nome dava a idéia de quem conduzia alguma coisa para lhe dar movimento, entretanto tratava-se apenas do cobrador de passagens.

O fiscal permanecia quase todo o tempo na parte traseira do bonde, geralmente de pé, observando tudo. Autorizava a partida do veículo e também a parada, quando não o fazia o passageiro. Acompanhava e fiscalizava as cobranças efetuadas pelo condutor que, por sua vez, registrava-as num relógio fixo, preto e grande, localizado no interior do bonde, no alto e ao fundo, à vista dos passageiros. Ficavam estes passageiros de frente ou de costas para ele, dependendo da posição do motor que impulsionava o bonde, que dispunha de dois, um em cada extremidade, revezados sempre nos percursos de ida ou de volta.

O tilintar de cada passagem registrada era estridente, acionada por uma corda fina de couro embutida no relógio ao alcance dos seus operadores. Se o condutor deixava de fazer o registro das passagens a contento do fiscal este, com a sua autoridade inquestionável, depois de contar, movimentava o relógio até atingir o número de passageiros por ele verificado na viagem.

O fiscal geral era o fiscal dos fiscais. Vagava de um bonde para outro, sem hora determinada, examinando os boletins de ocorrência apondo o seu visto. Fazia e desfazia escalas de serviço. Era o todo poderoso do transporte de bondes.

O condutor procedia às cobranças sob quaisquer condições de tempo. Fizesse sol, chuva ou frio, locomovia-se de banco em banco, por fora, pelos estribos do bonde, agarrando-se aos balaústres, ágil e sem dificuldades, isso quando não havia passageiros nas laterais. Em havendo, o que era comum nos horários de pique, o condutor tornava-se um malabarista. Roçava de modo inconveniente e encurvado sobre os passageiros que, por instinto, viravam-se de frente à sua passagem forçada.

O trabalho do condutor exigia no correr do dia um esforço físico incomum. Atestavam essa afirmativa as mãos calejadas que ostentava. Esses calos estendiam-se até os pulsos porque as mãos fechadas, que seguravam as moedas, dobravam-se para que os punhos sustentassem na pegada dos balaústres o seu corpo. Eram calos consolidados. Só o condutor os tinha. A responsabilidade da arrecadação da grana era toda sua. No seu mister atuava com muita agilidade e vivacidade para que nenhum passageiro furtivo escapasse da cobrança. Por conveniência da profissão, na hora do troco e da cobrança da passagem sustentava as pesadas moedas em circulação – os réis – empalmadas junto aos dedos. Desse jeito, ao mover as articulações, movia também as moedas umas contra as outras num retinir que, ao estender a mão, soava aos ouvidos do passageiro como um gesto de cobrança. Além das moedas que portava, era comum ver, dobradas e enlaçadas em seu dedo médio, cédulas de papel de valor maior, só recolhidas ao bolso depois de passado o troco aos passageiros de quem as tinha recebido. Os ponguistas também propiciavam ao condutor uma luta inglória, pois nunca conseguia cobrar-lhes a passagem. Eles tomavam o bonde longe do condutor para saltar um pouco mais adiante, burlando a sua ação.

 

Fonte: Ecos de Vila Velha,2001
Autor: José Anchieta de Setúbal
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2012


Bonde

Inauguração do bonde em Vila Velha (12/04/1912)

Inauguração do bonde em Vila Velha (12/04/1912)

Naquela linda manhã de outono, iluminada por um sol ameno, as pessoas formavam grupos nas ruas da cidade e confraternizavam

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Bonde

O bonde proveniente de Paul fazia a sua última parada para apanhar ou deixar passageiros no ponto que antecedia Piratininga, nas proximidades do bar Ponto Chic, seguindo daí, sem mais parar, até Piratininga

Ver Artigo
Bonde em Vila Velha e Vitória

Eram dois bondes – um saía de Paul, o outro de Vila Velha. O cruzamento entre eles se dava na estação de Aribiri

Ver Artigo
Mais uma de Catraieiro

Li matéria dos catraeiros que fazem até hoje a travessia entre Vitória e Vila Velha. Gostei muito, e novamente fui ao passado ! ! !Na década de 50 e 60 (até 1967...) eu tocava acordeom nas noites de várias cidades de nosso estado. 

Ver Artigo
Bonde

Os primeiros bondes a circular em Vitória eram do tipo locomotiva movido a carvão. Os veículos pertenciam à Companhia Ferro Carril e faziam a linha Vitória/ Praia do Suá

Ver Artigo
A última lancha da noite

O usuário que estivesse em Vitória e precisasse pegar o último bonde em Paul arriscava-se a não consegui-lo se perdesse a lancha em direção àquele ponto

Ver Artigo