Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os pioneiros – Alguns nomes – Número – Partida do Tejo

Caravela Glória

Sobre o grupo de pessoas que embarcaram com Fernandes Coutinho para “conquistar e povoar”(31) a capitania, são escassas as notícias. Os mais abalizados autores registram mais ou menos sessenta, aí incluídos “dois fidalgos de elevada nobreza”(32) D. Jorge de Menezes,(33) “o das proezas nas Molucas e do descobrimento da Nova Guiné”,(34) e D. Simão de Castelo-Branco.(35) – Ambos, “por mandado de S. A., iam cumprir suas penitências a estas partes”.(36) Degredados é que eles eram.

Não obstante frei Vicente do Salvador referir-se a “uma grande frota”,(37) no que é secundado por Gabriel Soares, que afirma ter o donatário ordenado “à sua custa uma frota de navios”,(38) o mais razoável é admitir a expedição limitada a uma caravela – a Grorya. Nela embarcaram, no porto de Lisboa, em princípios de 1535,(39) Vasco Fernandes Coutinho e sua gente.

Em que pese a autoridade de alguns historiadores,(40) é duvidosa a presença da família do chefe da expedição na comitiva. Não é conhecida uma alusão que seja à legítima esposa do donatário na crônica da capitania. Ao contrário, tudo leva a crer que é Ana Vaz quem a substituirá, dando a Vasco Fernandes Coutinho um filho bastardo, herdeiro do nome paterno e, legitimado, seu sucessor na donataria.

Ignorados o dia e o mês exatos da partida das margens do Tejo, tudo se desconhece também sobre o curso da viagem, embora Rocha Pombo, interpretando elasticamente uma passagem de Simão de Vasconcelos,(41) insinue: “tinha naturalmente [o navio de Coutinho] tomado, em alguma das Capitanias do Norte, gente prática da costa”.(42)

 

NOTAS

(31) - VICENTE DO SALVADOR, Hist. Brasil, 95.

(32) - P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 201.

– VICENTE DO SALVADOR fala de “outros fidalgos”. Hist. Brasil, 95.

(33) - VARNHAGEN, HG, I, 217.

– BASÍLIO DE MAGALHÃES atribui a D. Jorge de Menezes a descoberta da Nova Guiné, em 1526 (Hist. do Comércio, 154, nota).

– Referindo-se a esse companheiro de Continho, escreveu CARLOS MALHEIRO DIAS: “turbulento D. Jorge de Menezes, celebrado pela sua intrepidez no ataque ao Samorim de Calecute, e que o vice-rei D. Nuno da Cunha castigara pelos desvarios cometidos nas Molucas, mandando-o algemado para Lisboa, de onde D. João III o deportou para o Brasil” (Regimen Feudal, 243).

(34) - “Segundo os linhagistas,* D. Jorge de Menezes era filho bastardo de D. Rodrigo de Menezes, filho segundo de D. João de Menezes e de D. Leonor da Silva. D. Rodrigo foi comendador de Grândola, guarda-mor do príncipe D. Afonso, filho de el-rei D. João II e mordomo-mor da rainha D. Leonor. Casou três vezes e teve bastardos. Um destes bastardos é o referido D. Jorge, capitão de Moluco, que foi degredado para o Brasil por matar a Gaspar Pereira, capitão da mesma fortaleza, onde morreu sem casar. Teve bastarda D. Inês, freira da Anunciada de Lisboa.

Os historiadores referem-se com horror a D. Jorge de Menezes, como se houvesse sido um monstro de perversidade, mas o fato é que o seu único crime foi o apontado, não havendo base para outras acusações; e esse crime resgatou-o morrendo na guerra com os índios revoltados” (P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 201).

* Rangel de Macedo, cód. 387 da Pombalina, fl. 182 v. (apud P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 201).

(35) - Não obstante apontar D. Simão de Castelo-Branco como fidalgo de elevada nobreza, PEDRO DE AZEVEDO escreveu: “esse nem sequer os nobiliários citam, apesar de não ser fácil omitir-se neles algum nome dos depositários do título de dom, que representa o mais elevado grau de nobreza portuguesa, sendo outrora castigado severamente quem o usasse indevidamente”.

RANGEL DE MACEDO** aponta nos seguintes termos um cavaleiro assim chamado por esse tempo: “D. Simão de Castelo-Branco, filho segundo dêste D. Pedro de CasteloBranco, serviu em Azamor com cavalos e criados à sua custa donde veyo desgostoso com ElRey, D. João o 3.° por cuja causa se foy para Castella e se achou com o Emperador Carlos 5.° na conquista de Tunes e na jornada e naufrágio da Armada de Argel. Casou com D. Maria de Menezes, filha de Manuel de Noronha da Câmara e de sua primeira mulher D. Brites de Menezes.

É, pois, mais provável que o companheiro de D. Jorge de Menezes, que foi morto pelos índios em seguida a esse fidalgo, fosse apenas um obscuro, Simão de Castelo Branco” (P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 201) .

– ROCHA POMBO di-lo “companheiro de troça de Jorge de Menezes” (HB, III, 225).

** Cod. 369 da Pombalina, fl. 162 v. (apud P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 201).

(36) - SOARES, Notícia, I, 171.

(37) - Hist. Brasil, 95.

(38) - SOARES, Notícia, I, 171.

– ‘”Fez em Lisboa huma boa Armada á sua custa” (VASCONCELOS, Crônica, I, 58).

– “No ano de 1525 (sic) sahio da Corte a tomar posse della, com huma Esquadra de Navios á sua custa” (JABOATAM, Orbe Seráfico, I, 73).

(39) - ROCHA POMBO, HB, III, 224.

(40) - RUBIM diz: “embarcou com sua família” (Memórias, 201).

– ROCHA POMBO repete: “partiu de Lisboa com sua família” (HB, III, 224).

(41) - “Chegou a salvamento a esta costa do Brasil, onde por informações (ao que parece) dos que havião demarcado a terra, forão em demanda do porto, que hoje chamamos do Espírito santo” (VASCONCELOS, Crônica, I, 58).

(42) - ROCHA POMBO, HB, III, 225.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

Ano de 1852 – Por Basílio Daemon

Ano de 1852 – Por Basílio Daemon

São remetidas ao Museu Nacional, pelo naturalista Descourtilz, as coleções de história natural por ele reunidas tanto de pássaros como de insetos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1870 – Por Basílio Daemon

Em 1870 o governo geral, por aviso de 23 de abril deste ano, mandado construir um farol na barra desta capital a bem de servir aos navegantes

Ver Artigo
Ano de 1871 – Por Basílio Daemon

Falece no Convento do Carmo, frei Antônio de Nossa Senhora das Neves, prior do mesmo convento, cargo que ocupava desde 1853

Ver Artigo
Ano de 1869 – Por Basílio Daemon

É criado um estabelecimento que teve posteriormente o título de Colégio Nossa Senhora da Penha, e a ele foi anexa a Escola Normal do sexo feminino

Ver Artigo
Ano de 1866 – Por Basílio Daemon

Revoltam-se os escravos da Fazenda da Safra, de propriedade da viúva D. Josefa Souto, causando horrível pânico às vilas de Itapemirim e Cachoeiro 

Ver Artigo
Ano de 1867 – Por Basílio Daemon

Em 14 de fevereiro de 1867, caíram dois raios na tarde deste dia no antigo e monumental Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo