Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os Santos também morrem - Ao Dr. Délio Etienne Dessaune

Capa - Vitória Propaganda

Sim, os santos também morrem e nosso "santo" Délio Etienne Dessaune morreu! Já estava muito velhinho, doente, vindo por fim a falecer. Havia já algum tempo que eu não o via, mas ele estava sempre presente em minhas orações.

Por uma dessas incríveis coincidências da vida, eu estava batendo à máquina, no meu livro de lembranças, a parte em que eu narrava o episódio da doença do meu filho, que nasceu com um problema que poderia deixar-lhe terríveis seqüelas de caráter irreversível, e que, com a orientação do Dr. Délio, teve cura "milagrosa".

Escrevia eu sobre esse caso, quando soube do seu falecimento. Enquanto chorava a perda desse amigo tão querido, deixei que os meus pensamentos vagassem pelo passado e resgatassem lembranças adormecidas no fundo da memória.

Dr. Délio Dessaune era também um grande amigo da família de meu pai. Saíam às vezes em grandes caçadas nas matas do rio Doce e do sul da Bahia. Voltavam com os carros carregados de laranjas-baía, cocos, cacaus, arcos e flechas de índios que lhes serviam de guias nas brenhas das matas e, também, vários barriletes repletos de peças de caça, assadas e conservadas na banha. Eram jaós, veados, pacas, tatus e tantas outras iguarias que, por algum tempo, davam novo sabor às nossas refeições.

Dr. Délio foi também o nosso médico, quando ainda éramos crianças. Quando algum de nós adoecia, papai logo o chamava e aquelas que estavam boas iam esperá-lo, às escondidas, atrás de uma pedra que ficava à beira da ladeira que dava acesso à casa. Assim que elas o avistavam, começavam a rir imitando a sua estranha e inconfundível risada.

Depois de examinar o doente, ele fazia uma revisão em toda a meninada e quando papai perguntava: — Então, Délio, como estão as crianças?

— Ótimas, Seu Lauro, ótimas! Não vê como estão rindo?

Após a consulta, o indispensável cafezinho com bolinhos ou pasteizinhos feitos na hora, enquanto os dois botavam a "política" em dia.

Assim que ele se retirava, levávamos um tremendo "pito" pela falta de consideração demonstrada para com o médico amigo. Guardei com carinho as minhas lembranças de volta na memória. Enxuguei o pranto e fui prestar-lhe a minha última homenagem. Quanta gente lá estava, também, com esse mesmo propósito! Como era querido o nosso "santo" Délio! E parecia mesmo enterro de santo. Em cada grupinho, alguém contava a "cura milagrosa" de algum ente querido. E todos, todos afirmavam a sua bondade incansável. Um médico à antiga. A qualquer hora do dia, da noite, de madrugada, fosse lá a hora que fosse em que se precisasse dele e o chamasse, lá vinha ele, sempre alegre, bem-humorado, rindo, sempre rindo aquela sua risada inconfundível.

Só de vê-lo, as crianças já se sentiam melhor, e as mães também! Sabíamos que ele daria um jeito! Com a sua "sabedoria chinesa", ele tudo curaria...

Certa vez encontrei-o em Guarapari e falei-lhe com orgulho: — Dr. Délio, o senhor não imagina como está lindo o meu filho! Alto, forte, inteligente e belo! E isso eu devo ao senhor!

Tomei-lhe as mãos e beijei-as reverentemente, agradecendo-lhe como a um santo: — Obrigada, doutor, sempre quis fazer isso, mas nunca tive a oportunidade. Obrigada, doutor!

Lá no cemitério, ao ver as suas mãos cruzadas sobre o peito, veio-me o desejo de beijá-las de novo, mas o respeito humano me conteve. Beijei-as em pensamento e o seu espírito, já liberto da carne, por certo compreendeu a minha timidez.

Beijo-as em pensamento agora ao prestar-lhe esta homenagem. Dr. Délio, o senhor terá sempre um lugar muito especial no meu coração, já que foi o "instrumento de Deus" para salvar a vida de meu filho.

Obrigada, doutor!

 

Fonte: ESCRITOS DE VITÓRIA - Volume 15 - Personalidades de Vitória — Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES, 1996.
Prefeito Municipal - Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar
Sub-secretário Municipal de Cultura e Turismo - Sidnei Louback Rohr
Diretor do Departamento de Cultura - Rogério Borges de Oliveira
Diretora do Departamento de Turismo - Rosemay Bebber Grigatto
Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici
Chefe da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim - Lígia Maria Mello Nagato
Bibliotecárias - Elizete Terezinha Caser Rocha e Lourdes Badke Ferreira
Conselho Editorial - Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Revisão - Reinaldo Santos Neves e Miguel Marvilla
Capa - Vitória Propaganda
Editoração Eletrônica - Edson Maltez Heringer
Impressão - Gráfica e Encadernadora Sodré
Autora do texto: Beatriz Monjardim F. Santos Rabelo
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2018

Personalidades Capixabas

Rezende Ribeiro de Rezende

Rezende Ribeiro de Rezende

REZENDE RIBEIRO DE REZENDE, o mais jovem Reitor de Universidade do Brasil, pode não ser integralmente uma repetição de seu pai, Eurico Rezende, mas em grande parte ele tem se demonstrado um organizador e um educador

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Tribunal de Contas – Por Eurico Rezende

Cogitada desde o início do Império, a criação de um órgão de controle orçamentário e financeiro só se verificou em 1890, mercê do gênio de Ruy Barbosa

Ver Artigo
Liberalismo e Solidarismo – Por Eurico Rezende

Estão registrados, quer em passado remoto, quer em época recente, antes de encerrar minha carreira eleitoral

Ver Artigo
Sobre armas e milk shake – Por Antônio Carlos Neves

As doze horas e quarenta minutos do dia primeiro de abril de 1964, neste momento a Fafi foi invadida

Ver Artigo
O brilho da metade do céu – Movimento Feminista

As feministas iniciaram sua organização no estado, mais precisamente em Vitória, nos anos 80

Ver Artigo
Prestando Contas – Por Eurico Rezende

Hoje, neste mês vestibular de 1988 coloco-me na longa esteira de recordações do trabalho inovador que desenvolvi no preparo da Constituição em vigor

Ver Artigo