Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Personalidades de Vitória – Por Wanda Camargo

Manoel Moreira Camargo

Contam na Austrália que, no início, o céu era pegado à terra e que o homem andava curvado entre ambos, até que inventou o bumerangue e, com um lance, separou a terra do céu.

A vida se assemelha ao movimento do bumerangue: quando a enviamos na direção dos nossos sonhos, esperamos a sua volta em nossas mãos. Porém, às vezes, sua partida é sem retorno.

Escolho, para falar aos Escritos de Vitória, uma personalidade essencial. Muitos a conheceram e poucos, como eu, tiveram oportunidade de vivenciá-la. Falo de um mineiro, nascido em Itaúna, a 9 de fevereiro de 1909. Filho das montanhas — das Alterosas — ele se tornou filho do mar, fez-se capixaba desde que chegou aqui, acompanhado de sua mãe, Maria Moreira Camargo (viúva de Procópio Moreira Camargo) e de seus seis irmãos: Clóvis, Gumercinda, Dahlia, Leny, Maria (Marita) e Rita (Lilita). Falo do Dr. Manuel Moreira Camargo, que nos deixou no ano passado, a 16 de fevereiro de 1995, sete dias após ter completado os seus 86 anos.

Chegou pequeno em Vitória. Contava-me que, muitas vezes, caminhava na infância descalço. O sapato ficava guardado em casa, novo, na caixa, esperando ocasião importante para ser usado. Assim, calçado e descalço, o menino Manuel caminhou o seu caminho de homem.

Político de largo prestígio e orador-feito — como diziam os antigos — o Dr. Camargo aliava sua inteligência privilegiada à palavra, oral ou escrita, que fluía fácil de sua boca ou de sua mão, deixando entrever uma grande cultura, uma erudição, uma sabedoria acumulada. Vereador e deputado estadual por duas legislaturas, advogado militante que possuía as linhas da lei na palma da mão, ele criou — durante o governo Élcio Álvares — a Lei da Defensoria Pública. Foi um dos fundadores da OAB-ES e seu presidente por vários anos. Também foi sócio da AEI e membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. Nos últimos anos, últimas de suas causas, o Dr. Camargo venceu, judicialmente, perante o Estado do Espírito Santo, a questão que ficou conhecida como "das 800 professoras" no Fórum e na cidade de Vitória. Defendendo as professoras, ele defendia o ensino e se voltava para esta infância do Brasil, ainda hoje sem sapatos.

Sem dúvida que não caberia só a mim, neste espaço, falar do tempo desse homem público. Muitos foram os seus companheiros de idéias e ideais. Devo falar apenas do homem-humano, de quem a vida se encarregou de me aproximar, através da convivência assídua, nos momentos e eventos intelectuais, e, mais ainda, dentro da própria relação familiar. Sempre que nos encontrávamos — e nos encontrávamos sempre — os seus braços se abriam em minha direção e um sorriso tomava conta de todo o seu ser. São esses momentos, são essas lembranças, são essas recordações que chamamos, em nossa língua, de saudade.

Dr. Manoel Moreira Camargo fechou os olhos, mas nos deixou a luz de sua visão. "Missão cumprida e comprida" — ele deve ter percebido na hora final. Homem fácil de ser compreendido, porque sabia compreender, ele me fazia sentir o que verdadeiramente eu sou: poeta. Sim, me fazia sentir o que ele era, o que ele foi com a própria vida. Não me despedi dele antes. Não me despeço agora nem depois. O seu sangue corre nas veias dos meus filhos — os seus netos — sangue forte, sangue de determinação.

Agradeço a Deus por ele e agradeço a Deus por mim, por ele ter existido e por eu poder confirmar sua existência. Viemos do mesmo Estado, das mesmas Minas Gerais para esta ilha de Vitória.

O bumerangue regressa às minhas mãos. O céu, onde está o Dr. Camargo, de novo volta a ficar próximo, pegado terra. Estou, entre céu e terra, curvada sob a sua saudade.

 

Fonte: ESCRITOS DE VITÓRIA — Personalidades de Vitória – Volume 15 – Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES, 1996.
Prefeito Municipal - Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar
Sub-secretário Municipal de Cultura e Turismo - Sidnei Louback Rohr
Diretor do Departamento de Cultura - Rogério Borges de Oliveira
Diretora do Departamento de Turismo - Rosemay Bebber Grigatto
Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici
Chefe da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim - Lígia Maria Mello Nagato
Bibliotecárias - Elizete Terezinha Caser Rocha e Lourdes Badke Ferreira
Conselho Editorial - Álvaro José Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Revisão - Reinaldo Santos Neves e Miguel Marvilla
Capa - Vitória Propaganda
Editoração Eletrônica - Edson Maltez Heringer
Impressão - Gráfica e Encadernadora Sodré
Autor do texto: Wanda Camargo
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2018

Personalidades Capixabas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Doutor Lucilo, o Rei da Praia do Suá

Entre os anos cinqüenta e sessenta, duvido que existisse alguém em Vitória que vivesse a vida mais intensamente do que ele

Ver Artigo
Campus Alaor de Queiroz Araujo - Por Aldo José Barroca

Na década de 1930, estudantes capixabas já frequentavam cursos superiores em Vitória, até que, em 5 de maio de 1954, o governador Jones dos Santos Neves criou a Universidade do Espírito Santo, unindo os cursos dispersos

Ver Artigo
Entrevista de Adelpho Poli Monjardim, um grande capixaba

Adelpho Poli Monjardim foi um atleta vigoroso, praticou remo, natação, water polo, boxe, levantamento de peso e futebol

Ver Artigo
Saíram assim - Por Fernando Achiamé

Eram jovens quase todos os integrantes da turma que cursaria História de março de 1971 a dezembro de 1973

Ver Artigo
A Sala Centro de Artes da UFES - Por Gracinha Neves

Quinze homens da entidade, viabilizaram a chegada do piano de cauda da Escola Villa Lobos para a Sala Centro de Artes

Ver Artigo