Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rumo ao Forno Grande

Parque de Forno Grande - Foto: Messias de Barros

Com protetor solar, algumas frutas, barra de cereal, sanduíches e água na mochila, vá rumo ao Parque Estadual de Forno Grande, em Castelo, seguindo pela BR 206, no limite entre os municípios de Domingos Marins e Venda Nova do Imigrante, entrando à esquerda, seguindo pela estrada da terra do tomate, são 25 quilômetros até oo local.

Os primeiros 9 quilômetros são asfaltados, mas depois da Igreja Nossa Senhora do Bom Parto, em Alto Caxixe, começa a aventura, pois o percurso é de terra batida, ou melhor, de terra esburacada pela ação das chuvas. O desconforto sobre quatro rodas é recompensado pela paisagem, que margeia a estrada assim que se chega ao patrimônio natural.

De câmera na mão, não há como resistir e não clicar as belezas dos paredões, da Pedra Azul, que ficaram para trás, e das montanhas de Mata Atlântica. Por entre sítios e fazendas, está incrustado o parque, que preserva a fauna e flora local. Tem relevo montanhoso, que varia de 1.200 a 2.039 metros, culminando no Pico de Forno Grande, que recebeu esse nome devido à semelhança com um forno de assar pães.

Chegando ao portal do parque, um funcionário educadamente recepciona os visitantes. Voltando o olhar para trás, podemos contemplar, como um quadro ao longe, a majestosa Pedra Azul, impossível não registrar o cenário com uma máquina fotográfica. A visão é espetacular!

O local, que é mantido pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), possui um ponto de apoio ao visitante com auditório, coleções de fauna e flora, sanitários, água potável, sistemas de trilhas e mapas para pesquisadores.

Vai fazer o passeio completo pelas trilhas? Então, abuse do protetor solar e coloque roupa de banho, pois no caminho você encontrará os poços amarelos, que ficam a cerca de 1300 metros de altitude.

São piscinas naturais de água amareladas devido à quantidade de ferro existente na composição. Tempo para o banho. Conquiste o guia e não saia antes dos 30 minutos, pois é hora de relaxar e fazer um lanchinho básico com sanduíches leves, frutas, barras de cereal e água, que ajudam a repor as energias para completar o passeio até o mirante, que fica a 1500 metros de altitude do nível do mar, o que equivale a 1.800 metros de caminhada.

Chegando ao ponto máximo, avista-se a Pedra Azul, o Pico da Bandeira, o Parque de Itabira e a Pedra do Frade e a Freira. O percurso de ida e volta dura em média de 3h30 e 4 horas. Os passeios devem ser agendados pelo telefone (27) 3248-1156 ou pelo site (www.iema.es.gov.br). Os horários de saídas são às 9h e às 13h30. Aventure-se pela estrada, chegue ao parque e aproveite o que a natureza nos deu.

 

Fonte: Messias de Barros – escritor e fotógrafo.
Publicado em A Gazeta (8/04/2009).

Matérias Especiais

As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

As precursoras de uma literatura feita por mulheres no ES

Francisco Aurélio Ribeiro comprova em seu livro, A Literatura do Espírito Santo, que no final do século passado a tônica era machista. As mulheres podiam fazer versos, desde que não os publicassem...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Posfácio do livro Parabéns Pra Você – Por Cariê Lindenberg

Por fim, o que mais me marca em Maria é a sua determinação, força de vontade e grande fibra

Ver Artigo
Páginas soltas – Por D. Maria Lindenberg

Noventa anos significam uma vida repleta de bons e de maus momentos. De triunfos e de derrotas

Ver Artigo
Depois de Carlos – Por D. Maria Lindenberg

O domingo de 19 de agosto de 1990 deveria ser igual a qualquer outro

Ver Artigo
Em Palácio – D. Maria Lindenberg

Procurei ser amável sem pieguice; elegante, sem os maneirismos da moda; firme sem teimosia

Ver Artigo
O casamento – D. Maria Lindenberg

Sentamos no banco, que rodeava o abacateiro, para apreciar o cair da noite e, pronto, aconteceu: Carlos me deu o maior beijo

Ver Artigo