Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Santificado seja o vosso nome, Benemérito Frei Palácios!

Convento da Penha - Patrimônio Cultural da Humanidade
No convento da Penha, um dos mais belos, dos mais notáveis monumentos de Fé Católica do Brasil, em todos os tempos o de maior veneração do povo espiritosantense, acaba de realizar-se a tradicional festividade em homenagem à Excelsa Padroeira da Diocese do Estado – Nossa Senhora da Penha.

Essa festa, que é, indubitavelmente, a mais concorrida de quantas se realizam no Espírito Santo há quatro séculos aproximadamente, vem sendo celebrada dentro dos dez dias seguintes ao da Ascenção de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Capelinha do antigo mosteiro, em boa hora confiada à direção de monges franciscanos, ainda obedece ao ritual da sua primeira celebração efetuada pelo grande apóstolo Frei Pedro Palácios, a quem devemos essa dádiva maravilhosa (que é o mosteiro da Penha) de que muito se orgulham o nosso Estado e o seu povo, notadamente os filhos da gloriosa Cidade do Espírito Santo.

Como o taumaturgo José de Anchieta, o fundador da Ermida da Penha tem a sua vida ligada a inúmeras lendas singulares, todas rememoradas anualmente, em rútilas consagrações de Amor e de Fé, no decorrer dos atos que se celebram no Santuário do majestoso templo, onde nasceu e cresceu opulentamente a religião católica do Espírito Santo.

Contam os cronistas e oradores sobre a vida do valoroso anacoreta, que vindo ele de além mar, depois de acidentada viagem de longos dias ou meses, embarcado numa das atrevidas, mas sempre beneméritas caravelas lusas, aportou à remansosa enseada de Vila Velha cerca de cinco lustros depois da instalação da Donataria.

Animava-o, reza a História, desejo ardente, irreprimível de auxiliar a quantos servindo a Jesus na difusão (“mistério verde a dentro”) dos sábios ensinamentos do Evangelho – “trabalhando e morrendo” – fincaram em terra de Santa Cruz o Marco Sagrado da Civilização Cristã.

Há quem afirme, baseado sem dúvida em elementos colhidos na torre doTombo, em Portugal, que o santo Frei Pedro Palácios, possuído de inexplicável e irresistível força de atração, sem conhecer previamente o roteiro de sua árdua e arriscada peregrinação, fez-se ao mar rumo às terras reveladas por Cabral.

Em meio à longa viagem, o santo arrábido, absorto em orações e preces efusivas diante do painel de Nossa Senhora da Penha de Paris – provavelmente uma das grandes obras de Arte atribuídas ao gênio de Rafael Sanzio – surpreendeu-se em dado momento com o toque a reboque do nauta que tomara a responsabilidade o comando do navio.

E logo depois a frágil embarcação mergulha em espesso nevoeiro, o vento raivoso faz crescer assustadoramente as vagas. Desencandea-se a tempestade. Vagalhões impetuosos, violentos quebram-se no costado da nau, já desarvorada e quase a desconjuntar-se aos fortes abalos, aos tremendos solavancos.

Na iminência de um naufrágio, o virtuoso servo de Maria Santíssima deixa o seu camarote em socorro aos que, em gritos alucinantes, presos de terror pânico ante o pavoroso espetáculo de um vendaval, subiam as escotilhas para pedir graças ao Deus Todo Poderoso. E quando aguardavam ajoelhados, a sentença da sorte, eis que Palácios, impávido, sereno e forte, assoma ao convés e ali entre os seus desesperados companheiros de viagem, ergue os olhos para o alto e balbucia humildemente uma fervorosa prece à Rainha do Céu, finda a qual atira sobre as ondas encapeladas o seu manto.

Assim, pela força de sua fé, de sua devoção, conseguiu o guapo sacerdote aplacar a cólera de Netuno e, conjurando o desastre iminente, restabelecer a paz nos corações de quantos, entre lágrimas e soluços, aos seus pés se reverenciavam, beijando-lhe carinhosamente as mãos.

Volta o piedoso Frei Palácios ao seu genuflexório e todos os passageiros, refeitos dos grandes sobressaltos, beneficiados pelo milagre da salvação de suas vidas, tributam-lhe respeitosas homenagens entre preces e agradecimentos a Bondade infinita de Deus.

E então, serenados os ânimos, o navio perdido na imensidão dos mares, velas rizadas, prossegue a sua viagem em rumo desconhecido, escrevendo sobre o verde glauco das águas o roteiro desejado pelo Santo Mensageiro de Maria Santíssima.

Frei Palácios, nas suas discretas manifestações à intrépida tripulação (constituída de verdadeiros fenícios na habilidade e na bravura) da caravela, já então resguardada da catástrofe, revela confiança absoluta no sucesso feliz dos seus desinios, fossem quais fossem os perigos, os sacrifícios a enfrentar.

E sabia com firme certeza de que não muito distante estava o dia em que os seus olhos, maravilhados, sob as benções cariciosas do Cruzeiro do Sul, alcançariam a Terra predestinada!

O virtuoso filho da Península Ibérica trazia das plagas lusitanas uma missão muito elevada (que se atribuía Divina), tão humanitária quanto perigosa, que era então a propagação das doutrinas cristãs nas selvas do novo Continente abençoado por Deus.

O milagre operado em alto mar sobre ondas furibundas exaltou as suas grandes virtudes, a serenidade do seu espírito, o seu devotamento à causa santa, tornou-o digno do respeito, do carinho e da veneração de quantos o acompanhavam na atribulada viagem. E por isso, o levita da paz e da caridade passou a ser tratado a bordo como um santo.

A sua crença em Deus não lhe permitia o menor desânimo no exercício do seu apostolado.

Jamais tergiversou, nem mesmo quando as rajadas enfurecidas e arrasadoras ameaçavam transformar o mar em leito fúnebre do seu corpo, em sarcófago impenetrável das relíquias de sua profunda Devoção.

A grandiosa singradura da arca sagrada em que o valoroso mensageiro de Maria Santíssima se transportou ao Novo Mundo, ficou mareada na História como um dos fatos que constituem verdadeira lição de Fé, Abnegação, Altruísmo e Perseverança, com a qual muito se exalta a alma católica do povo desse abençoado Espírito Santo. 

 

Fonte: Jornal A Tribuna
Autor: Miguel Manoel de Aguiar
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março /2012

 

 

Links Relacionados:

O Místico e o Convento da Penha

História da Festa da Penha

Religiosos do ES

Carta de doação da Ilha de Vitória aos jesuítas

Carta de doação da Ilha de Vitória aos jesuítas

Um dos trechos da carta descreve a doação de terras da Ilha de Santo Antônio, de Duarte de Lemos, para o padre Manoel de Paiva, em 1552

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

E o Ururau zarpou...

Com lenços e lágrimas, famílias desesperadas acenaram para os homens da província que foram sequestrados dois dias antes, durante a procissão de Corpus Christ nas ruas da cidade

Ver Artigo
Cronologia do Convento da Penha

Cronologia da história do Convento da Penha

Ver Artigo
A Construção do Convento da Penha (Parte II)

JABOATÃO não especifica o dia do lançamento da pedra fundamental; mas parece que já foi em fins do ano, pois em meados de 1652

Ver Artigo
A Construção do Convento da Penha (Parte I)

No ano imediato de 1651 o Custódio Frei Sebastião do Espírito Santo lançou a pedra fundamental nos alicerces

Ver Artigo
A Construção do Convento da Penha (Parte III)

Em1653, o Convento ainda não acabado recebeu de D. João IV uma ordinária do Rei

Ver Artigo