Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Suspensão do AI-5 – Por Eurico Rezende

AI-5 Ato Constitucional

Em defesa de minhas posições liberais, jamais renegadas, ao contrário, sempre reafirmadas, invoco e comprovo aqui uma ocorrência, para muitos considerada histórica.

Eu era vice-líder do Governo, em 1975. Governava o País o Presidente Ernesto Geisel — um estadista que o Brasil ofereceu à América.

Minha inquietação em favor da restauração democrática, iniciada desde a elaboração constitucional de 1967, conforme provado, de modo exaustivo, em páginas anteriores, era cada vez mais intensa, pois entendia, como no conceito lapidar de Milton Campos, que "as idéias revolucionárias devem ser permanentes, mas o processo deve ser breve".

Inspirado e estimulado pelo compromisso da distensão gradual e segura, assumido pelo Chefe da Nação e que viria a ser cumprido com a prudência dos homens responsáveis, propus, de público, e com ampla repercussão na imprensa brasileira, que fosse suspensa, pelo menos temporariamente, a vigência do Ato Institucional n° 5.

Assinalo que meu pronunciamento foi recebido com incentivo pelos líderes da Oposição na época, inclusive o Deputado Ulysses Guimarães, presidente do MDB.

Faço transcrever, a respeito do assunto, a afirmação do principal jornal da Capital da República.

"A CORAGEM DE UM VICE-LÍDER"

"Nascida da inteligência de um vice-líder do Governo, não se pode dizer que a proposta do Senador EuricoRezende seja destituída de imaginação. S. Exe sugere que o Presidente da República — que possui poderes para revogar o Ato Institucional nº 5, decrete a suspensão desse instrumento revolucionário pelo prazo de um ano. Nesse período, o País viverá sob o regime da Constituição de 1967, distante do império do Ato 5. A distensão será praticada com parcimônia mas com firmeza e, ao final dos doze meses, o Governo e os políticos se encarregarão de fazer uma aferição dos resultados, ficando novamente o Presidente da República em condições de avaliar da conveniência de ser dado prosseguimento à distensão ou de sua suspensão por inteiro.

As preocupações do vice-líder governista têm duas origens. A primeira delas é quanto ao tempo, pois considera que pouco se fez de concreto nos 16 primeiros meses deste Governo em matéria de avanço democrático.

Não nega o desejo manifesto do Presidente, mas os resultados são escassos. E, dos cinco anos de mandato, ao Presidente somente restam três e pouco, não havendo assim tempo a perder nessa tarefa que considera imensa e urgente."

E arremata o jornal:

"O Senador Eurico Rezende é um dos poucos que se expressam com essa desenvoltura, mas na verdade a quase totalidade do partido pensa do mesmo modo quanto ao destino das instituições democráticas. Não há arenista suspirando pela volta ao passado, mas raros são os que ainda julgam o País despreparado para a democracia." (Correio Braziliense — Brasília, DF, edição de 22-7-75.)

 

Fonte: Memórias – Eurico Rezende– Senado Federal, 1988
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2018

Personalidades Capixabas

Uma festa para Hermógenes – Por Berredo de Menezes

Uma festa para Hermógenes – Por Berredo de Menezes

Hermógenes recebe merecidamente, o galardão de presidente de honra da Comissão Espírito-santense de Folclore

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Sobre armas e milk shake – Por Antônio Carlos Neves

As doze horas e quarenta minutos do dia primeiro de abril de 1964, neste momento a Fafi foi invadida

Ver Artigo
O brilho da metade do céu – Movimento Feminista

As feministas iniciaram sua organização no estado, mais precisamente em Vitória, nos anos 80

Ver Artigo
Prestando Contas – Por Eurico Rezende

Hoje, neste mês vestibular de 1988 coloco-me na longa esteira de recordações do trabalho inovador que desenvolvi no preparo da Constituição em vigor

Ver Artigo
Diretas já! – Por Dionary Sarmento Régis

No comício de Camburi: falei com emoção, me apresentei como comunista, pedi eleições diretas e legalidade para o PCB

Ver Artigo
Movimento Cineclubista – Por Antônio Claudino de Jesus

O "mosquitinho" circulara na véspera no almoço do RU e despertou minha atenção naquele triste ano de 1973

Ver Artigo