Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vestígios de cemitério antigo em convento

Monumento dos Franciscanos construído pela prefeitura de Vitória em 1924. Embaixo deste monumento estão os ossos

Escavações arqueológicas descobriram no Convento de São Francisco, no Centro de Vitória, uma montanha de 1,5 metros de ossos, guardados há décadas. O material também foi encontrado na parede de uma capela. Historiadores acreditam que entre eles possam estar os restos mortais de frei Pedro Palácios, transferidos do Convento da Penha há 403 anos.

Documentos e relatos históricos comprovam que era comum, na época, enterrar os ossos na parede da capela. “Pessoas ilustres eram enterradas, o mais próximo do altar, como se fosse o mais próximo de Deus”, explica Diovani Favoreto, diretora e proprietária da Empório Capixaba, empresa responsável pela pesquisa.

 

Cemitérios

 

O ossário descoberto em outra área do convento foi construído nos anos de 1920. Nele foram reunidos restos mortais de três cemitérios que ficavam no terreno da igreja. Um deles era o das paredes, incluindo as do convento que foram desmanchadas, e que era destinada aos famosos.

Havia ainda o cemitério dos fiéis mais próximos da igreja, e o terceiro, público, que funcionou de 1856 até 1924, quando o convento deu lugar ao orfanato Cristo Rei.

Agora os historiadores vão investigar e tentar identificar a época em que essas pessoas morreram e a qual comunidade deviam pertencer.

“Vamos elaborar estratégias de como investigar melhor esses ossos. Separá-los por época, talvez descobrir a idade dos ossos, se tinha alguma doença (como artrose), até se eram pobres, escravos ou da elite. Para, depois, recondicionar todos de volta para o ossário, que hoje está cheio de infiltrações e é muito úmido, precisando de melhorias”, explica o arqueólogo Henrique Antonio Valadares Costa.

 

Descoberta

 

Os ossos estavam abaixo da entrada da câmara, localizada embaixo do monumento aos franciscanos, feito pela Prefeitura de Vitória em 1924. Entre a ossada ainda foi encontrada uma urna, que seria de uma senhora rica do século XIX, moradora de Nova Almeida, Serra.

O ossário é pequeno, com cerca de 3 metros de profundidade, em área de quatro metros de largura.

 

Mudanças ao longo dos séculos

 

Fundação

O Convento de São Francisco, no Centro de Vitória, foi fundado em 1591, já como convento. Era o segundo do país. Até então, só tinha o de Olinda, em Pernambuco.

 

Inovação

O prédio ainda foi o primeiro a receber água encanada (aqueduto), em Vitória. A água ia de Fonte Grande até a cozinha do convento.

 

Guardião

O último guardião franciscano viveu até 1855, data que coincide com o período de epidemia e muitas mortes em Vitória, por conta de doenças como febre amarela e cólera. O prédio ficou abandonado.

 

Retomada

Em 1924, o convento volta a ser ocupado, agora pelo orfanato Cristo Rei, erguido pelo padre francês Leandro. Foi ele quem mudou o espaço físico do convento e acabou derrubando as paredes onde estavam enterrados pessoas importantes da época, como o Frei Pedro Palácios e, talvez, Vasco Fernandes Coutinho Filho.

 

Cemitérios

Outras mudanças, como a construção da rua lateral, alteraram o terreno do antigo convento, descobrindo mais dois cemitérios: o usado pela prefeitura, em meados do século XIX, para enterrar as vítimas das epidemias; e um outro, usado pela igreja, para enterrar alguns de seus fiéis mais próximos.

 

Fonte: A Gazeta de 1 de abril de 2012
Por: Maurílio Mendonça
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2012 



GALERIA:

📷
📷


Igrejas

Sesmarias em geral

Sesmarias em geral

As leis estabeleciam que os pretendentes as solicitassem, por petição, indicando precisamente: lugar onde residiam, situação geográfica do provedor da Fazenda Real, da Câmara do município onde se encontravam as terras requeridas, e do Provedor da Coroa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ação da Igreja na época Colonial – Por João Eurípedes Franklin Leal

Em Vila Velha, Afonso Brás cuidou de levantar uma igreja dedicada a de N. S. do Rosário, 1551

Ver Artigo
Ano de 1551 – Por Basílio Daemon

Em março de 1551, tendo chegado o Pe. Afonso Brás e um irmão de nome José de Paiva, deram começo à capela, consagrando-a a Nossa Senhora do Rosário   

Ver Artigo
Ano de 1859 – Por Basílio Daemon

É criada no distrito do Aldeamento Imperial Afonsino (no Rio Pardo) uma freguesia com o título de São Pedro de Alcântara, tendo sido a igreja erigida alguns quilômetros do lugar já denominado   

Ver Artigo
Ano de 1857 – Por Basílio Daemon

Foi permitida às Ordens Terceiras de São Francisco e de Nossa Senhora do Monte do Carmo e Irmandades da Capela de Nossa Senhora do Rosário, a permissão do enterramento em seus jazigos  

Ver Artigo
Ano de 1855 – Por Basílio Daemon

É um templo bem acabado, construído sobre sólidas bases, e zelo verdadeiramente evangélico do capuchinho frei Paulo Antônio de Casas Novas, então vigário da dita freguesia 

Ver Artigo