Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Academia Espírito-santense de Letras. 100 Anos de história literária 1921 – 2021

Katia Bobbio é escritora de literatura de cordel capixaba, além de pintora, poetisa, declamadora e bacharel em Direito

Para se fazer cordel

Tem que ter beleza, encanto,

E relatar a história

Sem mesmo nenhum espanto

Vou falar na Academia

De Letras do Espírito Santo.

 

A Academia de Letras

É uma instituição,

Totalmente literária

Que segue uma tradição,

Reúne vários autores

E poetas da região.

 

A primeira Academia

De que nós temos noção,

Fundada na Grécia Antiga

Pelo filósofo Platão,

Nos jardim de AKADEMUS

Cujo nome é desde então.

 

Foi a partir dessa ideia

Que começou a surgir,

Várias instituições

Literárias para unir,

E outras agremiações

Vieram contribuir.

 

Em quinhentos e setenta (1570)

Na cidade de Paris,

Reinado de Carlos IX

Fundou-se naquele país,

A primeira Academia

Onde ali fincou raiz.

 

Logo após foi a Itália

Com duas Academias,

No século XVI

Com várias parcerias,

E foram surgindo outras

Para expandir as poesias.

 

Academia das Inscrições

E Belas Letras, na França,

Academia Real

Em Londres, com segurança,

E a Arcádia Romana

Que em Portugal teve herança.

 

A primeira Academia

Que apareceu no Brasil,

Foi no Estado da Bahia

Na terra do Pau Brasil,

Depois, Rio de Janeiro

Na capital varonil.

 

A Academia Brasileira

De Letras, desta nação,

Possui grandiosidade

Para a federação,

Pois é de suma importância

Para a nossa tradição.

 

Aos poucos foram surgindo

Academias locais,

Algumas se mantêm vivas

Outras não existem mais,

Para a divulgação

Das letras nacionais.

 

Mas vamos falar agora

Num momento especial,

Na Espírito-Santense

Que se tornou imortal,

Agora ela é centenária

Deste Estado é a principal.

 

Dia 04 de setembro

Quando ela foi fundada,

Dezenove, vinte um (1921)

É que ela foi registrada,

No ano de trinta e sete (1937)

Foi toda reorganizada.

 

É associação civil

Literária, cultural,

E não tem fins lucrativos

Esse é o diferencial,

E tem por finalidade

A divulgação local.

 

Cultivar a nossa língua

E as belas artes, também,

Com espírito fraterno

Para irmos muito além,

A Academia de Letras

Faz isso como ninguém.

 

Sua sede é a antiga casa

De um famoso professor,

Kosciusko B. Leão

Também foi grande escritor,

Fica na cidade alta

Fiquem sabendo leitor.

 

A Academia de Letras

Tem várias finalidades,

Incentivar a leitura

Nos campos e nas cidades,

Criar associações

Da cultura e humanidades.

 

Tem que ter biblioteca

Também o seu próprio arquivo,

Tem que fazer intercâmbio

Para dar mais incentivo,

Participar de projetos

Alcançando objetivos.

 

Fazer sempre reuniões

Divulgar bem a cultura,

Também promover concursos

Na área de literatura,

Mantendo viva a memória

Isso é uma grande ventura.

 

Lançar obra dos patronos

E dos membros falecidos,

Editar publicações

Dos famosos, esquecidos,

Publicar os periódicos

De todos os envolvidos.

 

Visar a integração

E a cultura das nações,

As de língua portuguesa

Em suas variações

Realizando pesquisas

E novas publicações.

 

Ultimamente a entidade

Realiza parcerias

Pesquisando obras, autores

Com total sabedoria

Temas de literatura

E coisas do dia a dia.

 

As parcerias são com:

Sindicato dos Artistas,

CESV e Lei Rubem Braga

E conseguindo conquistas

A SECULT e o SINCADES

Professores, jornalistas.

 

A Academia de Letras

Famosa instituição,

Com seus membros efetivos

Tem uma grande expressão,

Em concursos literários

Faz a coordenação.

 

Organiza antologias

E tem participação,

Em congressos nacionais

Recebeu premiação,

Faz palestras em escolas

Valoriza a educação.

 

Hoje lá se vão cem anos

Tem a nossa Academia,

Demonstrando integridade

Para aquele que aprecia,

Reconhece o seu lugar

Levando a sua poesia.

 

A Academia de Letras

É de suma importância,

Para a sociedade

Que vive na circunstância,

Como órgão cultural

É de muita relevância.

 

Hoje também já existem

Várias Academias,

De Médicos, Militares

Com as suas teorias,

Advogados, Maçons

Em várias categorias.

 

A Academia de Letras

Sei que tem várias funções,

Sempre dá assessoria

A outras instituições,

Valorizando a memória

De várias regiões.

 

A Academia de Letras

Aqui do Espírito Santo,

Já priorizou os homens

Não é mais assim, portanto,

Ela passou a ser mista

Com mulheres de encanto.

 

A história da Academia

Rima com seriedade,

E a leitura é o caminho

Em busca da liberdade,

Ética é fundamental

Sua busca é a verdade.

 

Viva nossa Academia

E o seu trabalho imortal,

Viva também os cem anos

De trabalho social,

E Viva a literatura

Capixaba e nacional.

 

Fonte: Fonte: Revista da Academia Espírito-santense de Letras / 100 anos – Vol 26. (2021) - Vitória
Autor: Kátia Bobbio - Escritora. Cordelista
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2022

Literatura e Crônicas

Com o pé no futuro - Por Nilo Martins

Com o pé no futuro - Por Nilo Martins

Vitória, na década de 50, era muito provinciana. Jantava-se cedo, conversava-se nas portas e janelas das casas, que não sofriam a concorrência das novelas de televisão

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

PARA A CIDADE E PARA O MUNDO - Por Fernando Achiamé

Mas o eterno mercado da Vila Rubim acabou: o edifício cheio de colunas construído nos anos 20 e derrubado nos 70

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Lançamento da Biografia de Dona Domingas na Basílica de Santo Antônio

No mês de junho será lançado a biografia de dona Domingas na Basílica de Santo Antônio. Em breve estaremos divulgando o dia do evento

Ver Artigo
Vitória de muitas Pontes – Por Anilton Candido Trancoso

Perto desta ilha, de príncipe e mercado tem uma ponte, que por entre a exuberância de suas ferragens guarda segredos

Ver Artigo
Machado - O Cético Aparente - Por Nelson Abel de Almeida

E mestre Machado de Assis, para muitos, o cético, o pessimista, o homem, que se aponta como azedo e amargurado 

Ver Artigo