Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

American Bar Michel - Sérgio Figueira Sarkis

Equipe de futebol de praia do American Bar Michel, na vitória de 1 a 0 sobre o Bobs em 1959

No final de 1958, inauguramos o Bar Michel, localizado na Avenida Saturnino de Brito, em uma loja do Edifício Moema, de frente para o mar da Praia Comprida. Foi o maior sucesso naquela época. Além de trazer novidades gastronômicas, era considerado por todos como o de melhor música da cidade.

E não era para menos! Estava começando a Bossa Nova e tínhamos fontes, na cidade do Rio de Janeiro, que nos enviavam todas as novidades musicais, ora em discos de 78 RPM (rotações por minuto), ora em compactos duplos.

Isto acontecia através de minha prima Maysa, já despontando como uma cantora de sucesso, e Carlos Lindenberg Filho, o Cariê. Este, apaixonado por música, estudando no Rio, mantinha contato permanente com os criadores da Bossa Nova: João Gilberto, Roberto Menescal, Tom Jobim e outros.

Era comum patrocinarmos jogos de futebol, na areia da praia em frente ao Michel. Por vários anos seguidos, fomos patronos da modalidade nos Jogos Praianos, promovidos pelo Praia Tênis Clube. Vale registrar que, por duas vezes seguidas, fomos vencedores de partidas entre o Michel e o Bob's, na quadra preparada para tanto, inclusive com iluminação noturna, tudo por nossa conta e risco.

Toda a sociedade de Vitória frequentava o bar, principalmente após as últimas sessões do Cine São Luiz, localizado na Rua 13 de Maio, no Parque Moscoso. Entre esses frequentadores, havia um cidadão muito conhecido. E todas as vezes que aparecia, pedia Ice Cream Soda, orientando com detalhes a maneira como deveria ser preparado o mesmo:

— Coloque duas bolas de sorvete de creme no fundo do copo duplo, acrescentado um pouco de xarope de caramelo, mexendo bem até dissolver o sorvete. Abra uma soda limonada e, balançado a garrafa para aumentar a pressão, despeje no copo, até à beirada. Coloque uma bola de sorvete de creme flutuante, despeje na lateral do copo, bem devagar, um pouco de xarope de caramelo e sirva.

Tudo era feito religiosamente conforme a receita. Mas, ao provar, sempre tinha algo a reclamar. Mandava o Ice Cream de volta para copa e, só após idas e vindas, era aceito com elogios. Isto ocorria sempre que aquele cliente pedia a bebida.

Algum tempo depois, fui obrigado a dispensar um copeiro por indisciplina. Logo que ele foi embora, o garçom chamou-me discretamente e disse-me estar muito feliz com a demissão do fulano. Ele já não sabia mais o que fazer quando ocorria o fato do Ice Cream Soda. O copeiro, após as voltas para o preparo, urinava no copo e o cliente adorava a bebida, não reclamou mais.

Vai gostar de xixi assim na casa do...!

 

Fonte: No tempo do Hidrolitol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Ação Policial – Por Pedro Maia

Ação Policial – Por Pedro Maia

Carmelo e Vitorina eram recém-casados e se extasiaram quando viram Vitória pela primeira vez

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

PARA A CIDADE E PARA O MUNDO - Por Fernando Achiamé

Mas o eterno mercado da Vila Rubim acabou: o edifício cheio de colunas construído nos anos 20 e derrubado nos 70

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Lançamento da Biografia de Dona Domingas na Basílica de Santo Antônio

No mês de junho será lançado a biografia de dona Domingas na Basílica de Santo Antônio. Em breve estaremos divulgando o dia do evento

Ver Artigo
Vitória de muitas Pontes – Por Anilton Candido Trancoso

Perto desta ilha, de príncipe e mercado tem uma ponte, que por entre a exuberância de suas ferragens guarda segredos

Ver Artigo
Machado - O Cético Aparente - Por Nelson Abel de Almeida

E mestre Machado de Assis, para muitos, o cético, o pessimista, o homem, que se aponta como azedo e amargurado 

Ver Artigo