Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Ruínas do Convento

Subindo os degraus do convento, logo após o patamar do Museu e da Sala dos Milagres, um portão no muro mostra uma surpreendente paisagem: Vila Velha na altura da Praia da Costa, a vegetação atlântica, a subida da ponte que liga o município a Vitória e logo ali, aos pés do visitante, uma área gramada com ruínas.

Uma surpresa que intriga. Poderiam ser ruínas de uma antiga ermida. Mas os pilares de pedra que restam, sustentaram a casa dos escravos do Convento.

Entrando nessa área reservada - o que é privilégio apenas dos padres que moram ali - o passado parece aflorar com facilidade. As singelas flores amarelas que brotam próximo às ruínas dão mais encanto ao lugar. A casa dos franciscanos qproveitou parte da estrutura remanescente que fica mais ao lado, onde um antigo tanque de pedra lembra a pia batismal que está em exposição no museu.

Olhando as ruínas e fechando os olhos, é como se a visita acontecesse nos séculos XVI, XVII.

Fonte: Nossa Senhora da Penha - Padroeira do Espírito Santo, 2005.
Autora: Sandra Medeiros

Convento da Penha

O milagre do sino

O milagre do sino

Velho e trêmulo e cansado, Frei Pedro Palácios, o humilde franciscano que, ao serviço de Deus, viveu sempre a lidar naquele dia, fatigado, saiu a passear...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo
Visão dos Holandeses (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

De além se divisava a linda capelinha, /Erguida sobre a rocha. Esplêndida moldura /O céu azul turquesa... Excêntrica, a estrutura /Do monte-matagal a florescer... Na linha

Ver Artigo
Radiosa - Por Orminda Escobar Gomes

Vitória, és joia rara! /Realças entre as demais! /Teus campos e tuas praias, /Tão lindas, não têm rivais!

Ver Artigo
Cerração (Poesia) - Convento da Penha

Um dia esplendoroso. O sol quente, escaldante / Suave azul do céu. O esmeraldino mar / Oscula, brandamente, a praia. Singular / Beleza e alacridade em torno... Mas, distante...

Ver Artigo
Terremoto em Vitória e em Vila Velha (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

Agosto. Quase findo, o seu primeiro dia. / Dezoito século... Sim!... Sessenta e sete ou nove?! / Das lides descansando, a gente adormecia...

Ver Artigo