Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Cantigas de Roda

Livro Praça oito de Eugênio Sette, 2001

O bairro estava sossegado e a noite era calma e bela. Na ruinha mais estreita do que larga, começaram a aparecer crianças de idade variada. Conversam, brincam. Depois, dão-se as mãos e formam a roda. Vozes muitas se elevam nos ares calmos do bairro sossegado. Eram cantigas que atravessaram os tempos, velhas, mas sempre novas cantigas.

Ciranda, cirandinha

Vamos todos cirandar.

Vamos dar a meia volta,

Volta e meia vamos dar.

Cantaram, depois,

O anel que tu me deste

Era de vidro e se quebrou,

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou.

E veio Dona Maria, a quem pediram

Entre dentro desta roda

Diga um verso bem bonito

Diga adeus e vá-se embora.

E Maria Anita? Era a de olhos pretos que nem carvão. Alguém, nessa cantiguinha, fumava cachimbo e babava. Havia panela com feitiço e um bruto espirro.

O cravo estava doente,

 A rosa foi visitar.

O cravo teve um desmaio,

A rosa pôs-se a chorar.

Pequenas histórias em pequenas cantigas. Ainda há, para nosso bem, a criança, corpo e alma do folclore, cantando cantigas de todos os tempos. Neste mundo obscurecido, resta sempre um pouco de poesia capaz de suavizar as nossas horas de desespero e angústia. Mas, nessas cantiguinhas, nem tudo é sempre doçura, satisfação, leveza, porque há a miséria da pobre peregrina "que anda de porta em porta, / com sua perna torta / pedindo a caridade".

Minha mãe gostava de me cantar aos ouvidos o "Chô Pavão!" E, dentro da noite, eu tinha a impressão de que havia mesmo um pavão dormitando sobre o telhado de minha casa. Longes tempos, esses.

Cantigas outras e muitas tenho, eu ouvido, mas sem a graça, a ingenuidade das de roda. Comigo ficou, para sempre, a saudade imensa de uns olhos negros que nem carvão — os de Maria Anita... Na memória auditiva, permaneceu a musiquinha que um dia, eu ouvi num bairro calmo, cantada por vozes de meninas que se deram as mãos e formaram a roda...

 

Fonte: Praça Oito, ano 2001
Autor: Eugênio Sette
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro 2014

Curiosidades

Curiosidades Espírito-santenses - Por Eurípides Queiroz do Valle - I

Curiosidades Espírito-santenses - Por Eurípides Queiroz do Valle - I

Uma ampla estrada completa o circuito da ilha, ligando entre si, os arrabaldes extremos de Maruipe e Santo Antônio, numa extensão aproximada de 14 quilômetros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praias - As 10 mais frequentadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Iriri. Deriva de reri ou riri, ostras, mariscos que se encontra em toda costa espírito-santense. Irirí vem a ser portanto local onde há abundância de ostras

Ver Artigo
O Liceu: uma fábrica que virou escola - Por Gabriel Bittencourt

Assim nasceu o Liceu, no prédio da fábrica de papéis, na rua Moreira nº 170, depois do desmonte e alienação do maquinário daquele empreendimento industrial

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
Lembranças, Presentes e Souvenires do ES - Os 10 mais curiosos (1971)

Biscoitos Alcobaça.  São produtos da Fábrica Alcobaça, de propriedade da firma “Rami­ro S.A. Indústria e Comércio”, instalada no Município de Espírito Santo (Vila Velha), com depósitos em Vitória

Ver Artigo
Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo