Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Praias - As 10 mais frequentadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Iriri - Praia da Areia Preta. Ao fundo o Monte Aghá

1) Camburi. Tem sua origem no elemento camurim ou camorim. Expressão com que os indígenas designavam um peixe de excelente qualidade, abundante na­quela praia, nos arredores da cidade de Vitória. O peixe hoje é conhecido como roba­lo ou robalete, quando ainda pequeno.

2) Carapebus. Deriva de cará e peba ou acará-peba que significa chato e bu ou mbu escuro, preto. Os velhos pescadores portugueses pluralizaram para carapebus por­que é hoje conhecida. Trata-se de peixe pequeno de cor escura e achatado, abundante no local. É uma praia muito frequentada no verão.

3) Iriri. Deriva de reri ou riri, ostras, mariscos que se encontra em toda costa espírito-santense. Irirí vem a ser portanto local onde há abundância de ostras. Desse elemento derivam vários locativos capixabas, tais como Rerigtiba, Iriritiba, Irici, Iri­rana, Caritiba, Irituba, etc.

4) Marataízes. Origina-se do elemento mará, mar e tahy, canal. Existe ao longo dessa praia, que é extensa, várias lagoas ligadas ao mar e a pequena distância deste, por meio de canais. Daí o nome “canais do mar” ou maratahys que os antigos portu­gueses pluralizaram para marataízes.

5) Guarapari. Como vimos no verbete “Cidades”, item 2, a palavra Guarapari deriva dos elementos guará, garça, pássaro branco, que vive, de preferência, à beira­-mar, nos locais em que os pescadores costumam preparar os seus “currais” ou “cer­cados” para pegar peixes e pari armadilha, “curral”, “cercado”. Guarapari, que foi uma antiga aldeia de pescadores, ainda hoje se serve dessas armadilhas para apanhar pei­xe. Como sabido, o “guará” é ave que se alimenta do peixe pequeno que sobra dessas pescarias.

6) Meaípe. Deriva dos elementos mbia, mia ou mea, povo, e i ou hy, água, rio, e piu ou pé, contração do. Significa água ou rio do povo, ou água de todos, rio comum.

7) Muquiçaba. Tem a sua origem nos elementos mberu ou muru, mosquito e quiçab ou quicia ninho, morada. Esta praia era primitivamente denominada mbe­ruquiçaba ou muru quiçaba, que o povo simplificou para “Muquiçaba”. Muquiçaba significa portanto morada ou ninho de mosquito.

8) Ubu. Praia do Município de Anchieta. Deriva de i ou hy, água e pu ou bu que nasce, que brota. E ainda hoje nome dado a um antigo poço que apesar de estar na praia, muito próximo ao mar, é de água doce e potável.

9) Piratininga. Pequena praia existente nas proximidades da cidade do Espí­rito Santo, antiga Vila Velha, onde se erguem os pavilhões do 3º BC ao pé do morro da Penha e onde se encontra, igualmente, a antiga fortaleza desse nome. Tem a sua origem no elemento pira peixe e ting ou tinga seco. Os primitivos pescadores apro­veitavam aquele recanto para pôr ao sol e secar os peixes que sobravam de suas pes­carias não só para o consumo como para a venda. Piratininga significa, assim, praia de secar peixe ou de peixe seco.

10) Suá. Praia existente no arrabalde desse nome, em Vitória. Significa praia da frente ou praia que se vê primeiro. É realmente a praia que o viajante que chega pelo mar à capital espírito-santense vê em primeiro lugar. Fica na entrada do canal de acesso ao porto.

Fontes para estudos: “Estudos Tupinológicos do Des. José Fortunato Ribeiro, em “Boletim do Rotary Clube de Vitória (Centro). Coleção dos anos de 1968-1969. “O Tupi na Geografia Nacional” de Teodoro Sampaio. Salvador. Bahia, 1920. “Onomásti­ca Geral da Geografia Brasileira”, de Bernardino José de Souza, Rio. 1925 “Catecismo de Linguagem Brasileira” do Padre Antonio de Araújo. Ed. Universidade Católica. Rio. 1952. “Pequeno Dicionário Tupi-Português” de Belizário Nogueira Ed. São José. Rio. 1967. “Gramática Tupi”, de Adauto Fernandes. Ed. Coelho Branco. Rio. 1960.

 

Academia Espírito-Santense de Letras

Ester Abreu Vieira de Oliveira (Presidente)

João Gualberto Vasconcellos (1° Vice-Presidente)

Álvaro José Silva (1° Secretário)

Marcos Tavares (1° Tesoureiro)

Secretaria Municipal de Cultura - Prefeitura de Vitória

Lorenzo Pazolini (Prefeito Municipal)

Estéfane da Silva Franca Ferreira (Vice-Prefeita)

Luciano Pícoli Gagno (Secretário Municipal de Cultura)

Elizete Terezinha Caser Rocha (Coordenadora da Biblioteca Municipal Adelpho Poli Monjardim)

Conselho Editorial

Adilson Vilaça

Álvaro José Silva

Ester Abreu Vieira de Oliveira

Elizete Terezinha Caser Rocha

Fernando Achiamé

Francisco Aurelio Ribeiro

Getúlio Marcos Pereira Neves

Organização e Revisão

Francisco Aurelio Ribeiro

Capa e Editoração

Douglas Ramalho

Impressão

Gráfica Espírito Santo

Imagens

Arquivos Pessoais

 

Fonte: O Estado do Espírito Santo e os Espírito-santenses - Dados, Fatos e Curiosidades (os 10 mais...) - 4° Edição (Reedição da 3ª ed. de 1971)
Autor: Eurípedes Queiroz do Valle
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2023

Curiosidades

Instituto Radiológico de Vitória

Instituto Radiológico de Vitória

Vitória ressentia-se da falta de uma aparelhagem particular e moderna de Raio X, que atendesse às exigências do diagnóstico clínico

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praias - As 10 mais frequentadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Iriri. Deriva de reri ou riri, ostras, mariscos que se encontra em toda costa espírito-santense. Irirí vem a ser portanto local onde há abundância de ostras

Ver Artigo
O Liceu: uma fábrica que virou escola - Por Gabriel Bittencourt

Assim nasceu o Liceu, no prédio da fábrica de papéis, na rua Moreira nº 170, depois do desmonte e alienação do maquinário daquele empreendimento industrial

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
Lembranças, Presentes e Souvenires do ES - Os 10 mais curiosos (1971)

Biscoitos Alcobaça.  São produtos da Fábrica Alcobaça, de propriedade da firma “Rami­ro S.A. Indústria e Comércio”, instalada no Município de Espírito Santo (Vila Velha), com depósitos em Vitória

Ver Artigo
Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo