Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Cobrança de pedágio na Ponte da Barra do Jucu

Ponte sobre o Rio Jucu, na Barra do Jucu - Vila Velha, ES

Quando Saint-Hilaire esteve no Espírito Santo, ao chegar em Vila Velha, em 1818, observou que a ponte de madeira construída sobre o Rio Jucu, tinha uma “porta” que só era aberta para passagem de pedestres e de mercadorias mediante o pagamento de uma taxa.

Como se vê, a cobrança de pedágio aos usuários para utilização de pontes, em Vila Velha, não é fato novo. Não surgiu, como se pensa, com a atual Terceira Ponte. A cobrança de pedágio aos usuários da ponte sobre o Rio Jucu foi mais tarde restabecida por Otávio Alves de Araújo, prefeito do município nos anos de 1924 a 1925. Dez anos depois de aqui chegar o renomado Saint-Hilaire, a ponte estava intransitável, conforme consta da Memória Statistica da Província do Espírito Santo, preparada pelo então governador Inácio Acióli de Vasconcelos, onde se lê textualmente: “...sempre tem tido ponte de madeira, mas actualmente está desconcertada”. (Arquivo Público Estadual, Vitória, 1978).

- O Correio da Vitória, de 17/01/1857, p.2, publicou notícia sobre a construção da ponte de Barra do Jucu, por ordem do então governador da Província, José Maurício Fernandes Pereira de Barros, no período de 08/02/1856 a 24/03/1857. A nota não esclarece se se tratava de reconstrução da mesma ponte que o cientista francês vira em 1818, ou se de nova ponte outra parte do rio.

- O mesmo jornal, a 21/03/1857, nº 21, p.2, volta a falar sobre a ponte, informando que o encarregado da sua construção, Firmino de Almeida e Silva, havia sido dispensado da sua construção, circunstância que possibilitava, para alegria de todos, o retorno do referido senhor às aulas que ministrava aos alunos da escola da Barra do Jucu. Devia ser um bom professor, pois sua volta à escola foi elogiada pela imprensa.

 

Fonte: Vila Velha – seu passado e sua gente, 2002
Autor: Dijairo Gonçalves Lima
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012

Curiosidades

Bem vestidos, mas fedorentos!

Bem vestidos, mas fedorentos!

Quando Vasco Coutinho chegou ao ES com sua comitiva, um dos castigos mais temidos era o banho de mar

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Características Naturais do Espírito-Santense - Por Eurípedes Queiroz do Valle

1) A saudação. Trata-se de uma exclamação de cunho amistoso, usada para saudar amigos e conhecidos. É representada por um “Ei!” pronunciado com uma en­tonação especial de voz

Ver Artigo
Histórico dos Tamancos e Uma Guerra - Por Ester Abreu Vieira de Oliveira

Em tempos passados, o povo andava descalço e o tamanco se impôs como meio de proteção na realização de trabalhos agrícolas

Ver Artigo
Marta Wolkartt: Deus no Céu e Dona Marta em Santa Teresa

No distrito de Vinte e Cinco de Julho, Santa Teresa, a alemã Marta Wolkartt fez história no século XIX ao atuar como um 'coronel de saias' 

Ver Artigo
Banho na Maré – Por Edward Athayde D’Alcântara

Hoje, o local seria do outro lado onde está o Shopping da Costa. Brincávamos de “boto e tainha”

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean de Lèry

Dos mais antigos estrangeiros que aportaram à Capitania do Espírito Santo, podermos registrar o clérigo francês reformado Jean de Lèry

Ver Artigo