Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Engenheiros - Os 10 mais antigos

Dr. Antonio Francisco de Athayde - Engenheiro

1) Dr. Henrique Novais. Antigo Prefeito de Vitória. Estudante excelente. Con­quistou, na Escola Politécnica do Rio de Janeiro, onde fez o Curso de Engenharia, o prê­mio “Gomes Jardim”, medalha de ouro, só conferida a aluno distinto. O Espírito Santo, seu Estado natal, lhe deve uma soma incalculável de serviços não só sobre assuntos sua especialidade como sobre saneamento, construções, traçados de estradas e projetos de alto valor e significação para o progresso e desenvolvimento do Estado.

 

2) Dr. Jeronimo Monteiro Filho. Professor catedrático da Escola Politécnica do Rio de Janeiro, hoje Escola Nacional de Engenharia. Político. Foi Senador Federal pelo Espirito Santo. Deixou, entre outros, interessante monografia sobre o seu Estado natal a que denominou “Um pedaço do Brasil dentro do século XX”, editado no Rio de Janeiro em 1929. Nesta monografia fez um estudo interessante sobre as possibili­dades econômicas do Espírito Santo, numa antevisão profética do que está realmente acontecendo em nossos dias.

 

3) Dr. Antonio Francisco de Athayde. Historiador e Geógrafo. Fundou em Vi­tória, cidade de seu nascimento, o Instituto Histórico e Geográfico do Estado de que foi Presidente Honorário. Político. Foi Deputado estadual e Prefeito da vizinha cidade do Espírito Santo, antiga Vila-Velha, dando-lhe o belo traçado que hoje apresenta e que lhe permitiu extraordinário desenvolvimento. Exerceu vários cargos de nomeação e de eleição e diversas Comissões oficiais de caráter científico e cultural.

 

4) Dr. Olintho do Couto Aguirre. Engenheiro Civil. Historiador e defensor in­cansável das tradições históricas e riquezas naturais do Estado. Educado na Inglaterra, era um dos homens mais elegantes de seu tempo. Possuía precioso Museu particular de raridades e preciosidades artísticas e históricas, adquirido depois pelo Governo do Estado para o Museu Oficial. Deixou vários ensaios e estudos sobre o nosso passado notadamente sobre os nossos indígenas. Pertencia ao Instituto Histórico.

 

5) Dr. Florentino Avidos. Foi Presidente do Estado no quatriênio 1924-1928. E depois Senador da República. Realizou um dos mais fecundos governos do Espírito Santo. Devesse-lhe entre outras obras de vulto, a construção das duas maiores pontes do Estado: a que veio ligar a Ilha de Vitória ao continente e a que uniu o Norte ao Sul do Estado, então separados pelo Rio Doce, na cidade de Colatina. Estas duas pontes mar­caram o início do grande surto de progresso e desenvolvimento que agitou o Estado e que permitiu que todo o seu norte fosse desbravado, habitado, trabalhado e passasse a ser uma das mais procuradas zonas rurais pela sua fertilidade extraordinária.

 

6) Dr. Moacyr Monteiro Avidos. Filho do precedente. Foi um dos grandes auxiliares de seu Pai no governo do Estado. Foi Prefeito da Capital e Secretário da Viação e Obras Públicas. Cercou-se de uma equipe de jovens engenheiros realizando uma série de obras que, ainda hoje, atestam a sua eficiência e capacidade de trabalho.

 

7) Dr. Alvaro Sarlo. Engenheiro Civil, arquiteto e construtor. Foi quem ini­ciou, no Estado, a construção dos grandes arranha-céus e de uma série de arrojadas construções que o fazem lembrado ainda hoje. Foi também um grande estudioso da nossa geografia econômica, além de hábil desenhista e matemático.

 

8) Dr. Solon de Castro. Engenheiro Civil e doutor em Ciências Físicas e Ma­temáticas. Cultura polimórfica, foi um dos homens mais ilustres de seu tempo. Era também Bacharel em Direito, com um curso distinto. Como Deputado estadual dei­xou um vigoroso traço de sua passagem pela Assembleia Legislativa, através de pro­jetos e pareceres. Sempre ouvido com respeito pelos amigos e pares deixou inéditos vários ensaios e estudos sobre economia e finanças. Conhecendo bem a sua língua, os seus discursos eram modelos de vernaculidade e bom gosto.

 

9) Dr. Ormando Borges de Aguiar. Engenheiro Civil e de Minas. Foi um dos auxiliares prestimosos de seu irmão, o Presidente Aristeu Aguiar, quando à frente do governo do Estado no quatriênio 1928-1932, que não chegou a concluir, interrompi­do pela Revolução vitoriosa de 1930. Ocupou a Pasta da Viação, Terras e Obras onde planejou e iniciou uma série de medidas para dar ao seu Estado o plano de viação que, ainda hoje, é respeitado em suas linhas gerais, pelo seu alto alcance econômico e pela sua viabilidade. Conhecia, como poucos, os problemas fundamentais da terra capixaba e foi um dos primeiros a antever o valor do turismo como fonte de riqueza e de desenvolvimento.

10) Dr. Ceciliano Abel de Almeida. Foi não só engenheiro como matemáti­co, geógrafo, historiador e escritor. Grande educador. Foi durante anos professor de várias gerações de espírito-santenses que se distinguiram depois como administra­dores, políticos, magistrados e parlamentares. Foi o primeiro Prefeito da cidade de Vitória, em 1908. Integrou a equipe de auxiliares do grande administrador Jeronimo Monteiro. Coube-lhe dotar a velha cidade de Vitória de água, esgotos, calçamento, eletricidade, jardins, edifícios públicos, bibliotecas, etc. Pertencia ao Instituto Histó­rico que presidiu, por mais de uma vez. Deixou notável livro sobre o Desenvolvimen­to do Rio Doce, região que conhecia desde quando dirigiu a construção da Estrada de Ferro Vitória-a-Minas. Faleceu como Presidente da Academia Espírito-santense de Letras, aos 80 anos de idade, na plenitude de sua extraordinária atividade mental.

 

Fonte de Estudos: “História do Espírito Santo”. Maria Estela de Novais. Vitória. 1969. “Biografia de Uma Ilha” (História da Ilha de Vitória). Luiz Derenzi. Rio. 1968. “Pequeno Dicionário Informativo do Estado do Espírito Santo”. Eurípedes Queiróz do Valle. Vitória. 1959. Dicionário Geográfico e Histórico do Estado do Espírito San­to”. Francisco Eugênio de Assis, Vitória, 1941.

 

 

 

Academia Espírito-Santense de Letras

Ester Abreu Vieira de Oliveira (Presidente)

João Gualberto Vasconcellos (1° Vice-Presidente)

Álvaro José Silva (1° Secretário)

Marcos Tavares (1° Tesoureiro)

Secretaria Municipal de Cultura - Prefeitura de Vitória

Lorenzo Pazolini (Prefeito Municipal)

Estéfane da Silva Franca Ferreira (Vice-Prefeita)

Luciano Pícoli Gagno (Secretário Municipal de Cultura)

Elizete Terezinha Caser Rocha (Coordenadora da Biblioteca Municipal Adelpho Poli Monjardim)

Conselho Editorial

Adilson Vilaça

Álvaro José Silva

Ester Abreu Vieira de Oliveira

Elizete Terezinha Caser Rocha

Fernando Achiamé

Francisco Aurelio Ribeiro

Getúlio Marcos Pereira Neves

Organização e Revisão

Francisco Aurelio Ribeiro

Capa e Editoração

Douglas Ramalho

Impressão

Gráfica Espírito Santo

Imagens

Arquivos Pessoais

 

 

Fonte: O Estado do Espírito Santo e os Espírito-santenses - Dados, Fatos e Curiosidades (os 10 mais...) - 4° Edição (Reedição da 3ª ed. de 1971)
Autor: Eurípedes Queiroz do Valle
Compilação: Walter de Aguiar Filho, Maio/2022

Personalidades Capixabas

Clementino De Barcellos

Clementino De Barcellos

Em 14 de novembro de 1914 – aos 23 anos de idade - assumiu por nomeação do Governo Federal o cargo de sinalizador do posto semafórico localizado no Morro do Moreno, em substituição ao seu falecido pai, que naquela época exercia a mesma função

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Desembargadores - Os 10 mais antigos

3) Carlos Teixeira Campos. Natural do Município de Calçado, no Espírito Santo, no então Distrito de Bom Jesus do Norte. Nasceu em 6-3-1908

Ver Artigo
Dr. João Dukla Borges de Aguiar

As manifestações de pesar pelo seu falecimento - O Velório na Câmara Ardente - O Enterro - As Homenagens Oficiais - Outras Notas

Ver Artigo
Biógrafos - Os 10 mais conhecidos

1) Amancio Pinto Pereira. Educador e escritor. Escreveu “Traços Biográficos”

Ver Artigo
Barões Espírito- Santenses - Por Eurípedes Queiroz do Valle

Os 10 mais conhecidos segundo Eurípedes Queiróz do Valle

Ver Artigo
Engenheiros - Os 10 mais antigos

Dr. Antonio Francisco de Athayde. Político. Foi Deputado estadual e Prefeito da vizinha cidade do Espírito Santo, antiga Vila-Velha, dando-lhe o belo traçado que hoje apresenta e que lhe permitiu extraordinário desenvolvimento

Ver Artigo