Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Festa da Penha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Festa da Penha nos tempos do Seu Dedê, anos 40

A festa era esperada com alegria e ansiedade pelo povo canela-verde. Nem mesmo a deficiência de hospedaria na cidade impedia os romeiros de visitar a padroeira. Sempre tinha onde ficar. Uns ficavam na casa de parentes e outros na de amigos ou conhecidos. O crescimento da população neste dia, com a chegada de novos moradores, sempre deixava os canelas-verdes na expectativa de reencontrar velhos amigos. Era um prazer revê-los e colocar em dia as notícias e os acontecimentos vividos por eles.

A dificuldade de transporte enfrentada pela visita era grande; o romeiro vinha de todos os municípios vizinhos a cavalo ou pau de arara, e os moradores de Vitória em lancha e bonde; de São Mateus e de Campos dos Goitacás do Rio, os romeiros chegavam embarcados, aportando no Cais da Prainha. Todos sabiam que seriam bem-vindos e se sentiriam na casa da Mãe Protetora.

As mocinhas aproveitavam a festa para exibirem seu vestido e sapatos novos. Este item indispensável porque os jovens sempre estavam a fim de um flerte e quem sabe, de um novo amor?

A dispersão do povo residente em Vitória ou ao longo da linha de bondes ia até a madrugada; o bonde neste dia trabalhava vinte e quatro horas ininterruptas para transportá-los; diferente dos dias normais quando funcionavam 20 horas.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

Vila Velha

A Prainha do meu tempo – Por Seu Dedê

A Prainha do meu tempo – Por Seu Dedê

Não existia o uso do termo Prainha por quem residisse onde hoje diziam ser a Prainha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festa da Penha – Por Edward Athayde D’Alcântara

A dispersão do povo residente em Vitória ou ao longo da linha de bondes ia até a madrugada; o bonde funcionava 24h

Ver Artigo
Vila Velha Deverá Mudar de Nome?

Atlanta tem apenas uma na América do Norte e passaria a ter uma na América do Sul. Parece-me que seria um curto e simpático nome para uma linda cidade

Ver Artigo
Vila Velha, a Cidade, sua História – Por Seu Dedê

O geólogo canadense Charles Frederick Hart, visitou Vila Velha no ano de 1865

Ver Artigo
O 23 de Maio de 1955 no Centro Cultural Humberto de Campos

Comemorações do 23 de Maio de 1955 no Centro Cultural Humberto de Campos  

Ver Artigo
O Futuro Nome de Vila Velha - Por Heribaldo Balestrero

Lembrei-me, então, de sugerir à Comissão o nome de EMBOABAS (do guarani Mboab) que significa aldeia de gente calçada, ou simplesmente calçados.

Ver Artigo