Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Festa do Mastro

Três Barras em Fundão - Festejos de São Benedito e São Sebastião

Em muitas regiões do Espírito Santo, principalmente nas áreas dos municípios de Vitória, Cariacica, Serra, Aracruz, Fundão, Timbuí, Acioli, Ibiraçu, Alfredo Chaves, Guarapari, Colatina, São Mateus e Conceição da Barra, são realizadas Festas do Mastro, quase sempre divididas em duas partes: cortada e puxada do mastro.

Dias antes da festa de comemorações para São Benedito, é feito o corte do mastro, isto é, um tronco, previamente escolhido, limpo e depois arrastado por juntas de bois, cujas cangas e chifres são enfeitados com flores e folhagens. À festa comparecem o Festeiro, os integrantes da Banda de Congo, os devotos do Santo e as pessoas do povo. O mastro é conduzido, festivamente, ao som de músicas da Banda, à casa do Festeiro, e lá permanecerá o tempo necessário ao seu preparo, lixamento e pintura, até o dia da puxada. Há mastros trabalhados com arte, roliços ou facetados, pintados de uma ou várias cores e desenhos. Outros, porém, são mal acabados e quase da grossura natural, menos na ponta, onde será colocada uma bandeira com a pintura do Santo, encaixada em uma armação de madeira. O mastro, a bandeira e o navio, os três elementos mais importantes da festa, são renovados anualmente pelos festeiros encarregados disso. Aliás, o encargo de prepará-los constitui, geralmente, honrarias das mais disputadas. A puxada do mastro é realizada, quase sempre, nas vésperas ou no dia de São Benedito. Colocado o mastro sobre o Barco ou Navio, começa a puxada.

A festa é uma procissão sem a imagem e sem o andor do Santo. Utiliza-se apenas a bandeira, conduzida por moças ou crianças, na frente do cortejo. A Barca, armada sobre um carro, toda enfeitada de bandeirolas de papel, conduz, deitado no “convés”, o mastro consagrado ao Santo. Na frente do Barco vão alguns devotos a cumprir penosa promessa, isto é, puxam e conduzem o Barco, enquanto rezam.

Uma corda de longo comprimento é colocada atrás, onde se apega o resto dos devotos, de ambos os sexos e de todas as idades, em grande parte penitentemente descalços, vela acesa numa das mãos, sérios, calados ou contritos, rezando e cantando músicas religiosas, cumprindo, dessa forma, sua parte na festiva Puxada do Mastro. Atrás e ao lado do Barco, segurando-o com as mãos, outros fiéis acompanham o cortejo. Seguindo a embarcação, as Bandas de Congo tocam, sem descanso, suas cantigas, ao som das quais todos dançam e cantam por todo o percurso. O cortejo percorre as ruas da cidade ou vila, dirigindo-se, afinal, à igreja. Retira-se, então, o mastro do barco, dança-se com ele, jogando-o ao alto e aparando-o nos braços, de forma festiva e dando-se vivas. Fogos de artifício, sinos e batidas dos tambores das Bandas encerram a parte ritualística da festa, que continua até horas indefinidas com barraquinhas, leilões, músicas e bebidas(81).

 

NOTAS

(81) Santos Neves, 1978, p. 57 a 61

 

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

Governador

Paulo Cesar Hartung Gomes

Vice-governador

César Roberto Colnago

Secretário de Estado da Cultura

João Gualberto Moreira Vasconcelos

Subsecretário de Gestão Administrativa

Ricardo Savacini Pandolfi

Subsecretário de Cultura

José Roberto Santos Neves

Diretor Geral do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo

Cilmar Franceschetto

Diretor Técnico Administrativo

Augusto César Gobbi Fraga

Coordenação Editorial

Cilmar Franceschetto

Agostino Lazzaro

Apoio Técnico

Sergio Oliveira Dias

Editoração Eletrônica

Estúdio Zota

Impressão e Acabamento

GSA

 

Fonte: Negros no Espírito Santo / Cleber Maciel; organização por Osvaldo Martins de Oliveira. – 2ª ed. – Vitória, (ES): Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2016.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2021

Folclore e Lendas Capixabas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Crônicas antigas

Padre Raymundo Pereira de Barros, o último pároco diocesano de Nossa Senhora do Rosário de Vila Velha, deixou escrito no Livro do Tombo que não conseguira, apesar de muita procura, dados históricos sobre a Paróquia

Ver Artigo
Herança Cultural Religiosa dos Negros

A influência da igreja católica foi grande, pois impedidos de cultuar os Orixás, os negros também transferiram sua devoção religiosa para alguns santos católicos

Ver Artigo
O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Ver Artigo
A Pedra da Ema – Por Adelpho Monjardim

Em Burarama, Município de Cachoeiro de Itapemirim, situa-se a Pedra da Ema, notável pelo fenômeno que ali se processa

Ver Artigo
Fradinhos – Por Adelpho Monjardim

O casarão, que tantas vezes mudou de dono, possui nebulosa história, que raia pela fantasia

Ver Artigo