Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Fotos de Otávio Paes, 1936 - Fonte: Acervo Público do ES

Parque Moscoso - Foto: Otávio Paes, 1936

“É necessário ver com os próprios olhos para apreciar a rapidez e o resultado da operação. Em menos de nove minutos, o chafariz do Lago do Paço, a Praça do Peixe, o Mosteiro de São Bento e todos os outros objetos em volta foram reproduzidos com tal fidelidade, precisão e detalhe que se percebia facilmente que a coisa foi feita pela mão da natureza, sem qualquer interferência do artista.”

Foi assim que o Jornal do Comércio noticiou em 17 de janeiro de 1840 a primeira demonstração feita na América do Sul de um aparato mecânico que capturava a luz e fixava as imagens em forma de miniatura absolutamente fidedignas. O operador do equipamento era o abade Louis Compte, recém-chegado da França, onde a engenhoca foi patenteada por um da Daguerre, alguns meses antes. Ainda hoje há quem acredite nas palavras finais do jornalista e continue a alardear a imparcialidade do processo fotográfico...

Com o tempo, muitos outros preferiram apostar nos infinitos recortes da realidade proporcionados pela objetiva, na manipulação da luz, nas manhas do laboratório. Além do retratista, “leitor” passivo da “realidade”, surgiu o artista-fotógrafo, capaz de re-interpretar o mundo que o cerca. Capaz, sobretudo, de tornar a fotografia um produto da sua impressão – particular e absolutamente parcial – acerca da personalidade de seu modelo, que pode ser tanto uma beldade de longas madeixas, quanto um recanto bucólico de sua cidade.

Esta ilha já teve o prazer de “posar” para alguns mestres. A visão da entrada da barra e da pequena cidade “espremida entre o mar e a montanha” é descrita como impressionante pelos forasteiros. Os navios, esses belvederes privilegiados, oferecem ao visitante uma visão sui generis, já captada por gênios do porte de Marc Ferrez. O antropólogo Lévi-Strauss, que segundo Caetano Veloso detestou a baía da Guanabara, significativamente encerra o seu “Saudades do Brasil” com uma doce imagem do porto de Vitória.

Houve um certo jovem casal de fotógrafos – jovens na idade e na profissão – que também se encantou com o cenário de “presépio”. Vinham no “Ita do Norte” tentar a sorte em São Paulo

 

Continua em: http://www.morrodomoreno.com.br/materias/fotografo-paes-criador-de-lindas-quimeras.html

Matérias Especiais

Curiosidades...

Curiosidades...

Quando há alguns anos eu fui incluído como terreno de marinha (agora já estou fora, ganhei na justiça...), fui no Arquivo Público e li várias Cartas Régias e lá estava: o Vasco F. Coutinho, veio das Índias RICO chegando aqui, após algum tempo ficou POBRE

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Dicionários - Os 10 mais populares por Eurípedes Queiroz do Valle

2) Dicionário Histórico, Geográfico e Estatístico da Província do Espírito San­to. Dr. Cesar Augusto Marques, Tip. Nacional. Rio. Ed. 1878  

Ver Artigo
Comarca e seus Patronos - As 10 mais antigas

O Patrono da de Vitória é o jurista parlamentar Presidente José Mello Carvalho Moniz Freire

Ver Artigo
Banda de Música - 10 mais antigas

3) Sociedade Musical Lira de Ouro. Da cidade de Cachoeiro de Itapemirim. Fundada em 6 de novembro de 1917   

Ver Artigo
Constituições Espírito-Santense - As 10 regularmente votadas

O Interventor espírito-santense, então o Dr. Jones Santos Neves, sem perda de tempo, nomeou uma comissão de 3 juristas

Ver Artigo
A trajetória musical de Tina Tironi

Nascido em 1946, Marco Antônio Tironi viveu até os cinco anos de idade em Paul, município de Vila Velha — Espírito Santo, para depois residir em Vitória (Centro)

Ver Artigo