Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Luiz Buaiz - Hospitais e preventórios

O Sanatório Getúlio Vargas foi referência. Hoje ele é o Hospital Cassiano Antônio de Moraes

Luiz Buaiz recorda momentos raros e preciosos na história do atendimento médico em Vitória. Momentos em que se fazia Medicina com amor, devotada e responsavelmente. Ele lembra que esse era o procedimento comum e apresenta um exemplo: “Na Ilha do Dr. Américo, quando houve uma epidemia de cólera, prepararam um hospital, mas felizmente não houve nada. Você tomava uma lanchinha ou um barco, ia e voltava e carregava os doentes, os médicos e o pessoal que trabalhava lá”.

E destaca os grandes profissionais idealistas e humanitários, que foram indispensáveis ao Espírito Santo. Gente que faz falta hoje. Luiz Buaiz dá o crédito de muitas realizações, entre as quais a construção de casas de saúde. Lembra: “Deve-se a Jayme Santos Neves a construção do Hospital Getúlio Vargas, que era o Sanatório Getúlio Vargas, onde internavam os tuberculosos, e ali se fez muita coisa. Passaram por lá muitos médicos brilhantes: Jayme, Ovídio Paoliello, Jurandir Flossal, Wilson Simões Ferreira... Essa é a turma que passou por lá”.

Princípios elevados estão fazendo falta. E a nobreza de caráter é destacada por Luiz Buaiz quando diz: “Jayme Santos Neves, embora irmão do governador, nunca desfrutou de coisa alguma. Ele, que era titular do Departamento de Tisiologia, conseguiu, no Departamento Nacional de Saúde, a construção do Hospital Getúlio Vargas, da mesma forma que foi feito o Pedro Fontes, que era para os leprosos... Então, havia essas referências. E ninguém sabe o seguinte: ali no Pedro Fontes tem um Preventório, o Alzira Bley. Porque você internava o doente no leprosário e os filhos iam para o Preventório. Os tuberculosos, em Vila Velha, tinham o Preventório Gustavo Capanema, que hoje parece que é uma escola ou uma coisa dessas, e naquela época os filhos dos tuberculosos iam pra lá. Tudo isso...”

Naquele tempo, o que era novo começava aqui, assegura Luiz Buaiz, que acrescenta: “Coube a um capixaba, que viveu no Rio de Janeiro, Gerson Teixeira, o início da cirurgia toráxica no Brasil. Então veja você. Era isso que existia. Olha, hoje, quando eu vejo que você abre uma gaveta, pega um remédio e dá e manda o sujeito ir embora... Houve muita evolução, mas infelizmente não foi acompanhada pelo carinho. Pra mim, a mais dignificante profissão é a de médico. É a que mais nos aproxima de Deus. Porque ele, o médico, é que dá a saúde e nos prorroga a vida quando Deus permite. E o médico tinha que ser uma pessoa diferente. Com um sentimento de filantropia e de amor que caracterizava as gerações que eu vivi”.

E indaga: “Quantos eram assim? Você sabe? Bezerra de Farias, um pediatra dedicadíssimo, que morreu na miséria lá no Rio Grande do Norte. Ele era nordestino. Uma semana antes eu recebi dele um bilhete pedindo para eu mandar uns documentos que ele ia tentar se aposentar. E não deu tempo nem disso.

E Cassiano Antônio Moraes, que morreu novo, novo, novo, de câncer de pulmão? Fazia pena ver. Dedicadíssimo. Isso não é lembrado, poucos sabem... Então, não há um respeito por aqueles que fizeram alguma coisa em favor de terceiros”.

 

PRODUÇÃO

 

Copyright by © Luiz Buaiz – 2012

 

Coordenação do Projeto: Angela Buaiz

 

Captação de Recursos: ABZ Projetos

 

Texto e Edição: Sandra Medeiros

 

Colaboraram nas entrevistas:

Leonardo Quarto

Angela Buaiz

Ruth Vieira Gabriel

 

Revisão: Herbert Farias

 

Projeto e Edição Gráfica: Sandra Medeiros

 

Editoração Eletrônica: Rafael Teixeira e Sandra Medeiros

 

Digitalização: Shan Med

 

Tratamento de Imagens: TrioStudio; Shan Med

 

Fonte: Luiz Buaiz, biografia de um homem incomum – Vitória, ES – 2012.
Autora: Sandra Medeiros
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2020

Especiais

Visita do Marechal Castello Branco ao Estado no governo de Chiquinho

Visita do Marechal Castello Branco ao Estado no governo de Chiquinho

Discurso do Governador Francisco Lacerda de Aguiar, quando da visita do Presidente da República, Marechal Humberto de Alencar Castello Branco ao Estado do Espírito Santo, proferido no Palácio Anchieta em 1964

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Bibliotecas - As 10 mais importantes

1) A Biblioteca Pública do Estado. Fundada em 16-6-1855, pelo Presidente da Província Dr. Sebastião Machado Nunes.

Ver Artigo
Atividades Pioneiras - As 10 mais importantes

2) Advogados no Tribunal. Partiu da Constituição Espírito-santense de 1892 a prerrogativa dada hoje aos Advogados de participarem da composição dos Tribunais   

Ver Artigo
A origem da Praia da Costa

Ao tomar posse da Capitania do Espírito Santo em 1535, Vasco Fernandes Coutinho reservou para si uma área que veio a ser conhecida como " Fazenda da Costa".

Ver Artigo
As Conjunturas - Por Gabriel Bittencout

Espírito Santo - Alguns Aspectos da Independência 1820/1824    

Ver Artigo
Apresentação do Livro do Gabriel Bittencourt - Por José Honório Rodrigues

O professor Gabriel Augusto de Mello Bittencourt foi meu aluno no Mestrado de História da Universidade Federal Fluminense

Ver Artigo