Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Jacaré Encantado - Por Adelpho Monjardim

Pedra da Gamela e Reta da Penha, anos 70

Na Avenida Nossa Senhora da Penha, lado esquerdo, dirigindo-se para o Aeroporto, até princípios dos anos 60, existia um rochedo que se caracterizava por maravilhosa obra-prima da natureza: um jacaré de granito. Não era alto o rochedo, seis ou oito metros. Rocha esfoliada, de péssima qualidade, era apenas um plinto. Rodeando o topo, quase fechando o círculo, via-se enorme jacaré esculpido na própria rocha. Perfeito da cauda à cabeça. Ao vê-lo, à primeira vista, tinha-se a impressão de um animal vivo.

Conforme a lenda, o jacaré perseguia jovem índia, filha do poderoso cacique tupiniquim. Vendo-a na iminência de ser devorada pelo terrível caimão, o pajé petrificou-o por artes mágicas.

Obra da natureza, tão primorosa, merecia ser preservada. mas entre nós não existe o amor ao belo, que ao menos por decoro deveríamos respeitar.

A título não sabemos de quê, o proprietário do terreno dinamitou a pedra, pulverizando a maravilha ali colocada a milênios.

Não obstante, o vandalismo campeia solto contra os monumentos da natureza, sem que os poderes competentes ponham cobro a tais práticas, atentatórias à nossa própria cultura. E dizem existir órgão especializado de assistência à natureza.

Ali, na mesma região, a Pedra da Gamela, imensa e imponente e que à paisagem empresta singular encanto, está sendo demolida para que se transforme em paralelepípedos! Trágico e inglório fim. Destrói-se o que de belo integra o privilegiado cenário e o  anedotário local, através de pitorescos fatos, para reduzi-lo a um  refugado tipo de calçamento repudiado pelas cidades modernas e progressistas.

Lembrando a geométrica figura de um trapézio, a Pedra da Gamela é uma das grandes formações rochosas de Vitória. A face morena, antes de ferida pela dinamite, pelo imponente e majestoso aspecto atraía a atenção de todos. Hoje o âmago, a massa compacta da rocha está exposta como imensa e dolorosa chaga, contrastando com o que ainda se conserva intacto. Cavaram-se em seus flancos alucinantes abismos.

Há quarenta anos a Gamela era celebrado recanto da macumba. Ali se amiudavam os “terreiros”, quando as suas noites se transformavam em autênticos sabás, com as bruxas soltas. Mestre Pedro e a negra Honorata, os ases da mandinga. Muita gente boa freqüentava os «terreiros», mormente nas efervescências políticas. Caminhando as coisas para um novo Canudos, a polícia pôs cobro ao abuso.

A Pedra da Gamela tem nome na História da Ilha, embora não tenha sido preservada do vandalismo dos utilitaristas, infensos a qualquer sentimento que não represente o lucro imediato. Para eles o dinheiro acima de tudo. História, Tradição, Passado, são inócuas concepções burguesas, sem finalidades e que não enchem barriga.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

As Cruzes da Estrada – Por Adelpho Monjardim

As Cruzes da Estrada – Por Adelpho Monjardim

Quem passar pela rodovia que liga Ibatiba, às margens da BR-262, à sede do município de Iuna, notará as cruzes à beira da estrada

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Por que Peroás e Caramurus? - Por Areobaldo Lellis Horta

À garrida "oficialidade" ao passar a igreja da Misericórdia, onde está hoje o edifício da Assembléia, a guarda, postada à porta do Palácio, bradou "às armas" e o pequeno pelotão ali existente, formou, sob o comando de um sargento

Ver Artigo
Jogos de Salão

Eurípedes Queiroz do Valle se refirindo ao livro da professora Maria da Glória disse: Há nesse livro uma nota de tocante amor filial. É quando a autora, na dedicatória inicial, se refere, carinhosamente...

Ver Artigo
Hermógenes – Por Renato Pacheco

Conceição da Barra se chamava Barra de São Mateus e lá Hermógenes nasceu, no sítio das Perobas, em 12 de dezembro de 1916

Ver Artigo
Horas de Lazer nos anos 40 em Vila Velha – Por Seu Dedê

As brincadeiras eram comuns a todas as crianças, sem distinção de classe social. Tínhamos muitas e muitas

Ver Artigo
Como São Pedro aprendeu a pescar – Por Maria Stella de Novaes

Contou-nos certo pescador da Praia do Suá que São Pedro e seus companheiros de ofício lutavam sempre com a falta de peixes

Ver Artigo