Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Ontem, Hoje e Amanhã - Por José Carlos Corrêa

Parque Moscoso e o Ed. Moscoso

Vindos da Cidade Alta, onde moravam meus tios e primos, descíamos por detrás do Palácio para passear no Parque. Ainda sem os muros e as grades de hoje, o Parque era cercado por lambe-lambes, trilhos de bonde, pipoqueiros, árvores e belos sobrados. O passeio se prolongava entre jardins e lagos, o descanso nos bancos, o programa de calouros da Concha Acústica até terminar com um suco de caju e torrada petrópolis no recém-inaugurado Dominó. À tarde, um bom filme no Santa Cecília, sem esquecer do paletó como era exigido à entrada. Nada mais chique para quem vinha do interior para passar alguns dias de férias na capital do Espírito Santo.

Foi assim que o Parque Moscoso entrou na minha vida de visitante fugaz. Morador nunca fui, embora eu e Dodora tivéssemos caído de amores por um apartamento num prédio em construção em frente ao Cine São Luiz logo que decidimos a data do nosso casamento. Fizemos as contas, somamos o nosso dinheirinho, e o Parque Moscoso acabou por perder dois simpáticos futuros moradores. Gostávamos muito dali pois o Parque na época era o melhor lugar da cidade. Lá morava a Lurdinha, melhor amiga de Dodora, no Edifício Moscoso. Eu trabalhava por perto, em A Gazeta, na Rua General Osório, além de fazer as refeições no Sesc da praça Misael Pena onde Dodora cursava a Escola de Serviço Social. Os melhores cinemas estavam lá e ir ao cinema era o melhor programa do fim de semana. Mesmo que a chuva forte inundasse as ruas e nos deixasse ilhados sem poder sequer chegar ao ponto de ônibus. Isso o Setembrino, quando foi prefeito, resolveu e acho que foi por causa disso que votei nele tantas vezes. Mesmo sem ser sócio, era possível também frequentar as domingueiras do Clube Vitória e dançar, até não poder mais, ao som das eletrolas estereofônicas.

Quando chegaram os filhos, o Parque se tornou passeio obrigatório aos domingos. Eles adoravam dar pipoca aos patos, andar de trenzinho, olhar os macacos e passar horas nos brinquedos. Eles e eu. Ou, quem sabe, mais eu do que eles. O Parque havia sido reformado pelo prefeito Crisógono e estava novinho em folha. Havia tantos peixes nos lagos que, uma vez por ano, a Prefeitura liberava a pesca para as crianças, numa gincana animadíssima. Melhor programa, pra quê?

De lá para cá a cidade cresceu e nos puxou todos para a zona norte. Para a Praia vieram os novos edifícios, as praças, comércio, os consultórios dos médicos e dentistas, os bancos e agora, até os cinemas. Nossas passagens pelo Parque Moscoso se tornaram cada vez mais raras, mas mesmo assim um dos nossos passeios preferidos ainda é percorrer os seus arredores.

Aí, então, como numa volta ao passado, começamos quase sempre pela Cidade Alta. Damos a volta no Palácio e chegamos ao Parque pela General Osório e avenida República. Lurdinha não mora mais no Edifício Moscoso, A Gazeta já não está na General Osório e os filmes do Santa Cecília são muito diferentes do que eram. Mas dá para ver que, dentro do Parque, uma multidão de Paulos Henriques e Marianas continua dando pipoca aos patos, andando de trenzinho, olhando os macacos. E é claro, passando horas e horas balançando nos brinquedos.

Quem sabe ainda volto lá com os netos?

 

Fonte: Escritos de Vitória nº 6 - Parque Moscoso, PMV e Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo, 1994
Autor do texto: José Carlos Corrêa, nascido em Aimorés (MG), em Vitória desde 1963, jornalista e engenheiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2019

Literatura e Crônicas

Pedra dos Passarinhos - Do Livro Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno

Pedra dos Passarinhos - Do Livro Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno

São elementos de fantasia tomando como pano de fundo um cenário de tamanha importância da história do Espirito Santo, uma vez ali se encontram as primeiras marcas da civilização capixaba

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo