Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Palácio Anchieta

Palácio Anchieta, década de 70

Data do século XVI o começo de sua história. No início da colonização do Espírito Santo os jesuítas começaram a erguer uma igreja e sua residência provisória na Cidade Alta, imediações onde se localiza hoje o Palácio Anchieta. A igreja, dedicada a São Tiago, abria-se para a Praça João Clímaco. Junto à edificação do templo, os padres construíram um colégio.

O complexo arquitetônico de igreja e colégio tinha área construída ao redor de grande pátio interno (claustro) e enorme área envoltória (indo até os limites da atual Rua General Osório), onde ficava o pomar, o fortim de São Tiago e o porto dos Padres. Após a expulsão dos jesuítas das colônias portuguesas, a igreja e o colégio foram incorporados aos bens da coroa.

O colégio passou a abrigar a sede do governo da capitania no final do século XVIII, período em que houve um incêndio destruindo a biblioteca. A igreja continuava a ter celebração de cultos.

Na época do império, a antiga igreja de São Tiago foi transformada em Capela Nacional e os cômodos do ex-colégio, adaptados para servir como residência dos governadores estaduais. No governo Jerônimo Monteiro aconteceram as maiores modificações. O colégio foi praticamente destruído e a igreja centenária foi demolida para dar espaço a mais repartições públicas.

O antigo colégio, inteiramente reformado pelo francês Justin Norbert, recebeu em sua fachada roupagem neobarroca, combinando com a nova escadaria erguida na antiga subida, formando um conjunto. Após Jerônimo Monteiro, quase todos os presidentes de estado, interventores e governadores realizaram obras de modificação ou manutenção do imóvel.

Até 1950, foi a construção de maior área em Vitória e funcionava como um completo centro administrativo, O Palácio Anchieta, que ganhou nome em homenagem ao padre José Anchieta, é uma das principais referências arquitetônicas do Centro da cidade. Seu interior guarda o túmulo simbólico de seu patrono.

 

Projeto Adelpho Poli Monjardim
Coleção Elmo Elton 2 - Centro de Vitória
Uma publicação da Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura Municipal de Vitória, ES
Prefeito Municipal: Luiz Paulo Vellozo Lucas
Secretária de Cultura: Cláudia Cabral
Subsecretária de Cultura: Verônica Gomes
Diretor do Departamento de Cultura: Joca Simonetti
Administradora da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim: Lígia Mª Mello Nagato
Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Condebaldes de Menezes Borges, Joca Simonetti, Elizete Terezinha Caser Rocha, Ligia Mª Mello Nagato e Lourdes Badke Ferreira
Editor: Adilson Vilaça
Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica: Cristina Xavier
Revisão: Djalma Vazzoler
Impressão: Gráfica Santo Antônio
Tiragem da 1ª Edição - 1000 exemplares.
Fonte: Centro de Vitória, Coleção Elmo Elton nº2 – PMV, 1999
Texto: Maria Cristina Dadalto
Fotos: Judas Tadeu Bianconi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2020

Monumentos

O Palácio Anchieta - Por Neida Lúcia Moraes

O Palácio Anchieta - Por Neida Lúcia Moraes

O Palácio do Governo do Espírito Santo, hoje denominado Palácio Anchieta, em homenagem ao Padre José de Anchieta, é uma testemunha de toda a nossa História

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Monumento a Domingos Martins

Seu busto de bronze amparado pela liberdade, representada por uma figura de mulher, também de bronze, sobre um pedestal de granito, está localizado na Praça João Clímaco

Ver Artigo
Monumento a Florentino Avidos

Presidente Avidos governou o Estado no quatriênio 1924 – 1928

Ver Artigo
Praça Oito de Setembro

O cronista Eugênio Sette, dizia que "... a Praça Oito parece uma mulher dama muito vivida, muito experimentada, que não arrepia carreira, nem se encabula com uma piada mais grosseira. Já viu tudo. E, por isso, aguenta firme, consciente do seu papel."

Ver Artigo
O Teatro Carlos Gomes de Vitória - Por Gabriel Bittencourt

O Carlos Gomes era, até pouco tempo, o único teatro de Vitória em funcionamento; mas não é a nossa primeira sala de espetáculos

Ver Artigo
O Itabira e o Frade e a Freira - Por Gabriel Bittencourt

O Itabira: esguio monólito que os cachoeirenses fizeram símbolo da cidade, e os intelectuais de sua Academia de Letras transformaram-no no seu escudo e emblema

Ver Artigo