Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Rua São Bento (ex-ladeira de São Bento) – Por Elmo Elton

Ladeira São Bento - Fonte: Google Maps

Em 1591, os beneditinos planejaram a fundação de um mosteiro, nas proximidades da Fonte do Conselho e do Reguinho, na vila de Vitória, sendo que, a 25 de julho, a Câmara concedeu a esses monges "uma sorte de terra, junto às casas de Gaspar Fernandes contra a Fonte do Conselho, do caminho para o pé de terra". Em escritura, datada de 8 de outubro de 1605. Isabel Fernandes, a fim de auxiliar a conservação da casa fundada pela referida Ordem, fez-lhe a doação de umas terras ao lado.

O historiador conterrâneo Luiz Derenzi registra:

"A antiga ladeira, hoje Rua de São Bento, lembra a vinda dos beneditinos ao Espírito Santo. Governando a capitania D. Luísa Grimaldi. Chegaram, com regozijo para o povo, frei Damião da Fonseca e o irmão frei Basílio, em 1589. Hospedaram-se na residência daquela ilustre dama, tal o respeito que se tributava então aos religiosos. Vinham, os filhos de São Bento, com o propósito de construir um convento para sua nobilíssima Ordem. D. Luísa deu-lhes a própria residência em Vila Velha, onde se estabeleceu o mosteiro de N. S. da Conceição. Deram logo depois início a outro, talvez o definitivo, na vila de Vitória, em "uma sorte da terra" que a Câmara lhes concedeu em 1591. Situava-se "próximo à Fonte do Conselho do Reguinho". O irmão frei Basilio requereu e obteve o sítio denominado Ilha, que fora da própria governadora."

A Fonte do Conselho foi a primeira denominação da Fonte Grande, sendo que a ilha, a que se refere o texto transcrito, é a atual ilha dos Frades.

Em 1947, vi em mãos do Dr. Lindolpho Barbosa Lima, então procurador da União no Estado, uma imagem de terracota de São Bento, medindo aproximadamente 50 cm, adquirida de antigo morador da chácara do Moniz, que informava ao comprador ter sido a mesma procedente da capela que os beneditinos haviam construído ali. Essa imagem a revi depois, na coleção que se encontra no Museu Solar Monjardim, possivelmente por oferta daquele senhor.

A atual Rua São Bento e a ilha dos Frades são, pois, as únicas lembranças que restam da frustrada tentativa dos beneditinos de construírem um mosteiro de sua Ordem, em Vitória.

 

FONTE: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2017

Bairros e Ruas

Jardim da Penha

Jardim da Penha

O nome do bairro Jardim da Penha surgiu porque a região onde ele se encontra era uma área plana, toda verde, que parecia um jardim...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Arrabaldes de Vitória - Os 10 mais frequentados por Eurípedes Queiroz do Valle

Primitivamente a expressão significava o habitante desse arrabalde. Passou depois a significar os que nascessem em Vitória. Hoje é dado a todo espírito-santense

Ver Artigo
Centro de Vitória

Palco de batalhas ferrenhas contra corsários invasores, espaço para peladas de futebol da garotada, de footings de sábados e domingos, praças, ladeiras e ruas antigas curtas e apertadas, espremidas contra os morros — assim é o Centro de Vitória

Ver Artigo
Cercadinho – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ao arredor, encosta do Morro Jaburuna (morro da caixa d’água), ficava o Cercadinho

Ver Artigo
Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo
Poema-passeio com Elmo Elton - Por Adilson Vilaça

“Logradouros antigos de Vitória” sempre me impressionou. Mais de década depois, eu faria a segunda edição desta obra pela Coleção José Costa, dedicada à memória e história da cidade, e que foi por mim criada na década de 90

Ver Artigo