Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Terremoto em Vitória e em Vila Velha (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

Convento da Penha

TERREMOTO

(EM VITÓRIA)

 

Agosto. Quase findo, o seu primeiro dia.

Dezoito século... Sim!... Sessenta e sete ou nove?!

Das lides descansando, a gente adormecia

Tranquila. De repente, acorda... pois se move

 

Em confusão medonha, aquilo que existia

No solo... “Temporal”?! Mas... não troveja ou chove...

Por que razão? “E o povo, em louca correria:

“Oh! Virgem Mãe dos homens!” brada. Se comove

 

A nossa intercessora. A calma volta... E assim

O pessoal, tremendo, o lar depressa alcança

A soluçar, rezando o “Mizerere”... Enfim...

 

Maravilhoso, o céu de estrelas recamado!

Silêncio sepulcral! Somente a brisa mansa

Embala, a ciciar, o matagal copado!

 

TERREMOTO

(EM VILA VELHA)

 

Dezoito... aquele século de aflições... terrível!

Corria tudo bem. Ao menos, na aparência,

Não poderia alguém supor que a existência

Houvesse de um perigo, assim, tão sério e horrível!

 

Lisboa num espasmo! Abalo imprevisível

Seus templos e edifícios fez ruir... Violência

Sem precedente, então. E a trágica influência

Sofrida foi num terço do planeta. Incrível!

 

No México, o Jorulo, levantou-se ousado!

Na Itália, da Calábria, o solo foi sulcado;

Explodindo o Vesúvio em fúria, em paroxismo!

 

Entanto, foi poupado nosso povo, em prece!

A Mãe da Penha, atende, ao filho que padece...

Impelindo, para a vaga, o tredo cataclismo!

 

Fonte: Lendas e Milagres no Estado do Espírito Santo (Poesias 1551-1950) – Prêmio Cidade da Vitória, 1951
Autora: Orminda Escobar Gomes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2021

Convento da Penha

Jesuítas em Romaria à Penha – Por Pe. Fernão Cardim, S.J.

Jesuítas em Romaria à Penha – Por Pe. Fernão Cardim, S.J.

Acompanhado de alguns confrades, o Pe. Fernão Cardim, S.J subiu à Penha aos 30 de novembro de 1584, relatando suas impressões

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Visão dos Holandeses (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

De além se divisava a linda capelinha, /Erguida sobre a rocha. Esplêndida moldura /O céu azul turquesa... Excêntrica, a estrutura /Do monte-matagal a florescer... Na linha

Ver Artigo
Radiosa - Por Orminda Escobar Gomes

Vitória, és joia rara! /Realças entre as demais! /Teus campos e tuas praias, /Tão lindas, não têm rivais!

Ver Artigo
Cerração (Poesia) - Convento da Penha

Um dia esplendoroso. O sol quente, escaldante / Suave azul do céu. O esmeraldino mar / Oscula, brandamente, a praia. Singular / Beleza e alacridade em torno... Mas, distante...

Ver Artigo
Terremoto em Vitória e em Vila Velha (Poesia) - Por Orminda Escobar Gomes

Agosto. Quase findo, o seu primeiro dia. / Dezoito século... Sim!... Sessenta e sete ou nove?! / Das lides descansando, a gente adormecia...

Ver Artigo
Fonte Milagrosa do Convento da Penha

Localizada no terraço inferior do Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo