Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A estrada Vitória-Ouro Preto

Mapa do Trajeto da Estrada Imperial de São Pedro de Alcântara

Embora abandonada pelo governo por inútil – uma vez que não havia comércio para movimentá-la – a estrada que ligava o Espírito Santo à província de Minas Gerais continuava preocupando as inteligências de mais ampla visão.(1)

Em uma das sessões de 1829 do Conselho Provincial, a questão foi trazida a debate.

A falta de dinheiro para enfrentar as despesas de desobstrução e outras obrigou a protelações de toda ordem, até que, em 1833, a obra foi contratada com o coronel Inácio Pereira Duarte Carneiro – o mesmo diligente oficial que construíra a estrada nos dias do governador Rubim. Tamanha significação se emprestava ao assunto que o governo, quando verificou a exaustão dos próprios cofres, resolveu pedir dinheiro emprestado ao comércio para iniciar as obras. Em meados de 1834, os trabalhos ainda não estavam concluídos.(2)

 

NOTAS

(1) - “...sendo a abertura de uma estrada que comunique esta Província com a de Minas Gerais um dos únicos meios que se pode levantar da miséria e pobreza em que se acha tanto de população como de comércio” (Ofício de vinte e cinco de janeiro de 1832 do Conselho Provincial a José Lino Coutinho, ministro do Império, in Pres ES, V).

(2) - MACHADO DE OLIVEIRA transcreveu no vol. XIX da RIHGB (p. 232-9) vários extratos das atas de sessões do Conselho Provincial em que foram tratados assuntos referentes à reabertura da estrada. No citado volume, passim, cópias de documentos do maior interesse para a história da mesma.

– Por portaria de treze de março de 1822, da Secretaria do Império, era recomendado à Administração do Espírito Santo “concedesse Sesmarias ao longo da Estrada aberta para que não se tapasse de novo” (Ofício de Acióli de Vasconcelos ao ministro Maciel da Costa, de trinta e um de agosto de 1824, in Pres ES, III, 80).

– Cabe recordar aqui o decreto de vinte e três de outubro de 1832, que dispunha sobre a navegação dos rios Doce e Jequitinhonha e a abertura de estradas e reparações das existentes na direção da província de Minas Gerais para as da Bahia e Espírito Santo, que parece ser uma demonstração de acatamento do governo central ao apelo que lhe fora dirigido pelo Conselho Provincial do Espírito Santo, a vinte e cinco de janeiro de 1832 (ver foot-note 1).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, novembro/2017

História do ES

Privilégios da infantaria

Privilégios da infantaria

É singular a linguagem dos governadores gerais relativamente à maneira por que deviam ser tratados os homens de farda

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo