Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Aribiri

Rio Aribiri, foto aérea

A denominação Aribiri vem do rio do mesmo nome. O rio, que é um braço de mar, tem sua foz perto do Penedo, na baía de Vitória. Ali existe um grande manguezal.

A palavra Aribiri vem da língua tupi. Para uns ela quer dizer barata pequena, devido à grande quantidade de baratinhas existentes nas pedras do rio. Para outros, significa sardinha, ou ainda peixe pequeno, que se encontravam nas águas do rio.

Aribiri começou a ser um bairro residencial graças aos bondes. Era principalmente de bonde que os seus moradores iam para Vila Velha ou para Paul, de onde passavam a Vitória.

Quando os bondes acabaram, a estrada de rodagem se tornou o principal meio de ligação entre Aribiri e as outras partes de Vila Velha. Ônibus e outros veículos motorizados passaram a ser usados pelos moradores do bairro. A estrada Jerônimo Monteiro e a avenida Carlos Lindenberg adquiriram importância crescente para Aribiri.

O bairro transformou-se. Entre a foz do rio Aribiri e o morro do Penedo foi construído um terminal portuário. Através dele importam-se e exportam-se vários produtos. Em seu cais atracam navios com até 250 metros de comprimento.

Nessa região localizam-se também o parque ecológico Espera-Maré ou parque Morro da Mantegueira.

Fonte: Vila Velha: Nosso Município
Autores: Luiz Guilherme Santos Neves/ Léa Brígida Rocha de Alvarenga Rosa/ Renato José Costa Pacheco
Vitória – 2003

LINKS RELACIONADOS:

>> Bairros da Grande Vitória
>>
 
Bonde



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Itaparica e Coqueiral

Itaparica e Coqueiral

Itaparica vem de ita + pari + ka, com pari, significando canal onde é fácil apanhar peixe

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Como nasceu a Vitória – Por Areobaldo Lellis

Circundada por montanhas desabitadas, os seus extremos eram ligados, a partir das Pedreiras, hoje Barão Monjardim

Ver Artigo
Rua 13 de Maio (ex-rua do Piolho) – Por Elmo Elton

Esse caminho, sinuoso passou a ser a Rua do Piolho, que, já neste século, trocaria de nome para rua Treze de Maio

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Ponta da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município

Ver Artigo