Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Bola cheia em Santa Teresa

Futebol

A memória mais antiga do futebol teresense está na década de 20 e 30 e depois na famosa década de 50 a 60. Faziam parte da equipe estudantes e funcionários apenas que vez ou outra treinavam porque trabalhavam, muitos no Banco do Brasil. Depois dos jogos era infalível a ida ao Bar Elite, ao Bar do Carleto Pasolini e ao do Frederico Pasolini. Todos se divertiam muito, tomavam uma cervejinha e isso proporcionava um grande convívio. O Clube Canaã também era palco dessas comemorações.

Os times eram bem estruturados, com técnicos, presidentes e diretores. Os clubes elevaram o nome de Santa Teresa. Entraram em campeonatos estaduais e municipais e festejaram muitas vitórias. Tornou-se uma obsessão o comparecimento das torcidas, geralmente familiares, àquele culto esportivo, jogando "fora das linhas", com seus gritos e xingamentos, numa catarse coletiva projetando os traumas da imigração.

As mulheres foram modificando suas vestimentas à medida que participavam da torcida, usando roupas mais esportivas. Os ídolos das torcidas eram venerados e tinham enorme popularidade. A população aclamava seus nomes.

Os torcedores eram de vários tipos e contavam com a grande força das mulheres teresenses. Acompanhavam pais e filhos. Sui generis. D. Judith, M. Paviotti e Arlete Fontana Madeira; jogadores como Fontana, que jogava em Jucutuquara, mas era legítimo produto de Santa Teresa, e seu irmão, Oival-Goli Fontana, com grande talento, mas não chegou a destaque nacional. Além do Teresense, um clube muito importante foi o de Barra do Rio Perdido, e outros também tiveram prestígio, como São Roque, Várzea Alegre, Patrimônio de Santo Antônio.

De acordo com minha visão de criança torcedora, dos oito aos quinze anos, já adolescente, o futebol marcou muito em Santa Teresa. Claro que houve muitos jogadores que ficaram registrados na memória de nossos torcedores pelo estilo talentoso. A paixão era tanta, que nossos jovens repetiam, nos campinhos improvisados da cidade, a mesma história dos campos oficiais. O Itamar, grande jogador, foi de Santa Teresa para o Rio Branco, sempre um artilheiro. Referiam-se a ele como o "tanque que Santa Teresa nos mandou". O seu alto nível do futebol sempre encantou a todos.

O primeiro campo de futebol da Santa Teresa era onde hoje se situa o jardim municipal. Posteriormente, foi construído o campo denominado Ângelo Frechiani, o qual permanece até os dias atuais, no bairro Vila Nova.

Você pode ler mais sobre Santa Teresa comprando o livro "Santa Teresa - Viagem no Tempo 1873 a 2008" de Sandra Gasparini, clicando abaixo. Frete grátis para Grande Vitória, exceto Guarapari. Pagamento com boleto ou cartão de crédito.

 

Livro: Santa Teresa - Viagem no Tempo 1873 a 2008
Autora: Sandra Gasparini
Compilação: Walter de Aguiar Filho,outubro/2011

 

 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Imigração no ES 
>> Santa Teresa  
>> Primeiros times de Vila Velha
>>
 
Futebol em Vila Velha
>>
 
A Bola 

O Esporte na História do ES

Adeus, Jucutuquara - Por Jorge Rodrigues Buery

Adeus, Jucutuquara - Por Jorge Rodrigues Buery

Pelos idos de 1966 ou 67 comecei a assistir a jogos de futebol, frequentando estádios junto de meu pai e de meu tio

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

E viva a Desportiva! – Por Pedro Maia

A sede da Desportiva Ferroviária se situava no alto do morro, na entrada de Jardim América e o campo era um terreno no pé do mesmo morro

Ver Artigo
Remo: O Braço Forte do Esporte Capixaba - Por João Arruela Maio

Vitória em 1952, na disputa do Campeonato Continental, na raia de Valdivia, em Santiago, no Chile

Ver Artigo
Moisés, um campeão - Por Jorge Rodrigues Buery

Na final do Campeonato Brasileiro de 1995, ele era um dos botafoguenses campeões

Ver Artigo
A pesca do Marlim Azul

No Iate Clube do Espírito Santo é festa do marlim azul. O sol brilha mais forte: é o encontro de pescadores que ganharam fama mundial...

Ver Artigo
Tardes Amarelas no Futebol - Por Xerxes Gusmão Neto

Eu e o meu tio Adonias, que morava em São Torquato, subimos num ônibus da Viação Celeste, que portava um letreiro esquisito: São Torquato-Cruzamento

Ver Artigo