Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Casas para morar e para rezar na era Vasco

Igreja do Rosário e Praça da Matriz

Somariam, no máximo, trinta as edificações necessárias aos pioneiros. A hipótese é otimista desde que, à falta de outros dados, sejam aceitos os oferecidos pelos cronistas – mais ou menos sessenta pessoas compunham a expedição transportada pela Grorya.

Portugueses, portanto filhos fervorosos da Igreja de Cristo, foi à capela que, por certo, dedicaram o melhor de sua arte rústica. Consagrada a Nossa Senhora do Rosário,(5) era pequena e situada “próxima à praia e no fim da mesma, pouco mais ou menos no lugar hoje denominado Rua de São João”, informa Daemon.(6)

A sua pedra d’ara recorda às gerações o milésimo de fundação da mais antiga freguesia do sul do Brasil: (7) 1535. Lá está, também, em uma das capas, como a lembrar a origem nobre, o nome: Lisboa.(8) A devoção exigia algo mais que um simples granito da terra dos bugres...

 

NOTAS

(5) - PIZARRO, Memórias, II, 9; MARQUES, Dicion ES, 93.

(6) - Prov. ES, 55. Aquele logradouro denomina-se, atualmente, Av. Luciano das Neves.

(7) - FREIRE, Capitania, 8.

(8) - FREIRE, Capitania, 100-l.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

Pedra DÁgua

Pedra DÁgua

Segundo o historiador Levy Rocha, o Sítio Pedra D'Água (onde está a penitenciária Estadual), pertence ao Município de Vila Velha ficando a cerca de meia légua do centro urbano. Deste sítio o visitante descortina todo o prolongamento mais estreito da baia de Vitória. O nome Pedra D'Água originou-se da grande pedra isolada que aflora na margem da baía.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1843 – Por Basílio Daemon

Falece no Rio Doce Guido Pokrane, célebre chefe índio da tribo dos botocudos, muito coadjuvado por Guido Tomás Marlière, seu padrinho de batismo 

Ver Artigo
Ano de 1842 – Por Basílio Daemon

Chegam para cumprirem degredo o ex-regente padre Diogo Antônio Feijó e o deputado Nicolau Pereira de Campos Vergueiro   

Ver Artigo
Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
Administração e serviços públicos na República

Os faróis de Santa Luzia e da Ilha do Francês; as fortalezas de S. João e S. Francisco Xavier, as Companhias de Infantaria e de Polícia e o Batalhão da Guarda Nacional

Ver Artigo