Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Comício de Jânio Quadros em Vitória

Jornal O Diário, 09 de setembro de 1960

Cerca de dez mil pessoas, animadas por grande vibração cívica, aplaudiram ontem, na Praça Oito, o Sr. Jânio Quadros e sua comitiva. Nem mesmo um princípio de chuva, conseguiu mover a população, que ficou no mesmo lugar, aguardando a hora de ver e ouvir o grande brasileiro.

Jânio, que foi o último orador, fez um discurso quase técnico, no qual demonstrou a atual situação do Espírito Santo, para em seguida anunciar o seu comportamento, como Presidente, com relação ao nosso Estado.

O primeiro ponto focalizado em seu discurso foi o problema da energia elétrica. Estranhando que Rio Bonito não tivesse sido olhada com mais carinho e atenção pelo Governo Federal e dizendo ser injustificável que uma usina de vinte mil quilowatts leve cinco anos para ser construída, esboçou o seu pensamento sobre o aproveitamento de outras cachoeiras, principalmente nos rios S. Mateus, Itabapoana, Itapemirim e S. José. Citou ainda a usina de Suiça, que merecerá do seu Governo uma atenção especial, através da ação enérgica do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico, que fornecerá os meios para que possamos eletrificar o Estado, criando-lhe novas fontes de renda.

HOMENAGENS

No começo de sua oração, Jânio agradeceu ao Governador Carlos Lindenberg por se ter feito representar à sua chegada, dirigindo idêntico agradecimento ao Poder Legislativo e ao Poder Judiciário. Mas a sua saudação especial foi para D. João Batista da Mota e Albuquerque, com quem se avistou na visita que fez ao Convento da Penha, logo após a sua chegada a Vitória.

Jânio falava visivelmente emocionado com a calorosa recepção do povo que o fora receber no aeroporto de Goiabeiras às 17 horas e que o conduziu, em companhia da comitiva, pelas ruas da cidade, até Vila Velha e o Convento da Penha.

APOIO DO PTB

Durante o seu discurso, o candidato das oposições referiu-se especialmente aqueles trabalhistas que resolveram juntar-se à grande campanha cívica de renovação nacional que ele comanda, agradecendo também aos membros do PR, que com ele estão, ao lado do povo para a salvação da Pátria.

PAVIMENTAÇÃO

Falando sobre o problema das estradas rodoviárias, disse inicialmente que estrada não asfaltada não é estrada: é caminho.

Estranhou que o Governo Federal tenha levado cinco anos para construir em nosso território apenas 57 quilômetros e 700 metros de estradas asfaltadas. Deteve-se analisando a importância econômica da BR-5 e da BR-31, cujas obras estão criminosamente abandonadas, mas cuja construção será ativada pelo seu Governo.

OUTROS PROBLEMAS

Falou ainda sobre a necessidade de se aumentar a capacidade de exportação do nosso porto, mas considera de urgência inadiável uma dragagem de profundidade, que permita que navios de trinta e trinta cinco toneladas possam aqui atracar. Afirmou que pretende alcançar a meta dos 20 milhões de toneladas exportadas.

 

Fonte: Jornal O Diário, 9 de agosto de 1960 – Ano IV
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018

História do ES

Braz Rubim

Braz Rubim

Registra o historiador Cesar Marques que Braz Rubim remeteu, do Rio, onde residia, quatrocentos volumes destinados à criação de uma biblioteca pública em sua terra natal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1560 – Por Basílio Daemon

Parte da Bahia, o governador geral do Brasil Mem de Sá, que ia ao Rio de Janeiro com o fim de expulsar Villegaignon e mais franceses  

Ver Artigo
Ano de 1558 ainda – Por Basílio Daemon

Fernão de Sá, desembarcou à margem do rio Cricaré, hoje São Mateus, unindo-se logo às forças que o donatário Vasco Coutinho enviara a auxiliar as de Mem de Sá   

Ver Artigo
Ano de 1554 e 1555 – Por Basílio Daemon

Partiu para Portugal o donatário Vasco Fernandes Coutinho, deixando em seu lugar, para administrar a capitania, D. Jorge de Menezes 

Ver Artigo
Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo