Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Capa do Livro - Luiz Serafim Derenzi, 1965

As aglomerações humanas propiciam as endemias, mormente quando se tornam centro de emigração. O paludismo e a varíola madrugaram na ilha com a entrada dos indígenas catecúmenos. Em 1558 e 1559, quando a ilha se despovoava com os assaltos dos silvícolas, uma epidemia "matou tanta gente que o adro da igreja, onde, segundo costume, os jesuítas chegaram a sepultar dez cadáveres por dia..." (1) Os loiolistas registram continuamente, em suas cartas, essas mazelas.

Luís da Grã, certa vez, "achou a todos convalescentes de febres". Em 1564 a bexiga outra vez devasta, principalmente na Aldeia da Conceição, hoje "Serra". (2) Não deve ter sido outra doença, que matou o Padre Diogo Jácome e o Ir. Pedro Gonçalves". (3) O progresso demográfico, com a insurreição do índios, as epidemias e lutas contra os estrangeiros, só podia ser negativo. Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram. Salvaram o desembarque Simão Azevedo e um francês, residente na ilha, chamado Nao, os quais indo a bordo, exageraram o poder bélico dos colonos e os fizeram levantar ferros.

"Gato" os surpreendeu dias depois em Itapemirim, combatendo-os e desbaratando-os. (4)

Os franceses são persistentes: em 1561, em duas naus artilhadas, fundeiam defronte a vila, aterrorizando a parca população em suas casas de palha sem defesa. Belchior de Azevedo chefiou a defesa, levando o P. Brás Afonso o estandarte de São Tiago. Toda a população combate. Foram postos em fuga a golpes de flechas. Uma nau portuguesa de passagem prestou auxílio valioso. (5)

No ano seguinte não ousaram entrar; mandaram um batelão explorar o parto e foram postos a correr. (6)

BELCHIOR DE AZEVEDO

Entre os moradores da Capitania, um destacou-se pelas suas virtudes excepcionais: Belchior de Azevedo. Além de próspero proprietário,  exercera a Provedoria Real da Fazenda. Era secretário de Coutinho, administrador da Justiça, estimado por Brás Afonso, superior do Colégio. Na última viagem de Vasco Fernandes elegido pelo povo e as mais vozes para Capitão.

Mem de Sá, voltando da Guanabara, achando vaga a Capitania, por provisão de 3 de agosto de 1560, datado de Vitória, confirma o ato dos habitantes da ilha, fazendo ao cavaleiro d' El Rei, Belchior de Azevedo, capitão, com todas as prerrogativas do donatário. O que eu não atino é que, tomando Mem de Sá conhecimento da morte de Coutinho, de Salvador, em 16 de outubro do ano seguinte, torne a nomear Belchior, capitão-mor da Capitania, determinando que ela não seja entregue a nenhuma outra pessoa a não ser ao filho do falecido Coutinho, se se apresentar. (7) Parece-me redundância. Belchior de Azevedo vai imortalizar-se na história da invasão francesa no Rio e será perpetuado, pela ajuda a Frei Pedro Palácios, na construção da ermida da Penha.

 

NOTAS

(1) Mario Freire — "A Capitania do Espírito Santo" pág. 23.

(2) Apud Serafim Leite — Tomo I. pág. 216 e seguintes.

(3) Serafim Leite.

(4). C.A. — "Apud" Serafim Leite.

(5) C.A. c/ nota de Afrânio Peixoto — "Apud" Serafim Leite.

(6) Idem, idem — Daemon.

(7) Os dois documentos estão reproduzidos nos "Ensaios Sobre a História e Estatística da Província do Espírito Santo", de José Marcelino Pereira de Vasconcelos, editada em Vitória, em 1858".

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2017

História do ES

Epílogo da invasão de Thomas Cavendish (8ª e última Parte)

Epílogo da invasão de Thomas Cavendish (8ª e última Parte)

Como decorrência da apreciação analítica da passagem de Cavendish pelo Brasil quinhentista, dirimir-se-ão algumas dúvidas; velhas certezas poderão ser questionadas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A ordem pública na Província do ES

Não seria de estranhar em uma província cujo policiamento ia pouco além de simples quimera, oferecendo, ademais, condições singulares para estimuladora impunidade

Ver Artigo
O Espírito Santo no Romance Brasileiro

A obra de Graça Aranha, escrita no Espírito Santo, foi o primeiro impulso do atual movimento literário brasileiro

Ver Artigo
Casas para morar e para rezar na era Vasco

Portugueses, portanto filhos fervorosos da Igreja de Cristo, dedicaram a capela a Nossa Senhora do Rosário

Ver Artigo
Em retribuição a Duarte de Lemos, uma ilha

Rocha Pombo acredita que Duarte de Lemos tenha chegado ao Espírito Santo em 1536, ou, quando muito, em princípios do ano seguinte

Ver Artigo
O Ensino e a primeira biblioteca pública do ES

Criado em 1843, só a vinte e cinco de abril de 1854 foi instalado o Liceu da Vitória

Ver Artigo