Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

Antônio Luís Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi – segundo a memória dos arquivos – a descoberta de minas (de esmeraldas?) pelo capitão Antônio Luís de Espinha. A notícia chegou à Bahia e provocou missiva modelar do representante del-rei ao descobridor – ao lado do pedido de informações sobre as minas, promessas de graças e favores régios: tudo feito com mestria e elegante sobriedade de linguagem.(12) O esquecimento em que ficou o nome de Antônio Espinha é a melhor prova de que se tratava de rebate falso.

Dentro em breve, o governador geral escreveria ao sucessor de Mendes de Figueiredo: (13) “Espero faça V. M. grandes serviços a S. A. E porque o mais consideravel será o das esmeraldas se se descobrirem; encommendo muito a V. M. a diligencia, que sobre ellas deve fazer”.(14)

 

NOTAS

(12) - DH, VI, 183.

(13) - A doze de dezembro de 1663, Brás do Couto de Aguiar foi nomeado para o posto de capitão-mor do Espírito Santo, em substituição a José Lopes (DH, XXI, 251). No dia seguinte, lavrava-se a patente de sua nomeação para o cargo de comandante da Companhia de Infantaria da mesma capitania, onde foi substituir a Manuel de Almeida do Couto – então “preso na cadeia desta Cidade [do Salvador] por culpas cometidas na Capitania do Espírito Santo” (DH, XXI, 249).

Brás do Couto foi substituído por Diogo de Seixas Barraca, nomeado a quinze de fevereiro de 1664 por proposta de D. Filipa de Menezes, mãe e tutora de Antônio Luís Coutinho da Câmara, donatário (DH, XXII, 30). É curioso que a carta do vice-rei apresentando Couto de Aguiar ao seu antecessor é datada da Bahia, dezenove de fevereiro de 1664 (DH, VI, 45), isto é, quatro dias depois do ato real supracitado, lavrado em Lisboa. Em 1667 (onze de março), o soberano assina patente nomeando Antônio Mendes de Figueiredo* para dirigir a capitania (DH, XXIII, 87). Foi seu sucessor Inácio de Lercar (ou Lercaro, pois encontramos ambas as grafias nos documentos), nomeado a quinze de julho de 1671 (DH, XXIV, 254-7). Em 1675, vamos encontrar à frente da administração capixaba José Gonçalves de Oliveira (DH, XI, passim), que fora nomeado capitão (da infantaria?) a dezesseis de julho de 1671 (DH, XXV, 93-8). A onze de junho de 1676 o governo da Bahia levantava o preito e homenagem de José Gonçalves de Oliveira “por haver Sua Alteza (que Deus guarde) feito mercê della a Francisco Gil de Araujo” (DH, XI, 136).

* “Consulta do Cons Ult e relatório do Dr. Pedro Alves Seco de Macedo, sobre a devassa de residencia que tirara o ouvidor geral do Rio de Janeiro, do Capitão da capitania do ES Antonio Mendes de Figueiredo. Lisboa, vinte e seis de maio de 1674” (ALMEIDA, Inventário, VI, 134).

(14) - DH, VI, 211.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2017

História do ES

Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Invasão das minas do Castelo

Vieram, os sobreviventes, instalar-se na barra do rio Itapemirim, fazendo surgir a freguesia de N. S. do Patrocínio

Ver Artigo
Ensino público depois da segunda metade do Século XVIII

Com a saída dos jesuítas, a capitania ficou desprovida de escolas. Choveram reclamações em Lisboa

Ver Artigo
Censo e Recrutamento - Segunda metade do Século XVIII

Em 1776, a situação militar traria, novamente, ao Espírito Santo, “o Sargento-mór Engenheiro José Antonio Caldas

Ver Artigo
Correios, índios e negros na segunda metade do século XVIII

Em Vitória, irmandade dos pretos e se levantava – por iniciativa deles – a capela de N. S. do Rosário

Ver Artigo
O soldado Santo Antônio

Em 1750, foi concedido o predicamento de paróquia à igreja de N. S. do Rosário, da vila do Espírito Santo

Ver Artigo