Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Fradinhos – Por Adelpho Monjardim

Pedra dos dois olhos, Frei Leopardi - Fradinhos

Na antiga Vitória, no sítio denominado Fradinhos, em remoto casarão de grossas paredes e aspecto sombrio, morava o italiano Caetano Jantorno, lavrador de alguns recursos. A casa não fora construída por ele. Remontava, possivelmente, ao Século XVII, possuidora de longa e movimentada história.

Fradinho o nome exato, ostentando hoje um paragógico S, por eufonia. Contou-nos o inesquecível Professor Adolpho Fernandes de Oliveira, da Academia Espírito-santense de Letras e profundo conhecedor da historiografia capixaba, que o nome Fradinho provinha de promessa feita, por um dos seus antigos donos, a fim de salvar o filho de grave enfermidade. O voto obrigava o menino a usar, por tempo indeterminado, um hábito de frade.

O casarão, que tantas vezes mudou de dono, possui nebulosa história, que raia pela fantasia. Contou-nos austero militar, senhor de apreciável cultura, dado à parapsicologia, que através de revelações extra-sensoriais soube ter pertencido a casa a misteriosa personagem, provavelmente um flibusteiro, que ali se radicara, conservando-a como reduto forte e homizio.

Ali, em lugar só conhecido por ele, ocultara fabulosa fortuna. Morrendo o gentil homem da fortuna, o produto das suas razias continua oculto sob a terra, emparedado ou em algum socavão jamais encontrado.

Revelou-nos o informante ter sonhado com façanhudo senhor de capa e gibão e agigantado porte. Barbudo como todos os bucaneiros, trazia no largo cinto, cingindo o gibão, as clássicas pistolas e a longa espada de copos de prata. Em sonho fora conduzido ao misterioso esconderijo, local que nitidamente gravou na memória. Soube que existe o lugar tal qual sonhou, porém nunca pôde visitá-lo. O proprietário, possivelmente conhecedor da história, jamais permitiu a presença de estranhos.

O pesado casarão resiste ao tempo, mudando sempre de dono, sem contudo desvendar o seu segredo. Talvez o tesouro seja igual ao da Rainha Nitocris, da Babilônia, como nos conta Heródoto: no alto de uma das portas da cidade, a mais freqüentada, em lugar visível, a rainha mandou construir um sepulcro, em cuja face mandou gravar a seguinte inscrição: “Se a algum dos reis da Babilônia, que me suceder, escassear o dinheiro, abra este sepulcro e tome o que quiser; porém se dele não necessitar de modo algum o abra, porque não lhe resultará bem”.

Dario, impedido de usar aquela porta, para não passar por debaixo de um morto; incomodado também por não se aproveitar daquele dinheiro, embora recheadas as suas arcas, determinou abrir o sepulcro. Aberto este, não encontrou dinheiro algum, senão um cadáver e o seguinte escrito: “Se não fosses insaciável de dinheiro e não usasses meios ruins para obtê-lo, não terias esquadrinhado as arcas dos mortos”.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015 

Folclore e Lendas Capixabas

Hermógenes - Contador e Professor

Hermógenes - Contador e Professor

Após a formatura em Contabilidade pela Escola Superior do Comércio de Vitória, em 1944, Hermógenes pediu demissão da Western Telegraph e assumiu a nova função de contador, trabalhando para o empresário Manoel Francisco Gonçalves

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo