Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Gil Vellozo

Gil Vellozo de braços cruzados ao seu lado o Governador Carlos Lindenberg e demais autoridades - Foto ilustrativa do acervo da Família Vellozo

Durante o governo de Gil Vellozo, de 1955 a 1959, a cidade de Vila Velha já contava com cerca de 30.000 habitantes, aproximadamente, e era notório o aumento da população. Gil Vellozo continuou a tarefa de calçar as ruas da cidade (começada na administração anterior, com o Prefeito Antônio Bezerra de Faria), trabalho que estendeu também aos bairros de Aribiri, Argolas e Coby. Na sede, prolongou a rua Antônio Ataíde, desde o Grupo Escolar Vasco Coutinho até o bairro Jardim Itapuã, e com isso deixava de existir a rua do Lixo.

Construiu o cemitério de Santa Inês, com área aproximada de 20.000 metros quadrados, e ampliou a necróple do Bosque, em Coby. Ajardinou e construiu um playground na praça Duque de Caxias. Fez aterro, construção, drenagem e calçamento na rua Francisco Lacerda de Aguiar, em São Torquato, de modo a evitar os constantes alagamentos provenientes do mangue próximo. Instituiu o comércio em feiras livres no município, prática adotada ainda hoje.

Apoiou a construção da Maternidade Nossa Senhora da Penha, em Jaburuna. Lutou pela retomada das áreas de terra do município em poder do Estado, após o misterioso desaparecimento do livro tombo do município, contendo a escritura do patrimônio territorial doado por Luíza Grinalda, quando sucessora de Vasco Coutinho Filho, seu marido.

Criou a Divisão de Engenharia e Serviços Públicos, órgão técnico responsável pelo planejamento e desenvolvimento urbano. Reorganizou o sistema tributário com reformulação do Imposto Territorial Urbano.

Em 25 de novembro de 1958, sancionou a Lei que devolveu o nome tradicional da cidade, que assim voltou a chamar-se, denitivamente, Vila Velha.

Em seu relatório de atividades administrativas, Gil Vellozo escreveu, de próprio punho:

"Vila Velha, com a sua população atualmente estimada em mais de 30.000 almas, que se espraiam em seus treis Distritos, os quais ocupam os seus 311 quilômetros quadrados de superfície, é um município difícil de governar e administrar.

Como filho da terra, aqui nascido, em que pese os transtornos e as dificuldades, sentimos que cumprimos razoavelmente o nosso dever no ensejo desta data em que encerramos o nosso ciclo governamental e estamos aptos a transferir as rédeas da administração municipal ao nosso digno sucessor – Dr. Tuffy Nader.

Julgue-nos, portanto, o bom Deus, se por acaso os homens não o quizerem fazer."

 

Fontes:
 

- Relatório de Atividades Administrativas (1955-1959), pag. 04
- Vila Velha - Onde começou o Estado do Espírito Santo - Jair Santos – Pag. 196

 

 

LINKS RELACIONADOS:

 

 >> Gil Vellozo - Prefeito de Vila Velha

>> O menino Gil Vellozo




GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

Adelpho Poli Monjardim

Adelpho Poli Monjardim

Prefeito Municipal de Vitória por duas vezes. Era filho de Alpheu Adelpho de Andrade e Almeida Monjardim, titular do Império

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Personalidades de Vitória – Por Wanda Camargo

Escolho, para falar aos Escritos de Vitória, uma personalidade essencial. Muitos a conheceram e poucos, como eu pois falo de um mineiro, nascido em Itaúna, a 9 de fevereiro de 1909...

Ver Artigo
Annette: Uma patrona de honra – Por Maria das Graças Neves

Anna de Castro Mattos, pseudônimo — Annette, mulher de fibra, garra e prestígio. Capixaba de nascimento de Mimoso do Sul e vitoriense por título concedido pela Câmara Municipal de Vitória, em 1967

Ver Artigo
Cinquentenário de uma persona grata – Por Marcos Tavares

Se é que é possível desvincular biografia e obra de um artista, eu diria que mais conheci o homem do que o notável ficcionista de O Sol no Céu na Boca

Ver Artigo
Maria Ortiz, heroína inesperada

O prazer de Maria Ortiz era rolar pela ladeira do Pelourinho dentro de uma ancoreta vazia. Tinha nove anos nessa época. Seu pai, o espanhol Juan Orty y Ortiz, veio para o Espírito Santo em 1621

Ver Artigo
Pauta para Sussen – Por José Irmo Goring

E olha que o Elmo foi figura sempre presente e atuante no movimento cultural de Vitória. Membro da AEL e do IHGES, escreveu alguns livros

Ver Artigo