Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Lançamento do Livro - Memória do menino e de sua velha Vila

Lançamento do Livro: Memória do menino e de sua velha Vila

Edward Athayde D´Alcantara

 

Nascimento: 26/12/1929

Município: Guarapari

Residência: Vila Velha a partir de 1932.

Título de Cidadão Vilavelhense: Decreto Legislativo No 590/93 de 10-05-93.

Filiação: Arlindo Alcantara e Maria Athayde D´Alcantara.

Esposa: Maria Jose Santos D´Alcantara.

Filhos: Alcyone, Christiane, Luciano, Denise e Edward A. Junior.

Netos: Larissa, Priscila, Letícia, Raisa, Maria Flávia, André, Caio e Lucas.

 

MINIBIO

Funcionário público, formado em agrimensura participou, a partir de 1950, da medição e demarcação de terras nas matas devolutas do norte do Rio Doce; executou serviços em quase todos os municípios do Estado, quando a sua maioria ainda eram distritos ou vilas. Demarcou os lotes da Esplanada Capixaba e Bento Ferreira. Trabalhou na Prefeitura Municipal de Vila Velha nos anos de 1964/1966 como chefe do Departamento de Obras. Requisitado ao Estado em 1967 pela empresa ECOTEC, demarcou os terrenos concedidos a COFAVI (Companhia de Ferro e Aço de Vitória), para o projeto de Reflorestamento da Aracruz Florestal no município de Aracruz. Trabalhou em diversas áreas na empresa Aracruz, sempre relacionadas às terras nos municípios do norte do Estado e sul da Bahia. No ano de 1990 já era assessor da Diretoria Florestal da Aracruz, se desligando da empresa em fevereiro de 1990. Preocupado em ficar parado, resolveu participar da Associação de Moradores de Vila Velha com sede na Prainha, até que, reunido a um grupo de amigos e associados fundou a ONG intitulada “Casa da Memória de Vila Velha”. Fundada no dia 27 de outubro de 1997, a Casa está situada na esquina da Rua Frei João Nepomuceno Valadares com Luciano das Neves, n° 14, na Prainha, cuja sede é de propriedade do Estado, construída em 1893 conforme inscrição em seu frontispício. Nos primeiros anos de sua difícil trajetória adquiriu personalidade jurídica e foi contemplada por Lei de Utilidade Pública n° 1512/98, de âmbito municipal.

 

DO LIVRO

Edward, ou melhor, Seu Dedê, como é carinhosamente conhecido, é um apaixonado pela História de Vila Velha. Detentor de um grande acervo de fotos antigas, tendo escrito vários artigos de cunho historiográfico.

Incentivado pelo atual Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha – Casa da Memória, Luiz Paulo Siqueira Rangel, Seu Dedê abraçou essa grande causa e rapidamente seus rascunhos se tornaram a “boneca” de um livro, toda ela produzida por ele mesmo com vasto conhecimento que possui em informática.

Da “boneca” para o livro foi um pulo. Este maravilhoso livro, imagino eu que foi escrito como se o autor tivesse entrado no túnel do tempo e de volta ao seu passado na Vila Velha, antes de cada teclada, fechava os olhos e auscultava o seu coração, e assim poder nos brindar com esta obra tão simples, tão singela, mas apaixonante.

Não deixe de ir ao lançamento do livro e depois faça você também essa magnífica viagem...

Outubro de 2014

 

Walter de Aguiar Filho – Diretor de Eventos do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha – Casa da Memória

Literatura e Crônicas

O nome da cidade – Por Levy Rocha

O nome da cidade – Por Levy Rocha

Sabe-se que não existe, no rio Itapemirim, no local onde se situa a "Princesa do Sul", nenhuma cachoeira

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Convento da Penha – Turismo de fé e História

No alpendre admira-se uma Pietá em madeira do escultor Carlo Crepaz e uma pia batismal de cedro e jacarandá encimada pela figura de São João Batista

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo
O Amor do Mar – Por Elizabeth Martins

Estranho amor que me faz tomar a amada cada dia mais bela para que outros caiam na armadilha do seu fascínio, aprisionado por seu doce visgo

Ver Artigo
Terra natal: cidade presépio – Por Ana Maria Machado

Ficávamos todos contemplando extasiados as luzes fracas dentro das janelas pareciam piscar de longe

Ver Artigo
Réu Papagaio - Por Carminha Corrêa

O ano era 1977. O local: redação do jornal A Gazeta, na rua General Osório. Já passava das 18 horas, fechamento de edição

Ver Artigo