Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Em baixo, à esquerda, parte da placa de identificação do escritório de Western Telegraph Company, ao lado da agência central dos Correios, na Av. Jerônimo Monteiro, no centro de Vitória

Nos idos do final da década de 1910, e início da de 1920, embora já existisse luz elétrica, Vitória não dispunha de rádios com capacidade de recepção dos programas transmitidos pelas emissoras da Capital do Brasil, a cidade do Rio de Janeiro.

Mas, como estava programado um jogo de futebol, a ser realizado em um domingo, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas, o que fazer para acompanhar o desenrolar da peleja, já que nem todos poderiam se deslocar para o Distrito Federal e assistir ao vivo a contenda.

Odilon Grijó, o famoso Neném, pessoa muito bem-querida na cidade, eloquente, brincalhão e, principalmente, excelente orador, teve a feliz ideia de fazer a irradiação. Mas de que forma? Não havia como transmitir. Como fazer?

Ele procurou a Western Telegraph, companhia inglesa de envio de telegramas, através de cabos submarinos, por todas as partes do mundo. Ela ficava num prédio ao lado do ocupado atualmente pelo Correio. Ou seja: bem próximo da Praça Oito. Aliás, justifica-se a escolha da Western, em vez dos Correios, em função da velocidade de transmissão, infinitamente superior à da empresa nacional.

Neném, após o acerto com a Western, fez rodar panfletos nos quais convidava o povo para uma concentração na Praça Oito, quando então o jogo seria transmitido. Às 15:30 horas do dia acertado, já quase não cabia mais ninguém no local. Muitos tiverem de ficar na rua, no espaço onde, posteriormente, foi erigido o relógio, lá até hoje.

Quando dá 16:00 horas em ponto, aparece Neném Grijó com um megafone as mãos. Levando-o à boca, dá boas-vindas a todos e esclarece que será praticamente um porta-voz dos acontecimentos. Ele, de 15 em 15 minutos, irá até à Western e receberá um telegrama de uma pessoa colocada em ponto estratégico dentro do estádio, informando o desenrolar da peleja.

Dito e feito! Correu para lá e voltou célere, com um telegrama às mãos. Abrindo-o à frente de todos, noticiou:

— O jogo começou. Os espectadores voltaram a tratar de assuntos amenos. Após 15 minutos, volta Neném, com outro telegrama. Abrindo-o, lê:

— O jogo continua sem alteração no placar.

Passados os outros 15 minutos, Neném, com visível alegria, comunica que os capixabas fizeram o primeiro gol da partida, aos 25 minutos. Alegria geral, fogos, gritos, euforia total.

No período de tempo a seguir, Neném abre novo telegrama e informa:

— Primeira etapa encerrada.

Após o intervalo decorrido para início do segundo tempo, Neném comunica:

— Iniciado o segundo tempo.

Daí para frente, o protocolo de transmissão transcorreu praticamente igual ao anterior, só chamando atenção o fato de Neném não ler mais os telegramas, passando a informar apenas que o jogo transcorria normalmente.

Passado o período de 45 minutos do segundo tempo, Neném, com o telegrama aberto às mãos, comunica:

— O jogo terminou três a um para os cariocas.

Quase foi linchado.

 

Fonte: No tempo do Hidrolitol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Literatura e Crônicas

A partida de Samuel - Por Mário Gurgel

A partida de Samuel - Por Mário Gurgel

A mocidade batista da Primeira Igreja está ferida e inconformada. Samuel era um de seus elementos de destaque, alegre, comunicativo, simples

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praia Tênis Clube - Por Sérgio Figueira Sarkis

Lembro de alguns com a presença de Affonso Queiroz do Valle, Evanildo Silva, Luiz Paulo Dessaune, Reynaldo Broto e Vânia Sarlo

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo
A visão do negro na literatura do Espírito Santo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O negro vem a ser, por isso, apesar de todas as vicissitudes que enfrenta, o componente mais criativo da cultura brasileira e aquele que, junto com os índios, mais singulariza o nosso povo. *

Ver Artigo
Os pobres na literatura do Espírito Santo - Por Francisco Aurélio Ribeiro

A Literatura Capixaba, excetuando-se a poesia, sempre foi feita pela burguesia - beletrista por excelência

Ver Artigo
Bloco Unidos do Quintal

Quem já brincou o carnaval de rua de Vila Velha, com certeza tem na memória os registros do Bloco Unidos do Quintal, da década de 70

Ver Artigo