Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Linhares perde sua condição de município

Selo em Ofício de Linhares, mesmo a sede sendo Colatina

Linhares, distrito e Município, não tinha sido ainda Comarca com direito a um juiz residente. Pertencera às Comarcas de São Mateus, Vitória e Santa Cruz. Em 1895, alcançou este privilégio tendo com Juiz o Dr. Lourenço de Araújo.

Mas em 1900, um decreto governamental extingue a Comarca. Nesse ano, representavam Linhares na Assembléia Legislativa os senhores Monsenhor Eurípedes Calmon Nogueira da Gama Pedrinha, Augusto Rafael de Carvalho e Augusto Calmon Nogueira da Gama, e não foi fácil para eles, e todos os linharenses, assistirem àquela medida. Mas o problema em 1900 não atingia só a nossa comarca. Várias outras também foram suprimidas. O Estado atravessava um período em que era necessário reduzir despesas. Assim, os deputados linharenses nada puderam fazer.

Ficaram, contudo, aguardando uma oportunidade e esta apareceu em 1906. Monsenhor Pedrinha, então presidente de Assembléia, apresentou um projeto restabelecendo a Comarca em Linhares, sendo a mesma instalada no ano seguinte.

Porém, já nesse tempo, o destino preparava o golpe que muitos linharenses até hoje não esquecem.

Desde anos atrás, vinham sendo construídos os trilhos da Estrada de Ferro Diamantina, hoje Vitória-Minas, incorporada pela Companhia Vale do Rio Doce.

Esta estrada partia de Minas até a “Vila de Colatina”, e daí dobrava para o sul em direção a Vitória. Estes trilhos chegaram em 1906 a Colatina, simples povoado com nome de Vila, mas com ricas áreas de cafezais. Enquanto os colatinenses celebravam a chegada dos trilhos “com foguetes e salvas de rifles”, podemos dizer, literalmente, que Linhares chorava. Todos sabiam o que ia acontecer, como de fato ocorreu. “O comércio que era feito barra a fora, via Linhares, passou a se concentrar em Colatina e daí as mercadorias saíam para Vitória e vice-versa. O abalo econômico foi grande e o comércio linharense desarvorou-se”.

E como se isso fosse pouco, em 1907, o Coronel Alexandre Calmon, linharense, conseguiu a transferência da sede do Município para Colatina e ainda levou para lá todo o arquivo aqui existente (Arquivo este que, em nossa opinião, deveria ter voltado para cá em 1943, como condição imprescindível, quando o Município foi separado de Colatina).

Naquela época, contra Alexandre Calmon se colocaram várias famílias linharenses: Carvalho, Nogueira da Gama, os seus parentes Calmon, Pestana, Ravara, Durão, Ferreira e Fernandes, Tristão e outros. Mas nada foi possível fazer. E, ainda em 1907, mudava-se para Colatina o Juiz Dr. Francisco de Paula Mendes Wanderley, perdendo também Linhares a sede da Comarca e os cartórios.

Dessa época até 1921, aconteceu um fato curioso. Linhares conservava o nome do Município, os papéis da Câmara tinham o timbre com seu nome e até um “selo” encontramos em vários ofícios. Mas a sede era Colatina.

Somente em 1921, foi criado oficialmente o Município de Colatina e extinto o de Linhares. E apesar de tudo isso, de 1907 a 1943, os cidadãos linharenses, nem por um momento, deixaram de ocupar cargos na política municipal. Como exemplo, temos o Coronel Lastênio Calmon, Presidente da Câmara em Colatina de 1920 a 1924. Os linharenses Talma Drumond Pestana, Joaquim Calmon e Alberto Ceolin foram vereadores, e outros ocuparam cargos de destaque, como Rufino Rafael de Carvalho, Miguel Pereira Tristão, Joaquim José de Amorim Durão e Luis Cândido Durão.

 

Fonte: Panorama Histórico de Linhares, 1982
Autora: Maria Lúcia Grossi Zunti
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2012 

História do ES

O Quadriênio Jerônimo Monteiro

O Quadriênio Jerônimo Monteiro

Durante o quadriênio Jerônimo Monteiro, o Estado experimentou largos benefícios da ação governamental: abertura de estradas, fomento da produção agrícola, melhoria dos rebanhos bovinos, construção da usina de açúcar de Paineiras

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo