Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Montanhas de Vitória

Foto Panorâmica da baía de Vitória. Foto de Edson Quintaes

Inúmeros são os motivos de beleza que ornamentam a pitoresca baía de Vitória, tornando-a um dos mais encantadores trechos do extenso e variado litoral do Brasil.

Pequeninas curvas, de aspecto sempre novo e diferente, multiplicam-se em um e outro lado do mar, aos olhos do viajante que, extasiado, as contempla no recorte gracioso das ilhas e nas insinuações caprichosas das montanhas esculpidas com buril vigoroso em rochas trabalhadas pacientemente pelo tempo.

Linhas e cores, massa e forma, tudo se combina e se harmoniza numa paisagem em que o arquiteto da natureza parece haver feito a síntese de mil primores.

Sobremaneira, nesse conjunto admirável, destacando-se as montanhas.

São elas o interesse dos urbanistas e a inspiraçao dos poetas. Veja a interpretação de Ciro Vieira da Cunha neste soneto:

Vitória, ao luar...

Noite. Vitória dorme... e dorme descansada
sob um claro dossel tecido de luar...
Ao longe, em verde-azul, a linha serpenteada
de montes namorando a inconstância do mar...

Caratoíra a sorrir... o Moscoso a sonhar...
Santa Clara lá está, a noite enluarada,
como santa feliz, esperando no altar
uma prece de luz de princesa encantada...

Jaburuna distante... ali perto, o Penedo...
Atalaia - o futuro... E São João - o passado -
no silêncio de alguém que guardasse um segredo...

Noite, Vitória dorme. E, ao store da garoa,
eu vejo qual fosse tesouro dourado
que o Moreno vigia e que a Penha abençoa...

 

Livro: Montanhas de Vitória e Outros Escritos. - 1985.

Matérias Especiais

A origem do Banestes

A origem do Banestes

Sua sede foi inaugurada em 15 de outubro de 1937 na antiga Rua do Comércio, nº 22, hoje Avenida Florentino Avidos 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Posfácio do livro Parabéns Pra Você – Por Cariê Lindenberg

Por fim, o que mais me marca em Maria é a sua determinação, força de vontade e grande fibra

Ver Artigo
Páginas soltas – Por D. Maria Lindenberg

Noventa anos significam uma vida repleta de bons e de maus momentos. De triunfos e de derrotas

Ver Artigo
Depois de Carlos – Por D. Maria Lindenberg

O domingo de 19 de agosto de 1990 deveria ser igual a qualquer outro

Ver Artigo
Em Palácio – D. Maria Lindenberg

Procurei ser amável sem pieguice; elegante, sem os maneirismos da moda; firme sem teimosia

Ver Artigo
O casamento – D. Maria Lindenberg

Sentamos no banco, que rodeava o abacateiro, para apreciar o cair da noite e, pronto, aconteceu: Carlos me deu o maior beijo

Ver Artigo