Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Muralha Capixaba

A descoberta de ouro no interior do País ao final do século XVII e sua exploração até o início do século XVIII criou um grande empecilho ao desenvolvimento da Capitania do Espírito Santo. É que a Coroa portuguesa tomou a decisão de usar o nosso território como uma espécie de muralha para a proteção e defesa daquelas riquezas.

A Coroa baixou ordenações que impediam a construção de vias que ligassem o litoral capixaba à Capitania de Minas Gerais, impedindo também o acesso através de rios. As restrições evitavam que estrangeiros planejassem ataques, atrapalhava o contrabando e facilitava o controle da produção para a cobrança de impostos.

Em 1674, a Capitania do Espírito Santo foi vendida à Capitania da Bahia. O Forte de Piratininga teve sua edificação iniciada em 1702. Localizado de frente para o canal de entrada das embarcações, teve papel estratégico de proteção durante o período colonial. Abrigou os primeiros grupos de infantaria formados na Capitania.

Em 1708, a Capitania do Espírito Santo foi recomprada pela Coroa portuguesa e o distrito da Vila do Espírito Santo foi criado em 1750. Dessa época, um marco de desenvolvimento é a Fazenda de Araçatiba, dos jesuítas. Apesar da sede ficar em Viana, seu complexo se estendia até a Barra do Jucu e a Ponta da Fruta. Produzia boa quantidade de açúcar e tinha bastante gado. Foi tomado dos jesuítas em 1760, depois que o Marquês de Pombal expulsou aquela ordem religiosa tanto de Portugal quanto de suas colônias. Abandonada, teve suas terras retalhadas. Mas sua existência influenciou os legisladores de três séculos mais tarde.

Em 1943, quando o município de Vila Velha foi extinto pela segunda vez, seu território acabou dividido. A parte Norte, que margeia o canal de acesso ao Porto, foi incorporada ao município de Vitória. E toda aquela área que correspondia à antiga Fazenda de Araçatiba, ao município de Jabaeté, antigo nome de Cariacica.


Fonte: Política Econômica de Vila Velha – Vitória ES, 2010
Autor: Antônio de Pádua Gurgel – Coordenação e texto final

LINKS RELACIONADOS:

>> Jesuítas em 1573
>> Os Jesuítas e o Palácio Anchieta
>> Fortificações da Praça de Vitória

História do ES

O Quadriênio Jerônimo Monteiro

O Quadriênio Jerônimo Monteiro

Durante o quadriênio Jerônimo Monteiro, o Estado experimentou largos benefícios da ação governamental: abertura de estradas, fomento da produção agrícola, melhoria dos rebanhos bovinos, construção da usina de açúcar de Paineiras

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O 408 Aniversário da Colonização do Espírito Santo

Foi sem dúvida a falta de justiça a causa da decadência do primitivo sistema de colonização

Ver Artigo
A Colonização do solo Espírito-Santense - Por: Yvone Amorim

Vasco Fernandes Coutinho faleceu a 16 de janeiro de 1561, em Vila Velha, onde residia. Acreditamos, em um futuro bem próximo, que se possa resgatar a importância da figura do donatário, como a melhor forma de cultivar a sua memória

Ver Artigo
O plano português para colonização das terras doadas - Sesmarias

A 28 de fevereiro de 1532, D. João III, por carta, cientificou a Martim Afonso de Souza a resolução que tomara de dividir o litoral do Brasil, de Pernambuco ao Rio da Prata, com o fim de formar capitanias com cinqüenta léguas da costa

Ver Artigo
População e colonização no ES em meados de Século XIX

Santa Isabel ia em progresso. O presidente da província já denunciava, porém, a resistência dos colonos a que fosse ministrado o ensino de português aos seus filhos 

Ver Artigo
Padres, cirurgiões, rábulas etc. - Província do ES

Os capixabas não podiam se queixar – como em outros tempos tantas vezes o fizeram – da falta de sacerdotes

Ver Artigo