Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Muralha Capixaba

A descoberta de ouro no interior do País ao final do século XVII e sua exploração até o início do século XVIII criou um grande empecilho ao desenvolvimento da Capitania do Espírito Santo. É que a Coroa portuguesa tomou a decisão de usar o nosso território como uma espécie de muralha para a proteção e defesa daquelas riquezas.

A Coroa baixou ordenações que impediam a construção de vias que ligassem o litoral capixaba à Capitania de Minas Gerais, impedindo também o acesso através de rios. As restrições evitavam que estrangeiros planejassem ataques, atrapalhava o contrabando e facilitava o controle da produção para a cobrança de impostos.

Em 1674, a Capitania do Espírito Santo foi vendida à Capitania da Bahia. O Forte de Piratininga teve sua edificação iniciada em 1702. Localizado de frente para o canal de entrada das embarcações, teve papel estratégico de proteção durante o período colonial. Abrigou os primeiros grupos de infantaria formados na Capitania.

Em 1708, a Capitania do Espírito Santo foi recomprada pela Coroa portuguesa e o distrito da Vila do Espírito Santo foi criado em 1750. Dessa época, um marco de desenvolvimento é a Fazenda de Araçatiba, dos jesuítas. Apesar da sede ficar em Viana, seu complexo se estendia até a Barra do Jucu e a Ponta da Fruta. Produzia boa quantidade de açúcar e tinha bastante gado. Foi tomado dos jesuítas em 1760, depois que o Marquês de Pombal expulsou aquela ordem religiosa tanto de Portugal quanto de suas colônias. Abandonada, teve suas terras retalhadas. Mas sua existência influenciou os legisladores de três séculos mais tarde.

Em 1943, quando o município de Vila Velha foi extinto pela segunda vez, seu território acabou dividido. A parte Norte, que margeia o canal de acesso ao Porto, foi incorporada ao município de Vitória. E toda aquela área que correspondia à antiga Fazenda de Araçatiba, ao município de Jabaeté, antigo nome de Cariacica.


Fonte: Política Econômica de Vila Velha – Vitória ES, 2010
Autor: Antônio de Pádua Gurgel – Coordenação e texto final

LINKS RELACIONADOS:

>> Jesuítas em 1573
>> Os Jesuítas e o Palácio Anchieta
>> Fortificações da Praça de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Movimento Estudantil ou AD USUM DELPHINI - Por Fernando Achiamé

Para se falar sobre movimento estudantil em nossa capital pode-se começar e terminar reproduzindo trechos do discurso proferido pelo padre diretor do Colégio Salesiano na formatura do curso ginasial em 1964

Ver Artigo
Minha FICHA - Por Eurico Resende

Sempre admiti que a partir de certo momento do primeiro governo revolucionário, não tinha a estabilidade da simpatia do "Sistema"

Ver Artigo
Carta de doação – Limites da capitania

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho

Ver Artigo
Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, 1696

1696. Carta patente dada ao capitão de Infantaria, Francisco de Albuquerque Teles, e por el-rei D. Pedro, em que se provia[m] seus serviços na ilha do Funchal e na capitania de Cabo Frio, dando dela notícias históricas de muito valor

Ver Artigo